Perfil/ Rogério Rauber

Rogério Rauber e o Bagaço da Pintura
por chandra santos
Rogério Rauber | Foto de Ana Biolchini

O artista visual Rogério Rauber nasceu em Taquara, no Rio Grande do Sul, em 1960. Desde criança, desenhava e lia sobre arte, tomando contato com obras por reproduções e em livros. 
"A literatura disponível era restrita à biografia dos artistas, mas já pude suspeitar o quanto do trabalho dos que eram chamados "grandes mestres" ou "gênios" havia sido desenvolvido não só graças a dons especiais, mas, principalmente, graças a uma enorme persistência no estudo e na pesquisa. Na minha cidade, no interior do Rio Grande do Sul, era quase nulo o contato com obras de arte. Isso só veio a acontecer a partir da adolescência, quando comecei a frequentar museus, galerias e exposições em Porto Alegre", relembra Rogério, que ingressou na profissão aos 15 anos. "Na adolescência, movido por ideais de autoconhecimento, que só mais tarde me dei conta do quanto eram fantasiosos, é que determinei que a prática e a pesquisa seriam constantes e intensos. Aos 17 participei da minha primeira coletiva."



Hoje, artista visual e professor, ele reflete sobre o papel da arte no drama humano: 
"Como professor, eu parto do princípio que todas as pessoas podem e devem desenvolver seu potencial artístico. Quanto à esta questão de nascer ou não com talento... isso é usado muitas vezes como desculpa para as pessoas desistirem quando se deparam com o enorme caminho, ora gratificante, ora tortuoso, que é o  desenvolvimento de um trabalho artístico. Pois arte não depende de dons especiais. É uma atividade inerente à (e fundadora da) própria condição humana. A arte está essencialmente inserida na nossa caminhada histórica coletiva e no nosso dia-a-dia, muito mais do que normalmente supomos. E tem um papel insubstituível na nossa saúde física e mental. Da mesma forma, a arte está ligada à nossa atividade cotidiana, seja ela qual for. Pois mesmo o profissional que se imagina mais distante de uma atividade artística pode (e até precisa, por responsabilidade com sua atuação) se beneficiar com o conhecimento artístico, já que este conhecimento gera soluções inesperadas para as mais diversas questões."



Formado em arquitetura na Unisinos (RS), Rogério exerceu a profissão e chegou também a trabalhar no mercado editorial como designer gráfico. Atualmente, o artista está envolvido no projeto "O Bagaço da Pintura", além de pesquisar vídeo e outras linguagens, onde procura responder a perguntas reincidentes na história da arte.
"Desenvolvo este trabalho (O Bagaço da Pintura) há 7 anos, a partir de um ponto de saturação com o qual me confrontei na labuta pictórica. Minha pesquisa ironiza as recorrentes alegações da suposta "morte da pintura" e reafirma a pertinência e atualidade desta linguagem. Primeiro, através de tensões no espaço, "espremendo" (metaforicamente, claro) o suporte (madeira do chassi e tecido da tela) e extraindo o 'suco' (também metafórico) de cuja operação resulta o 'bagaço' (fios e pedaços de vários materiais amalgamados por tinta acrílica, numa construção "in loco"). Segundo, através de tensões no tempo, criando estratégias de contínuas reconfigurações que vão da grade (raízes históricas) à reciclagem (pauta contemporânea)."
Rauber tem uma visão otimista em relação a arte contemporânea: 
"Fazer arte é uma das coisas que nos torna humanos. Porque arte foi e sempre será um campo de conhecimento estratégico para nosso desenvolvimento individual e coletivo, ainda que, aparentemente, não sirva para nada. Atualmente, a arte renova nossa condição de espanto frente a uma realidade que nos desafia mais e mais, dada a abundância de informações disponíveis, com novas descobertas a cada fração de segundo. Nossa percepção tende a querer se acomodar entre fronteiras, porém a arte nos instrumentaliza poeticamente para transpô-las. Por isso, a arte é o antídoto contra uma das maiores ameaças às conquistas da contemporaneidade, o fundamentalismo (não só o religioso, mas em todas as suas variantes)."
Para conhecer algumas pesquisas em vídeo e outros trabalhos do artista, clique aqui

Para ver obras da série "O Bagaço da Pintura", acesse:

Programação/ Festival de Inverno (SP)

Festival de Inverno de Paranapiacaba

A cidade de Paranapiacaba, em São Paulo, promove a 11º edição do seu tradicional Festival de Inverno até o próximo dia 30.  O evento integra o calendário de atividades do Departamento de Turismo de Santo André. A programação, que se realiza nos dias 16, 17, 23, 24, 30 e 31 de julho, é bem variada.

Hoje (24) se apresentam na cidade os pernambucanos do Mombojó, às 14h; Pedro Mariano, às17h; e o cantor Jorge Vercíllo, às 20h. Já no próximo dia 30 é a vez do Teatro Mágico e de Marcelo Jeneci. E no último dia do festival  (31), ocorrem apresentações de Lenine e Rita Ribeiro. Os ingressos, gratuitos, serão distribuídos uma hora antes do início de cada atração.
Artistas da região também terão espaço garantido. É o caso de Éder Palmieri, o Coro de Santo André, João Cristal e a Banda Lira, com apresentações no Antigo Mercado e na Padaria do Mens - espaço destinado também à literatura. Para o público infantil, as atividades acontecem na biblioteca. O Sesc é parceiro na organização do festival.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 4433-0339.

Saiba como chegar aqui

Música

Amy Winehouse encontrada morta

Policiais retiram corpo de Amy Winehouse em Londres (Foto: AFP)
Corpo de Amy é carregado | Foto AFP


A cantora inglesa Amy Winehouse foi encontrada morta ontem (23), em sua casa em Londres. O motivo do óbito ainda é desconhecido. A notícia, divulgada nos principais jornais do mundo, pegou de surpresa e chocou os fãs e os colegas da cantora.

O terceiro álbum da cantora estava em processo de finalização. De acordo com informações do G1, "a Universal, gravadora da cantora, afirmou em nota estar profundamente triste com a perda repentina de uma "musicista talentosa, cantora e intéprete". "Nossas orações vão para a família de Amy, amigos e fãs neste momento difícil."

Saiba mais:

Por dentro do Museu Imperial

Evento agita a Casa de Cláudio de Souza

Os petropolitanos e visitantes da cidade tiveram a oportunidade de conhecer um pouco melhor a obra de Cláudio de Souza no último dia 14.  Na data, o grupo Teatro Experimental Petropolitano (TEP), sob coordenação do professor Joaquim Eloy, apresentou uma interpretação de três peças do escritor na Casa de Cláudio de Souza/Museu Imperial: “Eu arranjo tudo” (1915), “A Matilha” (1924) e “Flores de Sombra” (1916).

De acordo com informações da assessoria do Museu Imperial, "A edificação, doada ao Museu Imperial em 1956 pela viúva do escritor, foi reaberta este mês, após um processo de restauro que durou cerca de oito meses. A partir de então, o espaço fica aberto à visitação gratuita, contando com uma exposição permanente sobre a vida de Cláudio de Souza em Petrópolis e a biblioteca do escritor, também disponível para consulta. A visitação acontece de terça a sexta-feira, das 11h às 18h. Já a biblioteca funciona de terça a sexta, das 13h30 às 17h30 (livre) e na parte da manhã (mediante agendamento pelo e-mailmimp.biblioteca@museus.gov.br). Mais informações sobre a casa podem ser obtidas pelo telefone (24) 2245-3418 ou pelo e-mail mimp.claudiodesouza@museus.gov.br."

Programação/ Fotografia

Ateliê Derossi leva você para o Parati em Foco



O Ateliê Derossi, na Tijuca, vai participar da 7º edição do festival Paraty em Foco, em setembro.  E ele vai levar você! Saiba mais no site ou pelo e-mail e/ou telefones (21) 2567-0406 e (21) 3684-2254.


Imagem: Divulgação

Programação/ Música

Bleffe faz show hoje


Em agosto eles se apresentam no Rio!

Programação/ Artes Visuais



Programação/ Artes Visuais

Na Cosmocopa

Reprodução

Programação/ Artes Visuais

Lenora de Barros na Laura Marsiaj

A Galeria Laura Marsiaj recebe entre os dias 9 de agosto e 17 de setembro a mostra "Destempos" de Lenora de Barros.

De acordo com informações, a mostra "Destempos" dá continuidade à reflexão sobre questões relativas ao tempo, que Lenora de Barros vem desenvolvendo desde 2008, através de vídeos, fotografias e som.

Confira trechos do texto de apresentação da mostra (enviados pela galeria) que falam um pouco sobre as obras da artista:
 "O vídeo "Tempinhos" inaugura a série de vídeos sobre o tempo, foi realizado em 2008. A obra mostra a artista manipulando uma pinça de relojoeiro e ponteiros minúsculos. Esse vídeo busca expressar “horas absurdas, non‐senses, im‐possíveis momentos” dentro da própria linha do tempo de ação da performance. A versão que apresentaremos na exposição será a mesma que mostrada na exposição Paralela, em 2010. Ela é sonorizada com um fragmento de 00:03", tocado em loop, a cada 5'. Esse som foi recortado de conversa entre Haroldo de Campos e Helio Oiticica, no Hotel Chelsea, em NYC, em 1971 (in Heliotapes). Será emitido no ambiente em volume baixo, sutil e "longínquo" ‐ no limite do audível."
"Os outros 3 vídeos, "Destempos" (que dá título à exposição), "Extemporâneos" e "Para todo o sempre", fazem parte das série "Lugar de Sempre" e foram realizados posteriormente (2010), usando os mesmos micro ponteiros; mas aqui, a sua movimentação se dá a partir da manipulação de um imã. Uma espécie de “desenho animado” onde os protagonistas são esses ponteiros em movimentação contínua, e em pontos inesperados do campo de ação da performance. Nesse caso, o tempo e a sua forma de movimentação é definido e controlado pela movimentação da pedra de imã sob eles – uma espécie de coreografia, de “dança das horas” se cria, e que inclui o domínio e controle do acaso durante toda a ação performática. As proporções e tamanhos desses ponteiros são incorporadas à próprio processo como elemento de linguagem – ou seja, os mesmos micro ponteiros, filmados em escalas de tamanho diferentes, geram resultados visuais que surpreendem pela diferença entre si, gerando ora um resultado acumulativo e caótico (Para todo sempre), ou um resultado radicalmente oposto, minimal, tal qual em Destempos e/ou Extemporâneos, onde pequenos grupos de ponteiros se movimentam de forma quase imperceptível sobre o fundo branco da tela."

"Na instalação áudio‐visual "Quanto tempo o tempo tem", que será realizada no Anexo, Lenora propõe ao participante a audição, com headphones, de um texto re‐criado por ela a partir de um travalíngua popular, lembrança das brincadeiras infantis com sua mãe (“O tempo perguntou pro tempo quanto tempo o tempo tem. O tempo respondeu pro tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo o tempo tem.”). A idéia é criar um espaço bastante escuro, um ambiente mais cenográfico, com um foco de luz dirigido do teto para a cadeira de audição. Nesse ambiente, em uma das paredes, também será projetado o vídeo Para todo o sempre."
A Galeria Laura Marsiaj fica em Ipanema: Rua Teixeira de Melo, 31c

Programação/ Música

Dias 26 e 27
Reprodução

Programação/ Artes Visuais

Na Galeria IBEU

Divulgação


A Galeria de Arte Ibeu inaugura a exposição Novíssimos 2011 no próximo dia 27, às 20h. O Salão de Artes Visuais chega a sua 41ª edição com  o objetivo de propor uma ampliação das relações entre as diversas propostas artísticas selecionadas. Participam 22 artistas apresentando trabalhos em desenho, pintura,colagem, objeto, vídeo, fotografia e performance:Adrianna Eu (RJ), Aleteia Daneluz (RJ),Ana Dantas (RJ), AoLeo (RJ), Bianca Bernardo (RJ), Bruno Belo (RJ), CristinaAmiran (RJ), Daniela Seixas (RJ), Erika Romaniuk (RS), Fabiano Araruna (RJ),Felipe Braga (RJ), Helô Sanvoy (GO), Ivan Grilo (SP), Ivan Schulze (SC), IsmaelMonticelli (RS), Laila Terra (SP), Leo Ayres (RJ), Lin Lima (RJ), Pedro Meyer(RJ), Ricardo Alves (SP), Rogério Silva (RJ), Virgílio Neto (DF). A curadoria é de crítico Ivair Reinaldim.

Na ocasião será divulgado o nome do artista em destaque no Salão de Artes Visuais Novíssimos 2011. Este será contemplado com uma exposição individual na Galeria de Arte Ibeu no ano que vem.

De acordo com informações, a proposta do evento é "um salão onde as inquietações comuns aos artistas se apresentem não apenas reunidas em um espaço expositivo, mas, principalmente, em constante relação e contaminação umas com as outras. Dessa forma, a Galeria Ibeu aposta na possibilidade de um salto afetivo em direção a relevantes questões comuns à produção artística de nossos dias."

A mostra, cuja entrada é franca, ficará em cartaz até o dia 2 de setembro, com visitação das 13h às 19h, de segunda a sexta-feira.

A Galeria de Arte Ibeu fica em Copacabana: Av. N. Sra. deCopacabana, 690 | 2º andar.

Programação/ Artes Visuais

Na Sílvia Cintra + Box 4

Divulgação

Programação/ Artes Visuais

Dia 9 no Itanhangá

Divulgação

Programação/ Artes Visuais

“UM PRINCÍPIO DE DELICADEZA” na Caza

No próximo dia 20, a Caza Arte Contemporânea, no Centro, recebe a exposição  "Um princípio de delicadeza", com obras das artistas Daniela Seixas, Isis Quaresma, Marcia Rosa, Maria Helena Bastos e Mirela Luz. De acordo com informações da galeria, a mostra tem como tema "um traço em comum nos trabalhos das artistas: a questão da delicadeza. Seja através da maneira como abordam o tempo, o espaço, a paisagem, o aspecto performático, a transitoriedade ou  mesmo o cotidiano."

Conheça:
Texto e imagens: Caza Arte Contemporânea

Daniela Seixas: desenvolve seu trabalho a partir de questionamentos sobre o lugar do fazer e apresentar o desenho e a força escritural cotidiana. Como desdobramento dessa questão, a artista desenvolve trabalhos que exploram o desenho latente no mundo e a presença da palavra de diversos modos, em desenho, vídeo-instalações, e da apropriação de objetos. O aspecto performático do desenho e da escrita se apresentam através da criação de sistemas de falha: a tentativa e o fracasso, a exaustão do traço são sentidos fortemente em suas ações nos vídeos-desenhos, desenhos performados. A relação entre desenho, palavra e paisagem também surge como tópico em sua poética.



Isis Quaresma: suas linhas orgânicas percorrem o papel como uma planta que vai crescendo. Cada desenho possui seu princípio no outro, crescendo do interior para o exterior, para os seus quatro lados como uma cruz em expansão. Desenhos contínuos é um projeto que possui um tempo indeterminado para conclusão. Sem resultado pré-definido, cada folha de papel é um fragmento de uma obra maior cuja dimensão total é dependente das ações inconstantes do tempo que pode a qualquer momento anular a vontade de continuar o processo.


Marcia Rosa: tem como objeto de estudo a experiência perceptiva da observação da flor e sua conseqüente dimensão reflexiva de vida e morte, questões existenciais e espiritualidade. Esta série de trabalhos foi desenvolvida entre 2008 e 2011 e inclui um conjunto de fotografias, vídeos e impressões que, embora realizados em mídias diferentes, dialogam  entre si buscando responder à mesma questão: o que é a flor para mim?


Maria Helena Bastos: suas telas trabalham com formas que surgem do próprio processo da pintura demonstrando um grande interesse pela plástica, pela forma e pela imagem ambígua. O uso da tinta óleo diluída em seus trabalhos produz por vezes um efeito semelhante ao de aquarelas.


Mirela Luz: seus desenhos são crônicas que remetem a um estado cotidiano de vivência, ou seja, o espaço de vivência do lar impregnado com todos os ruídos e interferências externas da rotina doméstica e a relação que se estabelece com o tempo. Se por um lado esse tempo é cíclico, por outro, há o afeto entre os entes que participam diretamente dessa rotina e, portanto, mobilizam situações que se refletem em intimidades e lembranças desestabilizando esse eterno retorno através de um tempo subjetivo, ligado à memória. O trabalho lida com essa tensão através de referências visuais e textuais de revistas de decoração lançando mão de traços caricatos onde  o artifício das palavras e a alegoria dos desenhos funcionam como metáforas de uma relação de vivência no mundo.

A mostra fica em cartaz até dia 06 de Agosto, sempre de segunda a sexta, das 14h às 19h. E no 1º sábado do mes, das 11h às 16h.

A Caza Arte Contemporânea fica na Lapa: Rua do Resende - 52

Programação

NO IMS

Divulgação

Por dentro do Museu Imperial

Inauguração foi um sucesso!

Divulgação/Museu Imperial
No último dia 12 foi realizada a solenidade de reabertura da Casa de Cláudio de Souza, que se transformou em um novo centro cultural na cidade de Petrópolis. 

De acordo com informações da assessoria do Museu Imperial, participaram da solenidade o diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Jr., o presidente do PEN Clube do Brasil, instituição criada por Cláudio de Souza em 1936, Cláudio Murilo Leal e, representando o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), Cláudia Storino, da Coordenação de Espaços Museais, Arquitetura e Expografia do Ibram. O presidente da Academia Petropolitana de Educação, Ataualpa Antonio Pereira Filho; o presidente do Instituto Histórico de Petrópolis, Luiz Carlos Gomes; e o presidente das Academias Petropolitana de Letras e Brasileira de Poesia - Casa de Raul de Leoni, Joaquim Eloy também estiveram presentes.

"O evento contou com uma mesa de abertura, o lançamento da versão em língua inglesa do Guia de Visitação do Museu Imperial e uma leitura de um conto do escritor e dramaturgo Cláudio de Souza. A casa passou por um restauro de cerca de oito meses e, a partir de agora, será aberta ao público com entrada gratuita. No espaço, foi montada uma exposição dedicada à vida de Cláudio de Souza em Petrópolis e a biblioteca do escritor, composta de mais de 600 obras, disponíveis para consulta pública", informou a assessoria.

A Casa de Cláudio de Souza está aberta à visitação de terça a sexta-feira, das 11h às 18h, com entrada gratuita. Já a Biblioteca de Cláudio de Souza funciona de terça a sexta, das 13h30 às 17h30 (livre) e na parte da manhã (mediante agendamento pelo e-mail mimp.biblioteca@museus.gov.br).

Programação

No IMS

Divulgação

Programação/ Artes Visuais

Na Cosmocopa

Clique para ler | Imagem: |Reprodução Facebook

Programação/ Literatura

Sinara Foss participa de tarde de autógrafos

A escritora Sinara Foss vai estar no Estilo Bicho 2011, no próximo dia 16, entre 14h e 16h, autografando seu novo livro “Sissi e sua turma no Futuro”.

Endereço: Bourbon Shopping Country - Átrio 3º andar - Porto Alegre

Compareça!

Por dentro do Museu Imperial/ Programação

Museu vai lançar guia de visitação em inglês

Divulgação

Durante a solenidade de reabertura da Casa de Cláudio de Souza, amanhã (12), o Museu Imperial vai lançar a versão em inglês do Guia de Visitação do Museu Imperial. A solenidade ocorrerá às 18h30 e será aberta ao público, com entrada franca.
De acordo com o release recebido pelo Sete Artes: “Patrocinada pela Família Imperial Brasileira, a publicação descreve todos os ambientes do palácio e seus anexos, como o jardim e o Pavilhão das Viaturas, além de destacar as principais peças do acervo. O guia fornece também algumas curiosidades, como hábitos da família imperial e seu cotidiano em Petrópolis, e apresenta um histórico e os setores técnicos do Museu.”
O objetivo da publicação é atingir ao público estrangeiro, que também passará a visitar o palácio com a orientação do guia e poderá entender um pouco melhor o período imperial brasileiro.
Ainda de acordo com o release, “A cerimônia de lançamento contará com a presença de dom Francisco de Orléans e Bragança, representando a Família Imperial Brasileira. Durante a solenidade, todos os presentes receberão as versões em português e em inglês do guia, além de outras publicações do Museu Imperial.”

Por Dentro do Museu Imperial

Amanhã!


Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André
Obra de Rafael Resaffi. Divulgação: Galeria André


Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.

De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra.
A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."

Conheça:
texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André

André Crespo
"tem suas obras marcadas pelo hiper-realismo que transita entre o cotidiano da cidade com uma bruma de uma tonalidade só, que é sua marca registrada. Seus trabalhos retratam imagens de grandes metrópoles, pessoas e edifícios e situações corriqueiras e peculiares."

Clarice Gonçalves
"coloca cor no corpo emocional e se adapta a sensações, não só da imagem ou o manejo desta, mas em conjunto com o formato de seu suporte, propiciando outras formas de composição dentro da imagem bidimensional e em relação às outras pinturas e o espaço. Os títulos de suas obras são trechos, frases, traduções literárias, leituras e diálogos que são consumidos por muitos de nós. A afinidade entre as imagens dá-se de forma cíclica, produzindo diálogos e narrativas das mais diversas, ao serem dispostas, avizinhadas, inquilinas umas das outras."

Eduardo Kobra
"desenvolve obras que misturam o traço do grafite rico em sombra, luz e brilho. O resultado são murais tridimensionais que permitem ao público interagir com a obra. A idéia é estabelecer uma comparação entre o ar romântico e o clima de nostalgia com a constante agitação característica dos grandes centros como é São Paulo hoje. Em suas telas é possível resgatar seus traços tridimensionais."

João César de Melo
"é, aparentemente, um artista abstrato. Mas na verdade faz composições que possuem elementos, traços e cores. Como arquiteto, vê e vivencia sua obra através de um olho crítico da paisagem urbana. Em cada tela existem vários elementos que focam pequenas estruturas e que são seguidos por linhas sutis."

Luisa Ritter
"buscou diversas formas de produzir, da colagem ao desenho partindo para a pesquisa por referências, principalmente fotografias. Atualmente busca inspiração em fotografias de sua família dos anos 60 aos 80, onde as cores eram diferentes e os ângulos nada comuns. As pessoas e suas roupas, a piscina e os carros, as casas e as árvores, morros e as praias do sul – também os impressionistas e os expressionistas - são as referências para estudar e produzir um trabalho autoral. Utiliza suportes que vão da tela ao papel, até texturas que encontra em tecidos especiais, livros, capas de discos e madeiras."

Marco Stellato
"possui traço muito bem cuidado com a temática voltada para os carros antigos. Seu estilo é objetivo e marcadamente detalhista. Em óleo sobre tela executa um trabalho com inclinação cinematográfica, onde os closes de câmera registram sua constante preocupação com as possibilidades do enquadramento, tão caro aos realistas. Escolheu pintar luxuosos carros americanos, objetos de uma época marcada por crises e convulsões."

Paulo Queiróz
"tem renome internacional e desperta a atenção dos apreciadores e da crítica especializada devido ao seu conceito peculiar: suas obras reproduzem o dia a dia do ateliê com um retorno a arte em sua forma mais clássica, o desenhar."

Rafael Resaffi
"faz seu pincel viajar pelas cenas urbanas da cidade de São Paulo de uma forma realista, sobrepujando cores fortes e chocantes, com a utilização máxima do vermelho e do amarelo. Às vezes utiliza nuances mais suaves de cores, mas sua característica é o momento cor dos finais de tarde, como se o por do sol se impusesse na tela."

Rodrigo Cunha
"pode ser definido como artista da pós-modernidade. Sua pintura retrata homens e mulheres sozinhos, sofás no canto da casa, pedaços de uma sala, e “coisas” de casa. Na verdade Rodrigo busca a reprodução realista da figura humana pela pintura a óleo. Ele diz que o tema de sua pintura nem é tão importante assim, a abordagem é mais."

SERVIÇO:
Abertura: dia 16 de agosto de 2011, às 20hs, coquetel para convidados
Aberta ao público de 17 de agosto a 11 de setembro de 2011
Horário de Funcionamento: de 2ª à sexta-feira das 10 às 20 horas / sábados das 10 às 14 horas
As obras estão à venda.

A Galeria André fica em São Paulo: rua Estados Unidos, 2280 - Telefone 3081.6664

Por dentro do Museu Imperial

Museu Imperial recebe pedagoga portuguesa para estágio

A pedagoga portuguesa Ana Soraia Gonçalves Barreto irá integrar a equipe do Setor de Educação do Museu Imperial a partir do próximo dia 18. De acordo com informações do release da assessoria de imprensa do Museu, "a profissional foi contemplada com uma bolsa de estágio profissional internacional financiada pelo programa português INOV-ART."

Ainda de acordo com o release "O programa tem como objetivo formar jovens com qualificação e experiência comprovadas no domínio cultural e artístico, através da sua integração, por um período limitado de tempo, em instituições internacionais de referência na mesma área. Visa também à contribuição para o desenvolvimento de projetos culturais, em cooperação internacional, por parte dos estagiários. O INOV-ART é promovido, gerido e executado pela Direcção-Geral das Artes – DG Artes, serviço central do Ministério da Cultura de Portugal."

Ana Soraia possui especialização na área das Artes, além de ter desenvolvido projetos de cunho educativo e de intervenção social e comunitária. O estágio da pedagoga terá duração de cinco meses e será supervisionado pela pedagoga Regina Helena de Castro Resende, chefe do Setor de Educação.

Programação/ Fotografia

No MNBA

O Museu Nacional de Belas Artes/IBRAM/MInC recebe até o próximo dia 17, a exposição Coleção Francisco Rodrigues(1840-1920) - um evento do Foto Rio 2011 que apresenta um curioso e rico acervo de retratos de alguns dos notáveis personagens do século XIX e início do XX.

De acordo com release recebido pelo Sete Artes,  a mostra é composta por "diferentes processos fotográficos do século XIX, dentre os quais o ambrótipo,  o daguerreótipo,  o ferrótipo,  os populares carte-de-visite e cabinet size,  além de um raríssimo talbótipo(calótipo)"

Ciclo de palestras

Paralelo à exposição, inicia-se no próximo dia 12, no MNBA, um ciclo de palestras sobre o acervo exposto nesta exposição,  com alguns dos maiores pesquisadores do tema.  "No encontro serão abordadas questões técnicas referentes aos suportes fotográficos e a natureza das imagens que eles encerram, através das quais se forma um representativo painel da diversidade da sociedade brasileira", explica o release da assessoria do museu.
          
Serviço:

  • Dia 12 de julho - terça-feira - das 17 às 19h - Fotografia e história: considerações sobre o projeto curatorial - Ana Maria      Mauad e Milton Guran (LABHOI-UFF)

  • Dia 13 julho - quarta-feira - das 17 às 19h - Processos      fotográficos históricos - Marcia Mello(Galeria Tempo)

  • Dia  14 de julho - quinta-feira -  das 17 às 19h - Conservação de      materiais fotográficos - Nazareth Coury(Instituto Moreira Salles)

  • Dia 15 de julho - sexta - das 17 ás 19h - Fotografia do cotidiano      ao museu - Pedro Vasquez(Museu Solar do Jambeiro/Niterói)

Inscrições: R$ 70 para estudantes, servidores do IBRAM, professores e fotógrafos e R$ 150 para os demais participantes. Para se inscrever basta acessar:  associacaoamigos@mnba.gov.br  ou pelo 2215-5072.

O Museu Nacional de Belas Artes fica na Cinelândia: AV Rio Branco,  199

Programação/ Teatro

Curso na CAL


Divulgação

Programação/ Artes Visuais

Raimundo Rodriguez no SESC Ramos


Horário de atendimento
3ª a 6ª, das 9h às 18h. Sábados, domingos e feriados, das 8h às 17h.
EndereçoRua Teixeira Franco, 38
Telefone: (21) 2290-4003/Fax: (21) 2290-4453




Imagem: Divulgação

Programação/ Petrópolis

Amanhã (05) em Petrópolis

Imagem: Divulgação

Programação/ Artes Visuais (Petrópolis)

Confira que vai estar no ARTE GARAGEM 2011

O Arte Garagem 2011 inaugura no próximo dia 16, a partir das 17h, no Palácio Rio Negro, em Petrópolis, região serrana do estado do Rio de Janeiro.

Participam da mostra os artistas: Ana Luiza Flores, Adriana Montenegro, Adriana Soares, Adriana Guimarães, Claudio Partes, Emidio Montenegro, Fabio Migliari, Fernanda Lago, Isabela Frade, Jarbas Paullos, Karla Gravina, Márcia Abreu, Marcio Zardo, Mayana Redin, Pedro Vizzine, Roberto Pessoa, Rosa Damasceno Paranhos, Sandra Vissoto, Sonia Xavier e Victor Epfanio.

A mostra fica em cartaz até 27 de agosto, sempre de terça a domingo, das 10 às 18h.

O Palácio Rio Negro fica em Petrópolis: na Av.Koeler, 255 Centro

Programação

IMS na Flip


Imagem: Divulgação

Por dentro do Museu Imperial

Casa de Cláudio de Souza vira centro de cultura e lazer


Imagem: Divulgação/ Museu Imperial

O  Museu Imperial inaugura no próximo dia 12 de julho, a partir das 18h30, a Casa de Cláudio de Souza fornecendo a cidade Petrópolis mais um centro de cultura e lazer.

De acordo com informações da assessoria do museu: "O evento contará com uma leitura de peças literárias de autoria do acadêmico Cláudio de Souza. O historiador, professor e diretor de teatro e cinema Flávio Kactuz irá apresentar dois contos do livroSol e Sombra, publicado em 1945, com o intuito de homenagear o escritor, ressaltando seu estilo inovador e grande originalidade como contista."

Ainda de acordo a assessoria: "O espaço, localizado na Praça da Liberdade, contará com um museu-casa, a biblioteca do acadêmico, que estará aberta a consultas do público, e uma galeria para eventos e exposições temporárias. Também permanecerão na casa as sedes e bibliotecas da Academia Petropolitana de Educação, da Academia Petropolitana de Letras, da Academia Brasileira de Poesia – Casa de Raul de Leoni e do Instituto Histórico de Petrópolis. Estão previstos ainda eventos periódicos, como leituras de obras literárias, encenação de peças, exposições e outras atividades relacionadas à literatura, ao teatro e à música, áreas às quais Cláudio de Souza se dedicou."

A primeira atividade após a reabertura ocorrerá no dia 14 de julho, quinta-feira, às 18h30, quando será apresentada a “Releitura dramática de Cláudio de Souza”, uma adaptação de várias peças do escritor.


Quem foi Cláudio de Souza?

Texto da assessoria de imprensa do Museu Imperial

"Natural de São Roque (SP), Cláudio Justiniano de Souza(1876-1954) foi um importante acadêmico e literato brasileiro, tendo presidido a Academia Brasileira de Letras em duas ocasiões (1938 e 1946).

Apesar de ter se graduado em Medicina (1897) e exercido a profissão por anos, sua inclinação para a escrita começou cedo. Ele colaborou com diversos jornais e revistas e, em 1898, publicou seu primeiro trabalho,Os nevropatas e os degenerados. Sua estreia no teatro ocorreu em 1915, com a comédiaEu arranjo tudo. Pouco depois, apresentou Flores de sombra, que se tornou uma obra de grande influência no teatro brasileiro.

Membro-fundador da Academia Paulista de Letras, em 1909, abandonou definitivamente a medicina em 1913, passando a dedicar-se às viagens pelo mundo e à literatura. Foi ainda o fundador e primeiro presidente do Pen Clube do Brasil."

A Casa de Cláudio de Souza

Texto da Assessoria de Imprensa do Museu Imperial

"Em 1956, dona Luiza Leite de Souza, viúva de Cláudio de Souza, doou a casa do acadêmico em Petrópolis ao Museu Imperial. A doação incluiu o vasto acervo presente na edificação, como livros, fotografias, móveis, pinturas modernistas e objetos, que ficarão expostos e disponíveis para consulta a partir da reinauguração.

A biblioteca particular de Cláudio de Souza doada ao Museu possui um total de 660 obras, com livros de sua autoria e de outros autores consagrados, incluindo algumas obras raras. A maioria é constituída por peças de teatro brasileiro com dedicatória dos autores. Já os móveis, pinturas e objetos somam 158 peças."

O restauro
 Texto da Assessoria de Imprensa do Museu Imperial

"O Museu Imperial deu início, em novembro de 2010, à reforma da Casa de Cláudio de Souza, com o objetivo de restaurar e preservar esse patrimônio histórico e cultural não só da cidade, mas também do país.

A casa foi tombada em 1964 pelo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e, por isso, a obra, que obteve aprovação do órgão, teve como premissa preservar e recuperar aspectos originais. Um exemplo foi a recuperação da pigmentação original nos salões do primeiro pavimento, onde a mesma coloração foi utilizada na repintura das paredes.

A intervenção contou ainda com: reparação das estruturas do telhado e de escoamento de água; substituição de janelas e esquadrias, mantendo os padrões originais; recuperação da serralheria de janelas e portas; repintura de paredes e tetos; troca de pisos; revisão de toda a parte elétrica; limpeza e consolidação dos azulejos decorativos externos. O Museu Imperial também reforçou a segurança da casa, com a instalação de um sistema de monitoramento por câmeras."

A Solenidade de Reabertura da Casa de Cláudio de Souza acontece na Praça de Liberdade, 247, Centro, Petrópolis.

Programação/ Fotografia

Museu Nacional de Belas Artes participa do FotoRio 2011


O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) recebe até o próximo dia 17, a exposição Um retrato da sociedade brasileira: Coleção Francisco Rodrigues de Fotografias 1840-1920, como parte da programação do FotoRio 2011. Ela registra um segmento  importante da história da sociedade nordestina. 
Com 190 imagens e dez albuns de família, a mostra apresenta fotos de ilustres personagens como Carlos Gomes, Joaquim Nabuco e Castro Alves, e de crianças mortas (conhecidas como “anjinhos”) retratadas como se estivessem vivas.
De acordo com informações da assessoria de imprensa do MNBA:
“As obras integrantes desta exibição pertencem à Fundação Joaquim Nabuco, orgão do MEC situado no Recife. A coleção é fruto do esforço do cirurgião-dentista Francisco Rodrigues (1904-1977) que deu sequência ao trabalho do próprio pai, Augusto Rodrigues, que se dedicara a formar uma galeria de notáveis figuras do século 19. No seu impeto,  Francisco Rodrigues conseguiu superar o seu antecessor,  pois ampliou imensamente o que foi iniciado pelo pai, revelando-se um colecionador dotado de aguda visão sociológica e conferindo à Coleção o perfil histórico e social como ela hoje é conhecida:   um símbolo da diversidade social brasileira. Este riquíssimo acervo é originário do antigo Museu do Açúcar,  vinculada ao extinto Instituto do Álcool e do Açúcar, e incorporada em 1974 ao acervo da Fundação Joaquim Nabuco. A  coleção  completa reúne a impressionante soma de 17 mil fotografias, todas elas hoje preservadas no Centro de Estudos e de Documentação da História Brasileira da Diretoria de Documentação da Fundação Joaquim Nabuco.”
A exposição tem curadoria das pesquisadoras  Ana Maria Mauad, da Universidade Federal Fluminense  e de Rita de Cássia Araújo, da Fundação Joaquim Nabuco, sendo ambas doutoras em História Social, e do fotógrafo e antropólogo Milton Guran, coordenador geral  do FotoRio.
Quem quiser prestigiar o evento deve comparecer de terça a sexta, das 10h às 18h, e aos sábados e domingos, de 12h às 17h. As entradas custam R$ 5.
O MNBA fica na Cinelândia: Avenida Rio Branco, 199

Programação/ Artes Visuais

FotoRio no Parque Lage


Outras informações aqui

Literatura

Rosane Chonchol entre os 10 mais lidos

Clique para ler

Programação/ Música

Hoje na Rádio MEC


Programação/ Artes Visuais

Sofia Borges na Galeria Artur Fidalgo
Obra de Sofia Borges. Imagem: Divulgação

 
Após encerrar a mostra de Carlos Bevilacqua, a Galeria Artur Fidalgo recebe a individual "Estudos da Paisagem", de Sofia Borges, até o próximo dia 23, nos seguintes horários: de 2ª a 6ª de 10h às 19h e aos sábados, de 10h às 14h. De acordo com informações da assessoria da galeria:
"Estudo da Paisagem é uma série de 16 fotografias na qual Sofia Borges investiga a respeito da construção e do sentido de uma paisagem. São imagens tiradas dos fundos dos cenários pintados do Museu de História Natural de Nova York que, por intermédio da fotografia, retornam parcialmente à uma condição de lugar, de isto foi. Em sua primeira individual na Artur Fidalgo galeria, a artista apresenta doze dessas fotografias em diversos formatos. Nessa série, a fotografia serve como instrumento de reinterpretação de uma imagem já existente, no caso pedaços de pintura; e Sofia retoma uma das operações que tem se destacado em sua obra: o deslocamento. Como em sua individual anterior Pré–história, essas operações servem para a artista construir através da fotografia imagens de natureza problemática, oscilantes."
A Galeria Artur Fidalgo fica no Shopping Copacabana: rua Siqueira Campos n° 143  2° piso ljs 147 / 150. [Estacionamento no shopping: rua Figueiredo Magalhães, 598]

Música

O Bleffe conta com você!


Você que aprecia música de boa qualidade e/ou que é fã da banda carioca Bleffe não pode perder essa! Os integrantes pretendem lançar um CDPlus+ com quatro músicas inéditas! E o melhor, você vai fazer parte deste lançamento!

Para quem não conhece, "um CD Plus permite a gravação de outras formas de dados em uma faixa exclusiva, sem que haja qualquer interferência nas músicas do CD. Portanto, além das músicas, o CD Plus traz também um "encarte digital", que pode ser recheado com imagens, sons, maiores informações sobre o artista, e até mesmo vídeos."

Para ajudar a banda basta acessar o Ulule e reservar uma das 330 pré-vendas necessárias. Você só será debitado se o número de vendas necessário for alcançado. Faltam poucos dias para acabar e durante o período ainda há uma promoção: os 100 primeiros computadores que fizerem a reserva só pagam R$ 10. A partir do 101º computador o valor cobrado é de R$ 15.

Cada um que contribuir com o projeto receberá em seu e-mail um link pra baixar gratuitamente versões inéditas de músicas do Bleffe. Além de ter seu nome inserido numa página especial no Site Oficial da banda.

Participe!!

Artes Visuais

Novidades da Galeria Laura Marsiaj

Já está disponível o Newsletter da Galeria Laura Marsiaj. Nesta edição você encontra as seguintes informações:

- Programa Meridianos, no próximo dia 05, às 19h30, no Oi Futuro Flamengo, com Lenora de Barros e Teresa Serrano.

- Edgar Martins na Bienal de Veneza até 23 de novembro

- Ana Miguel, Barrão, Lucia Laguna e Walmor Corrêa são alguns dos artistas que participam da exposição "Gigantes por su propia naturaleza" no IVAM - Instituto Valenciano de Arte moderna - na Espanha, desde o dia 23 de maio, até 17 de julho.

- Exposição de Amanda Melo na Moura Marsiaj até 30 de julho.

- Lista de artistas que concorrem ao Prêmio PIPA.

Programação/ Artes Visuais

Na CAZA Arte Contemporânea


Imagem: Divulgação

Por dentro do Museu Imperial

Inscrições prorrogadas para curso gratuito de música clássica 

Imagem de Chandra Santos. Outras de Petrópolis aqui


 O Museu Imperial prorrogou as inscrições para o curso de extensão sobre música clássica, que acontece dentro da programação do 11º Festival de Inverno de Petrópolis. O curso contará com quatro palestras - realizadas ontem (02), hoje (03) e no próximo final de semana (10 e 17 de julho), às 14h, no auditório do Museu.

As inscrições estão abertas até o final do curso pelo site www.museuimperial.gov.br ou no próprio local, no dia da palestra que desejar assistir. Mas, só vai receber o certificado quem comparecer a, no mínimo, 75% das aulas. 

De acordo com informações da assessoria do museu: "As inscrições são gratuitas, mediante doação de 1 quilo de alimento, que deve ser entregue no primeiro dia em que o aluno participar. As palestras, concedidas pelos pesquisadores Mário Willmersdorf Jr. e Estêvão Hermann, abordarão os seguintes temas: Stokowski – Villa-Lobos – Pixinguinha: O Grande Encontro, Mahler – O Embate de Eros e Tânatos, Verdi – A Voz da Reunificação da Itália e Carlos Gomes – Um Compositor Brasileiro. O curso é realizado em parceria com a Universidade Católica de Petrópolis."

Por dentro do Museu Imperial

Prorrogadas!


Imagem: Divulgação

Programação

Na FLIP


Imagem: Divulgação

Programação/ Artes Visuais

Exposição em São João de Meriti




A mostra coletiva Plural está em cartaz, até o próximo dia 29 (sempre de 2ª a 6ª feira, das 11h às 20h), na Nossa Galeria de Arte, em Vilar dos Teles, na Baixada Fluminense. A exposição é composta por 34 obras ( pinturas, desenhos, esculturas e fotografias) de 21 artistas do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina e Distrito Federal.
“A Exposição Coletiva PLURAL possibilita o diálogo entre novos talentos e artistas com trajetórias consolidadas, traduzindo-se no encontro de vivências, conhecimentos e criatividade, bem como no intercâmbio de culturas, do pensar e do fazer artístico”, comenta Xanda Nascimento, curadora da exposição. “A liberdade poética com que cada artista nos apresenta o seu olhar faz de PLURAL um painel representativo de diferentes tendências, modos de expressão, estilos e técnicas, uma ambiência que possibilita o diálogo entre múltiplas linguagens. A Exposição Coletiva PLURAL possibilita o diálogo entre novos talentos e artistas com trajetórias consolidadas, traduzindo-se no encontro de vivências, conhecimentos e criatividade, bem como no intercâmbio de culturas, do pensar e do fazer artístico”, finaliza.
Participam da mostra: Adriana Nassar [São João de Meriti/RJ], Aldene Rocha [Rio de Janeiro/RJ], Àlex-Assumpção [Volta Redonda/RJ], Almira Corrêa [Nova Iguaçu/RJ], Andreza Nazareth [Belo Horizonte/MG], D. Lino [São João de Meriti/RJ], D. Vasconcelos [São João de Meriti/RJ], Daruich K. Hilal [Nova Iguaçu/RJ], Ernesto Duarte [Nova Iguaçu/RJ], J. Afonso [Xanxerê/SC], JL Almeida [São João de Meriti/RJ], João Reis III [Brasília/DF], M. J. Ney [São João de Meriti/RJ], Magues Souza [São João de Meriti/RJ], Mariana Carmo [Belo Horizonte/MG], Pasquale Gentile [São João de Meriti/RJ], Ruth Martins [Nova Iguaçu/RJ], S. Vasconcelos [São João de Meriti/RJ], Sheyla Ataíde [Rio de Janeiro/RJ], Theophilo Rodrigues [Nova Iguaçu/RJ] e Zi Mendonça [São João de Meriti/RJ].
A Nossa Galeria de Arte fica em São João de Meriti: Rio Ville Shopping: Av. Automóvel Clube, 2.384 - 3º piso
Imagem: Divulgação

Programação/ Artes Visuais

Exposição em Petrópolis




Os petropolitanos não podem perder a sétima edição do projeto "Arte Garagem", que contará com a presença de vários artistas contemporâneos, entre eles Márcio Zardo. De acordo com informações presentes no release do evento: "o objetivo é a formação de platéia com visitas guiadas, apresentação de vídeos de arte e mesa redonda ao final da exposição para alunos da rede Municipal e públicos em geral utilizando o potencial da arte em um diálogo pertinente e relevante, com linguagem reflexiva acerca da arte hoje e do mundo por meio dela."


Imagem de Chandra Santos. Outras fotos de Petrópolis, aqui
Por não estar preso a escolhas curatorias ou escola artística, é possível o fluxo de ideias, discussões e debates traçando um panorama da produção local com alguns convidados. O evento se baseia na diversidade poética da arte atual brasileira.
Ainda de acordo com o release:
"O projeto Arte Garagem teve início em 2005 através da iniciativa de Rosa Damasceno Paranhos e Claudio Partes residentes em Petrópolis -RJ, que decidiram unir forças para tornar real um ambiente de experimentação artística. A palavra “garagem” faz referência ao mecanismo do trabalho, que tem como objetivo reunir artistas com linguagem contemporânea residentes na cidade e convidados, na ocupação de espaços alternativos como via de acesso para aproximação com o público. "

 Outras informações aqui.

Pesquisar este blog

assine nossa newsletter!