Programação/ Documentário

Teatro


Inscrições terminam hoje!

A Associação Espaço Cultural Fábrica das Artes, em parceria com a Prefeitura Municipal de Americana, através da SeCTur - Secretaria de Cultura e Turismo, vai realizar nos próximos dias 25 e 26 a VI Mostra de Cenas Curtas Fábrica das Artes. As inscrições encerram hoje (30) e devem ser feitas exclusivamente através do site.

O evento surgiu em 2007 por iniciativa do Fábrica das Artes e tem como objetivo contribuir na formação de público alem de incentivar a produção teatral local e regional.

Literatura

Blog entrevista Bernadette Lyra


O blog Outros 300, que também divulga notícias na área de artes, publicou recentemente uma entrevista com a escritora Bernadette Lyra - nascida no Espírito Santo. Ela é autora de diversos livros, entre eles: As Contas no Canto, O Jardim das Delícias, Aqui começa a dança e A Panelinha de Breu.

Confira!




Site


Estação Capixaba



O site Estação Capixaba, criado em 2000, tem por objetivo divulgar a cultura, história e geografia do Espírito Santo por meio da divulgação de informações nessas áreas, sejam elas de autores locais ou não.

Ao longo de sua existência, o site teve o prazer de contar com a colaboração de importantes nomes da cultura do Espírito Santo, como Renato Pacheco, Luiz Guilherme Santos Neves, Reinaldo Santos Neves, Ivan Borgo, Carlos Teixeira de Campos Filho, Fernando Achiamé, Jair Santos, Alain Herscovici, Ricardo Brunow, Luiz Romero de Oliveira, Luiz Busato, Lino Machado, Paulo Roberto Sodré, Gilbert Chaudanne, Frederico Herdmann Seide e Érico de Freitas Machado.

É coordenador por Maria Clara Medeiros Santos Neves.

Programação/ Música (ES)

Programação/ Exposição


MOSCA Art Con


O Centro Cultural Justiça do Trabalho (CCJT), no Centro do RIO, recebe, entre os dias 10 e 28, a Mostra Carioca de Arte Contemporânea (MOSCA ArtCon). O evento pretende apresentar a produção artística de centros ligado ao fomento e desenvolvimento em arte, por estudantes de diversos locais, como Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Escola de Belas Artes da UFRJ e UERJ. 

Participam do evento: Baractho, Carol Moreira, Cláudio Tobinaga, Camila Luisa Carrello, Denise Teixeira, Diogo Vieira, Felipe Samaro, Flávia Alexandra, Katia Santos, Marrytsa Melo, Les Deux Amis, Sara Figueiredo, Sonia Gil e William Anselmo. A curadoria é de Camila Luisa Carrello, Diogo Vieira, Filipe Farias, Leticia Carneiro, Manoela Hartung e Roberto Campaneruti.


O CCJT fica no Castelo: Av. Presidente Antonio Carlos, 251 – térreo

Oficina/ Literatura

Programação/ Exposição (SP)

Rodrigo Bivar na Millan

 

O pintor Rodrigo Bivar expõe oito telas inéditas na Galeria Millan até o próximo dia 22. A individual "...ainda assim, flutuante caiçara..." apresenta imagens produzidas a partir de fotos de paisagens litorâneas, tiradas no Japão e em Ubatuba.

O pintor, indicado ao Prêmio Investidor Profissional de Artes Visuais (PIPA) em 2011 e 2012, nasceu em Brasilia, em 1981. Formado pela Fundação Armando Álvares Penteado (1995), trabalha com pintura e desenho.

A Galeria Millan fica na Rua Fradique Coutinho, 1360.

Literatura/Fotojornalismo

Fotojornalismo em livro



No livro "Caçadores de Luz - Histórias de Fotojornalismo", os irmãos Alan, Lula e Sérgio Marques abordam em detalhes como realizaram algumas das principais fotos de suas carreiras, que ilustraram as páginas dos principais jornais do país. A publicação está à venda em diversas livrarias do país.

Confira mais no texto abaixo*.

*Por Eliane Cantanhêde – jornalista e colunista da Folha de S. Paulo


"Quem vê aquela linda foto, ou chocante, ou criativa, mas sempre altamente jornalística e carregada de informação relevante, não tem idéia do trabalhão que ela dá. É preciso ter um bom olhar, mas também inteligência crítica, espírito competitivo e bom preparo físico, pode crer. Só para carregar aqueles quilos de teles, lentes, tripés…


Por terem tudo isso e mais um pouco – um excelente caráter, , por exemplo –, Sérgio Lula e Alan Marques se transformaram nos poderosos “irmãos Marques”, capazes de se embrenhar pelas selvas de Mato Grosso atrás de destroços de avião, de se indispor com autoridades e de trocar desaforos com policiais para garantir o melhor ângulo, aquele que o leitor vai comentar no dia seguinte e que nós, do texto, vamos comemorar, cheios de orgulho.

Com relatos diretos, gosotos, às vezes eletrizantes, Caçadores de Luz – Histórias de Fotojornalismo é, na verdade, uma coletânea de boas reportagens, como convém a tão bons jornalistas, mas em forma de relatos pessoais, na primeira pessoa, de quem acompanha e registra a história política brasileira. Você lê, lembra daquela foto fantástica e, automativamente, dos personagens, das circunstâncias, do desfecho. Volta no tempo.

É um prazer e uma redescorta para quem é e para quem não é do ramo. Uma viagem pelos bastidores daquela foto histórica, sentindo com Sérgio, Lula e Alan a aflição para chegar ao local certo, na hora certa, e ver mais e melhor do que os concorrentes. E – olha! – os concorrentes em Brasília não são de brincadeira. Só tem cobra. Mas o trabalho não pára aí. E o maldito horário de fechamento? Uma corrida contra o tempo, minuto a minuto, adrenalina a mil.

Sérgio é o chefe, o elegante. Lula é o simpático, mas também o fortão que encara todas. Alan é o diplomático, que leva no jeito (e, cá para nós, destrói corações da moçada). Mas, apesar dessas diferenças, os irmãos Marques têm algo fundamental e comum aos três: a competência profissional. Isso é garra, mas é sobretudo alma, coração.

Aliás, é exatamente isso que você encontra em todos os relatos deste livro: alma, coração."

Programação/ Exposição


Exposição em homenagem aos trabalhadores da construção civil


O Campus São João de Meriti  da Universidade Estácio de Sá recebe até dia 30 de novembro a exposição fotográfica “Mãos que Constroem: Cidades” da fotógrafa Adriana Nassar. A  mostra, organizada pela Nossa Galeria de Arte, reúne 22 imagens que  hamam atenção da sociedade para a importância dos trabalhadores da construção civil. 





De acordo com Xanda Nascimento, curadora da exposição, “nas obras expostas, as mãos tão curtidas pelos anos e pelo trabalho incansável refletem o anonimato de uma força produtiva que não somente edifica obras, mas que alavanca o Brasil para o progresso”.

A mostra é gratuita e aberta ao público de segunda a sexta das 10h às 21h. A Universidade Estácio de Sá fica na Av. Automóvel Clube, 2.384 – Vilar dos Teles – São João de Meriti – RJ. As escolas poderão agendar visitas guiadas pelo telefone (21) 3071-6864 ou através do e-mail contato@ngarteprodutoracultural.com.br.


Exposição virtual

Aqueles que não puderem estar presentes na exposição física podem visitar no site da Nossa Galeria de Arte, entre 17 de maio e 17 de agosto a versão virtual interativa de “Mãos que Constroem: Cidades”.

Música


MARIENE DE CASTRO LANÇA CD NO TEATRO RIVAL PETROBRAS

O Teatro Rival, no Centro do Rio, recebe na próxima quarta-feira (2), a cantora Mariene de Castro lançando seu novo CD "Tabaroinha", com participação especial de Diogo Nogueira. 


Serviço: MARIENE DE CASTRO 
Teatro Rival Petrobras
Dia 02/05, às 19h30
Rua Álvaro Alvim, 33/37 – Cinelândia – Tel: 2240-4469
Preço: R$ 45(inteira), R$ 30 (os 200 primeiros pagantes), R$ 22,50(meia). 
Classificação: 16 anos
Capacidade: 405 lugares






Saiba mais sobre o álbum:

A Rosa de Ouro da Bahia*


*Texto: Vagner Fernandes/ Divulgação Assessoria de Imprensa





Em “Tabaroinha”, segundo trabalho pela gravadora Universal,
Mariene de Castro reafirma a força indelével de seu canto

"Foi lançando mão do diminutivo feminino da expressão-adjetivo tabaréu que a cantora baiana Mariene de Castro construiu o conceito com que alinhavaria o seu novo trabalho, “Tabaroinha”. Não é preciso enveredar, no entanto, pelos caminhos da semântica a fim de desnudar o significado do vocábulo comumente usado nos interiores do Brasil para designar aquela menininha acanhada, matuta, caipira. Tabaroinha é o nome que batiza o terceiro álbum da artista, que começou a cantar aos 13 anos de idade e, desde muito pequenina, sambava na frente do espelho vestida de baiana, cheia de pulseiras.
Mariene de Castro é mesmo uma tabaroinha por natureza, mas seu canto, sua arte, embora preserve de forma muito íntima e indelével as referências culturais interioranas que acabariam por se converter em matrizes para a constituição de um trabalho singular, traduzem a maturidade de uma cantora absolutamente pronta para brilhar nos grandes centros urbanos do Brasil e do restante do mundo. Não à toa encantou a França, onde a crítica especializada a comparou com Edith Piaf pela arrebatadora força cênica que, por si só, ilumina qualquer palco. Não à toa abocanhou os Prêmios Braskem (2004) e TIM de Música (2005). Não à toa vem sendo apontada como a maior e mais importante revelação do samba no Brasil nas últimas duas décadas.
“Tabaroinha” chega para assinalar a importância de Mariene de Castro no atual cenário da música brasileira, revelando a sensibilidade e a coerência da cantora na escolha de um repertório que apresenta o Brasil tal qual o é: ora árido, ora fértil, ora doce e saudável, ora amargo e dolente, mas incondicionalmente feliz; um país que todos conhecemos, mas nem sempre reconhecemos; a terra do samba que dá e de Nosso senhor da Aquarela de Ary; da fé cega e também raciocinada que se encontram e se dissipam nos altares católicos e nos terreiros de candomblé; uma nação repleta de matizes geográficas, étnicas e socioculturais, apaixonante e surpreendente como Mariene.“Tabaroinha” cumpre justamente, de forma despretensiosa e delicada, a tarefa de nos conduzir a uma viagem prazerosa, poética, harmônica, pelas belezas sonoras do Brasil.
E é essa talentosa e verdadeira baiana, a grande guia desta trilha, que nos aponta o caminho com A pureza da flor, sucesso de Arlindo Cruz que, lindamente reeditado, ganha ares de um quente samba-de-roda, amparado por um coro de vozes femininas. Não há hiato para dúvidas: Mariene de Castro possui uma marca autoral na seleção e interpretação do repertório que seduz não somente pela incrível capacidade de preservar a memória de ícones e ritmos quase esquecidos do nosso cancioneiro como também pela explosão cênico-interpretativa com que os revela a uma nova geração com sede de cultura. Assim, Filha do mar, canção inédita da cantora e compositora pernambucana Flavia Wenceslau, que dá sequência ao trabalho, traduz-se em um dos mais belos registros do álbum, em que a imponência da batida do maracatu se alia à afabilidade da sanfona numa cordialidade que atrai pelo contraste e impressiona pela precisão.
A perspicácia em apresentar a pluralidade dos ritmos brasileiros, que fazem do país uma terra singular na cena internacional, é o grande trunfo desta tabaroinha baiana que privilegia os compositores que sempre fizeram parte de sua memória afetiva e cujas canções inspiraram-na ao ofício do canto. Os conterrâneos Dorival Caymmi (1914 – 2008), Nelson Rufino e Roque Ferreira, recorrentes na discografia da intérprete, novamente são reverenciados. Do primeiro, Mariene pinça uma relíquia imortalizada no universo infantil do Sítio do picapau amarelo: História pro sinhozinho, registrada por Maria Bethânia em Pirata (2006) e que na década de 1970, para a adaptação televisiva da obra de Monteiro Lobato, foi convertida em tema da personagem Tia Anatáscia. É a versão infantil, que altera no refrão o nome de ‘Sinhá Zefa’ para ‘Tia Anastácia’, no entanto, a selecionada pela cantora para homenagear Caymmi.
De Rufino, o samba Amuleto da sorte, que lhe foi dado de presente, já nasceu clássico e se qualifica para figurar no ranking das grandes criações do autor de hits imortalizados por um cast de intérpretes famosos que inclui nomes como Martinho da Vila, Nara Leão, Elza Soares, Beth Carvalho, Zeca Pagodinho e Alcione. Roque Ferreira, por sua vez, é saudado em três faixas, o que revela a paixão da artista pela obra do aclamado compositor. Foguete, xote inédito com versos pontuados pela costumeira delicadeza de Roque, traduz com singeleza o romantismo, as paixões rasgadas do interior, e chega até a prestar devidas deferências ao poeta recifense João Cabral de Melo Neto, um momento de pura beleza neste álbum com a cara e a alma do Brasil. Roque se apresenta também em Orixá de frente, gravada por Roberta Sá em Quando o canto é reza (2010), trabalho que a cantora a ele dedicou, e no ijexá Ponto de Nanã, saudação à deusa dos mistérios, divindade de origem simultânea à criação do mundo, senhora de muitos búzios, que sintetiza a morte, a fecundidade e a riqueza.
A canção, inclusive, já tem videoclipe pronto, gravado na Reserva de Sapiranga, no Litoral Norte da Bahia, pelo cineasta norte-americano Kaya Verruno. Foi nessa mesma reserva, diga-se de passagem, em meio às forças da natureza, que “Tabaroinha” foi parido, quando por sugestão do produtor Alê Siqueira, um estúdio foi montado em plena mata para abrigar por duas semanas a cantora e os músicos que a acompanham neste segundo trabalho pela Universal. O primeiro, “Santo de casa ao vivo”, foi lançado ano passado pela gravadora juntamente com o DVD do espetáculo homônimo com que a cantora arrebatava o público no Espaço Cultural da Barroquinha, localizado na região central de Salvador.
Entre os muitos resgates a que se propõe realizar em “Tabaroinha” para atestar sua qualidade como intérprete, Mariene não esquece daqueles que ajudaram a construir a história da música brasileira. Bate-cabeça, portanto, com vontade para o nosso Oxalá do Baião, Luiz Gonzaga, celebrando o centenário de nascimento do mestre pernambucano com o registro de Estrada de Canindé. Sublime! Ela contempla ainda Martinho da Vila, repaginando o sucesso Roda ciranda, alçada ao top ten das rádios por Alcione em 1984 em decorrência da gravação (em dupla com Maria Bethânia) no disco Da cor do Brasil.
Neste passeio pelo relicário sonoro brasileiro, a cantora traz para a boca-de-cena a primeira canção gravada no país, em 1902: Isto é bom, lundu do compositor, cantor e ator soteropolitano Xisto Bahia (1841 – 1894), que reverbera em “Tabaroinha” como samba-amaxixado em nova leitura primorosa. Apaixonada que é pelo samba, Mariene reconhece a importância das grandes intérpretes femininas que impulsionaram o gênero no mercado fonográfico, como a saudosa Clara Nunes, a quem dedica a gravação de Um ser de luz, canção do trio Paulo César Pinheiro/João Nogueira/Mauro Duarte, feita para homenagear a cantora mineira, morta repentinamente em 1983 após um choque anafilático durante uma cirurgia de varizes.
Com sua poderosa voz, Mariene de Castro nos intima a acreditar em novos caminhos para a música no Brasil e nos leva à elaboração de um autorretrato verdadeiro diante das belezas e dos contrastes de um país que tem cheiro e sabor de terra molhada, em que todos somos eternos tabaréus. Ainda bem!"

Music


Sway returns in style with his brilliant new single ‘Level Up’ which has been released on 3 Beat Records*



*press office, text published in english

“The song is about winning, elevation, going from one stage in your life to a better one,” explains Sway. “I wanted to the capture that moment and that feeling we get when we feel like we've achieved something that will change your life.”


Never one to conform to the norm, Sway constantly looks for ways to stand out from the crowd and he will have heads and ears turning with his latest offering. Combining Flux Pavilion’s speaker-oscillating dubstep production with Sway’s signature lyrical word-play and newcomer Kelsey McHugh’s soulful vocals on the hook, ‘Level Up’ brings a unique sonic to the table. 



The collaboration with Flux Pavillion came about when Sway was introduced to the producer’s music by 1Xtra’s Semtex. Making contact with the producer via Facebook, Sway discovered Flux was a fan and within weeks the pair were working in the studio together.



Sway ended 2011 on a high. His single ‘Still Speedin’ became his biggest hit to date charting in the top 20 in the middle of the Christmas chart battles. It was an incredible achievement for Sway. ‘Still Speedin’ also became Sway’s biggest radio record to date making playlists across the country.



The anthemic nature of the single made it a favourite for soundbeds on TV shows from Soccer AM to the Grand Prix and even BBC One’s light entertainment show, Winter Wipeout. “It’s taken a while to get this overall acclaim but it just goes to show that persistence is always the way forward,” says Sway.



Sway is currently putting the finishing touches to his album ‘Deliverance.’ It will be released later this year and comes 6 years since his debut, the Mercury Music Prize nominated ‘This Is My Demo.’

Programação/ Exposição Virtual

EXPOSIÇÃO VIRTUAL “CONSCIÊNCIA DO PRESENTE DA VIDA”*

*Texto: Assessoria de Imprensa



Com realização da Nossa Galeria de Arte (São João de Meriti-RJ), a exposição virtual interativa “Consciência do Presente da Vida” apresenta 25 obras de Izabel Litieri produzidas no período de 2008 a 2011.

Brasileira, natural de São Paulo, capital, formada pela Escola Panamericana de Artes (1981), Izabel Litieri iniciou sua produção artística explorando, em técnica acrílica, o geométrico-figurativo, predominantemente em contexto monocromático. Posteriormente veio a fase do pastel e da aquarela, desenvolvendo alguns experimentos levando essas técnicas para a tela. Atualmente a artista se dedica intensamente ao pontilhismo através do acrílico em tela e da utilização de canetas-pincel em bloco de tela. A constante temática envolvendo a natureza, seus animais e paisagens ­- sobretudo no que se refere ao Brasil - é um traço característico da sua obra.

Na exposição, as obras de Izabel Litieri poderão ser vistas no formato slideshow e também no interior de uma galeria virtual interativa 3D que proporciona ao visitante a sensação de estar percorrendo salas e corredores de uma galeria física.

Por ser virtual, a exposição "Consciência do Presente da Vida" poderá ser apreciada a QUALQUER HORA em QUALQUER LUGAR.


Visitação: até 05 de julho de 2012

Programação/ Exposição

Por dentro do Museu Imperial


Estudante petropolitana recebe prêmio na Casa de Cláudio de Souza*


*Texto: Assessoria do Museu


A Casa de Cláudio de Souza/Museu Imperial foi palco da realização de um sonho de uma pequena petropolitana no último dia 12. No local, foi realizada a entrega da premiação do concurso Contadores de Histórias Encantadas à estudante Ana Cristina Pereira de Andrade, de 13 anos.

Ana Cristina enviou sua história “Algumas histórias da mula-sem-cabeça” e concorreu com quase 9 mil textos de estudantes de todo o país, dentre os quais 30 foram selecionados para serem publicados, inclusive o dela. A aluna do quinto ano do ensino fundamental da Escola Santa Rita de Cássia teve apoio da professora Marianna de Barcelos Varella.

As histórias (contadas ou escritas) criadas pelos alunos e alunas ao longo do percurso proposto nos materiais didáticos foram enviadas pelos professores responsáveis para a “Central de Relacionamento dos Contadores de Histórias Encantadas”. No processo, as crianças tiveram diferentes oportunidades de ouvir, contar e produzir histórias.

As produções foram analisadas por um júri especializado e as 30 escolhidas serão publicadas no livro “Contadores de Histórias Encantadas e outras Histórias”, que será distribuído gratuitamente para as escolas e bibliotecas de todo Brasil. Além disso, todas as histórias encaminhadas para o concurso farão parte do acervo da “Biblioteca Virtual de Histórias Encantadas e outras Histórias”, disponível em www.historiasencantadas.com.br.

Além da publicação, os alunos e professores vencedores receberam câmeras digitais. As escolas dos estudantes que ficaram em primeiro lugar em cada região do país também foram premiadas com um Kit Multimídia (data show, notebook e tela para projeção).

Por dentro do Museu Imperial


Autor lança livro na Casa de Cláudio de Souza

Foto: Divulgação/ Museu Imperial

escritor petropolitano Leferr lançou no último dia 11, o livro “The End”, na Casa de Cláudio de Souza/Museu Imperial. A cerimônia contou com noite de autógrafos.

De acordo com a assessoria do local a obra, publicada pela editora Catedral das Letras, "completou uma trilogia que inclui ainda os livros “Campo de Estrelas” e “Rota 2”. No primeiro, o autor narra suas descobertas na rota traçada entre a pequena cidade francesa Saint Jean de Pied de Port e a cidade espanhola Finnisterre, cruzando todo o norte da Espanha. Já o segundo foi escrito a partir de uma viagem a Machu Pichu, a cidade sagrada dos Incas, no Peru, através de um caminho alternativo, denominado Rota 2. “The End”, por sua vez, tem como referência o caminho traçado pela região central do México e pesquisas realizadas pelo escritor em museus da região."

Programação/ Artes Visuais

Por dentro do Museu Imperial


Casa de Cláudio de Souza comemora o Dia do Livro

A Casa de Cláudio de Souza, pertencente ao Museu Imperial/Ibram/MinC, comemorou, no último dia 17, o Dia do Livro com uma homenagem a Monteiro Lobato. Na ocasião, um grupo de 10 crianças realizou uma roda de leitura com fábulas de Monteiro Lobato, cujo aniversário, 18 de abril, deu origem ao Dia Nacional do Livro. Poesias de Manuel Bandeira, músicas de Villa-Lobos e brincadeiras do folclore brasileiro completaram o evento.

Cursos

Imagem inline 1

Oficina/ Teatro

Programação


Por dentro do Museu Imperial


Museu Imperial abre inscrição para curso destinado a guias de turismo*

*texto: Assessoria do Museu

Dentro da programação da X Semana Nacional de Museus, o Museu Imperial/Ibram/MinC oferecerá a quarta edição do Curso de Atualização para Guias de Turismo. A atividade, que ocorrerá de 14 a 16 de maio, tem como objetivo capacitar os guias para atuarem nos pontos turísticos de Petrópolis, de modo a proporcionar atendimento de qualidade aos turistas que visitam a cidade.

O curso é gratuito e destinado a guias com registro no Ministério do Turismo. As inscrições estarão abertas a partir de 18 de abril pelo site www.museuimperial.gov.br. As vagas são limitadas a 60 e, caso ocorram mais inscrições, os excedentes ficarão em uma lista de espera para o caso de desistências.

Na programação, estão previstas palestras e visitas guiadas no Museu Imperial e outros pontos turísticos da cidade, como Catedral São Pedro de Alcântara, Museu de Cera e Palácio Rio Negro. Também será realizada uma visita técnica aos bastidores do Museu Imperial, na qual os participantes conhecerão os acervos arquivístico, bibliográfico e museológico que não estão expostos no palácio. Os guias serão convidados ainda a assistir aos espetáculos Som e Luz e Um Sarau Imperial gratuitamente.

O Curso de Atualização para Guias de Turismo faz parte da programação da X Semana Nacional de Museus, que terá como tema “Museus em um mundo em transformação: novos desafios, novas inspirações”. A Semana acontece de 14 a 20 de maio, celebrando o Dia Internacional de Museus (18 de maio).

No Museu Imperial, além do curso, haverá palestras, exposição, ações educativas e outras atividades relacionadas ao tema.

SERVIÇOS

Curso de atualização para guias de turismo
Data: 14 a 16 de maio de 2012
Local: Museu Imperial
Inscrições: gratuitas pelo site www.museuimperial.gov.br
Informações: (24) 2245-4668 / mimp.someluz@museus.gov.br

Museu Imperial/Ibram/MinC
Endereço: Rua da Imperatriz, 220 – Centro – Petrópolis, RJ
Telefones: (24) 2245-5550 / (24) 2245-5560

Por dentro do Museu Imperial


Cravista brasileira grava música em instrumento do Museu Imperial*

*Texto: Assessoria de Imprensa

O Museu Imperial/Ibram/MinC recebeu na última semana uma das maiores cravistas do país, Rosana Lancelotte. A artista esteve no local para gravar uma peça na espineta, instrumento fabricado em 1785 e atualmente em exposição no Museu.

A espineta foi fabricada pelo germânico Mathias Bosten e é a única remanescente desse artífice no mundo.  Rosana tocou uma peça portuguesa contemporânea ao instrumento e o vídeo resultante será transmitido no Centro de Referência da Música Carioca, ao longo de uma exposição interativa.

“Na exposição, músicos apresentarão instrumentos importantes para a música do Rio de Janeiro, como é o caso da espineta. O objetivo é aproveitar a tecnologia para estimular o contato com o acervo”, afirmou ela.

Rosana Lanzelotte 

Uma das mais aplaudidas artistas brasileiras, a Rosana Lanzelotte destaca-se pela concepção de projetos inovadores. Registrou em CD desde obras raras de Bach e Haydn até as sonatas inéditas do português Avondano e peças brasileiras para cravo.

Doutora em Informática, criou o portal Musica Brasilis que disponibiliza partituras, áudios, vídeos e jogos em torno dos repertórios brasileiros de todos os tempos. Com mais de 400 obras de 60 compositores brasileiros, Musica Brasilis tornou-se o portal de referência da música clássica brasileira.

Sua carreira de solista levou-a a importantes salas de concerto, como o Wigmore Hall, St. Martin-in-the-fields (Londres), Otto Braun Saal (Berlim), Palazzo Barberini (Roma) e Fundação Gulbenkian (Lisboa), além das principais salas da América Latina. É ainda autora do livro "Sigismund Neukomm, Música Secreta - Minha Viagem ao Brasil", lançado em 2009 pela editora Arteensaio.

SERVIÇOS

Museu Imperial/Ibram/MinC
Endereço: Rua da Imperatriz, 220 – Centro – Petrópolis, RJ
Telefones: (24) 2245-5550 / (24) 2245-5560

Programação/ Exposição


Programação/ Música

Maio é o mês da Harpa no Rio

Imagem: Reprodução de Internet

O Rio de Janeiro recebe, durante todo mês de maio, o VII RioHarpFestival - Música no Museu. O evento tem como tema central os sons da harpa, um dos mais antigos instrumentos musicais da humanidade.

Vinte e cinco países vão participar dessa edição do festival. Ao todo serão mais de 100 concertos gratuitos. A abertura será nessa terça-feira (01), às 16h, na Igreja da Candelária, Centro do Rio de Janeiro, com a apresentação da Banda Sinfônica do Corpo de Fuzileiros Navais, tendo como solista a harpista Maria Célia Machado. No mesmo dia, às 19h, a Orquestra Brasileira de Harpas se apresenta no Teatro SESI.

De acordo com informações da assessoria do evento, entre os que participam do  VII RioHarpFestival estão a japonesa Kaori Otake (vice-presidente do Congresso Mundial de Harpas), Les Alizes (França), Rita Costanzi (Canadá), Mário Falcão (Portugal), Marcella Carboni (Itália), Silke Aichhorn (Alemanha), Benjamin Creighton (País de Gales), Ina Zdorovetchi (Moldávia) e Andrés Izmaylov (Estônia).

No programa também há a exaltação aos latino-americanos e de brasileiros. A programação completa está no sites Música no Museu e RioHarpFestival.


O Sete Artes publicará diariamente a programação do evento no tópico "RioHarpFestival"

Programação/ Música

Fernando Vidal comemora 30 anos de carreira na próxima quinta

jimi_hendrix1 cópia.jpg
O Espaço Lapa Café recebe na próxima quinta-feira (03), o guitarrista e produtor musical Fernando Vidal. Na ocasião, o artista - que tocou com Ed Motta, Fernanda Abreu, Lenine, Paula Toller e, atualmente, Seu Jorge - apresenta seu projeto em homenagem Jimi Hendrix e aos 30 anos de sua carreira. 

De acordo com Roberto Frejat, “Poucos guitarristas no Brasil têm a autoridade de Fernando Vidal quando se trata de Jimi Hendrix. É um estudioso da obra do nosso guitarrista favorito desde que o conheço e muito se dedicou aos detalhes de sua execução. Tocar o repertório hendrixiano como ele merece e deve ser tocado é sempre um grande desafio, e Fernando Vidal está totalmente preparado para isto, além de muito bem acompanhado por Mac Willian na bateria e Bruno Migliari no contrabaixo”.

Fernando Vidal conta explica de onde veio seu interesse pelo rei das guitarras: “Aos 8 anos de idade, vi numa TV preta e branca a triste notícia da morte daquele guitarrista canhoto, psicodélico, que usava uma Gibson Flying V e tinha um timbre raro de voz. Descobri naquele momento que aquela música permearia a minha vida. Mas foi só aos 13 anos que ganhei a minha primeira guitarra e, desde então, tenho Hendrix como o meu maior e referência. Este ano, completo 30 anos de carreira. Achei que seria perfeito comemorar com grandes amigos ao meu lado, tocando e cantando a atemporal arte de Jimi. E assim, nasceu o projeto “InHENDRIX”. No repertório do show, clássicos como Purple Haze, Fox Lady, Woodoo Child, Machine Gun e Hey Joe”.

Ao lado dos músicos Mac Willian na bateria e Bruno Migliari no baixo, o trio do "InHendrix" vem sendo elogiado pelo público ao mostrar ousadia nos palcos.

Imperdível!

Cursos/ Teatro

Por dentro do Museu Imperial


Museu Imperial terá programação diferenciada no feriado*

*Texto: Assessoria de Imprensa do Museu

No próximo fim de semana e no feriado de 1º de maio, Dia do Trabalho, o Museu Imperial/Ibram/MinC terá uma programação especial para atender melhor aos turistas e petropolitanos que ficarem na cidade.

Durante todo o feriadão, incluindo segunda-feira, haverá visitação em horário normal, das 11h às 18h. Entretanto, na quarta-feira, 02 de maio, o Museu ficará fechando para manutenção e limpeza (atividades que, normalmente, acontecem às segundas-feiras).

Será oferecida ainda uma edição extra do espetáculo Som e Luz no domingo, dia 29/04, às 20h. As apresentações regulares (quinta, sexta e sábado, às 20h) também serão mantidas. O espetáculo conta a história da família imperial e os principais acontecimentos do Segundo Reinado através de efeitos especiais de iluminação e sonorização. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia - para professores, estudantes e maiores de 60 anos).

Para mais informações sobre a programação do Museu, acesse www.museuimperial.gov.br.

SERVIÇOS

Horários do Museu Imperial no feriado do Dia do Trabalho
28, 29 e 30 de abril e 1º de maio: visitação das 11h às 18h
02 de maio (quarta-feira): fechado para manutenção
29 de abril (domingo): Som e Luz extra – R$ 20,00

Museu Imperial/Ibram/MinC
Endereço: Rua da Imperatriz, 220 – Centro – Petrópolis, RJ
Telefones: (24) 2245-5550 / (24) 2245-5560
Twitter: @museuimperial

Programação/ Teatro (Rio das Ostras)


Programação

Programação/ Exposição


Anna Bella Geiger na Artur Fidalgo


A Galeria Artur Fidalgo apresenta, entre os dias 26 de abril e 02 de junho, a mostra NEM MAIS NEM MENOS, de Anna Bella Geiger. 

Confira o release da mostra:

"Dispersão pode parecer a principal característica da obra de Anna Bella Geiger, desde sua origem, no início da década de cinquenta. A flagrante variedade dos meios de expressão que usa, entre técnicas e materiais  (do desenho à  pintura, à fotografia, video, Xerox, cera, metais) e sobretudo, a aparente diversidade dos resultados obtidos podem impedir a alguns ,leituras que procurem,na unidade  do estilo individual  , o sentido último de sua obra. A fragmentação do trabalho dessa artista revela, paradoxalmente, porém, o fundamento profundo de sua totalidade.

Apresentando duas pinturas inéditas nos denominados "macios” , ovais  em tela, estofados, explicitam , literalmente a sua origem, nos frisos das video instalações desde os  da Bienal de Veneza em 1981,.. Isto é, a tendência de Anna Bella  em constituir um solo-superfície e densidade e cor, para a produção de situações imaginárias.Se as gravuras mapeiam a extensa  superfície deste campo e os macios realizam sua espessura. as pinturas integram-nas virtualmente em um mesmo estofo de cor,imagem, forma.
Os trabalhos em cera e metal qualificam ainda mais o seu périplo como artista. Desde 1995 :são fronteiriços: quase objetos, quase gravuras, quase pinturas, superfície/estôfo, uma espécie de síntese constelar de seus diversos tempos  e territórios. Paisagens. Tal como a contiguidade das estrelas sugere a constelação que desenham, o sentido da obra de Anna Bella  Geiger é inseparável de sua aparente dispersão, do contágio entre os meios e linguagens que utiliza, assim como dos territórios que instaura."

Serviço:
abertura 26 de abril de 2012, quinta-feira 19h às 23h
exposição 26 de abril a 02 de junho de 2012, de 2ª a 6ª de 10h às 19h, Sab de 10h às 14h.
rua Siqueira Campos n° 143  2° piso ljs 147 / 150, Copacabana  Rio de Janeiro  RJ  Brasil
entrada franca


Programação/ Exposição


Programação/ Exposição


Curso


Música


ROCK BEBÊ*


*Texto: Divulgação/ Assessoria de Imprensa


No mês de aniversario (27/Março) de Renato Russo, hoje completaria 52 anos, a Gravadora Performance Music, está lançando a coleção de Cds entitulada MPBebê. É uma coletânea inspirada nos ícones da nossa MPB num formato no estilo caixinha de música. E o carro chefe da coleção de 12 Cds, é o Renato Russo com melodias como "Que país é esse" e "Tempo perdido".

A Coleção MPBebê apresenta um repertório carinhosamente selecionado, com o intuito de pais e filhos desfrutarem juntos a experiência de ouvir e cantar grandes sucessos, não restringindo a diversão apenas as crianças.

Mamãe, papai, titios e familiares, poderão reviver belos momentos, junto com os pequeninos, já que as canções que compõem a série Mpbebê, com certeza fizeram parte e marcaram a vida de todos eles.

Os arranjos são conduzidos pelo experiente músico Gian Fabra, e remeterão recordações que com certeza, tornarão os momentos entre adultos e crianças ainda mais especiais.

Quem pensava que Rock é só para os marmanjos enganou-se, agora os ícones do Rock Brasil irão embalar o sono dos bebês da geração coca-cola.


Disco MPBebê - Renato Russo
1. Índios
2. Eduardo e Monica
3. Que país é esse
4. Vinte e nove 
5. Tempo Perdido
6. Geração Coca-cola
7. Vamos fazer um fime
8.Eu sei
9. Monte Castelo
10. Por enquanto

Programação/ Dança (Petrópolis)


NONA EDIÇÃO DO FESTIVAL DE DANÇA SACRA VAI REUNIR QUINHENTOS BAILARINOS NO THEATRO D. PEDRO*

*Texto: Assessoria de Imprensa
O 9º. Festival de Dança Sacra de Petrópolis, referência nacional como um dos maiores festivais do gênero, vai ser realizado nos próximos dias 14 e 15 de abril, no Theatro D. Pedro, a partir das 14h. Mais de 500 bailarinos de diversos estados do Brasil vão proporcionar um espetáculo de qualidade, de arte e fé, apresentando 110 coreografias. O evento é uma promoção da Cia. de Dança Expressão de Louvor, sob a coordenação da professora e coreógrafa Roberta Bertelli.

Nos dois dias da nona edição do evento gospel, vão ser apresentadas ao público coreografias de jazz, livre, clássico, dança de rua e dança contemporânea expressando mensagens de amor, esperança e fé nas categorias: adulto, juvenil e infantil.

Segundo a coordenadora Roberta Bertelli, o objetivo do festival além de promover a fé através da arte e da cultura é conscientizar a cidadania e a integração social.“A proposta da dança sacra é transmitir a fé e a esperança, trabalhando a espiritualidade com a musicalidade e a expressão corporal”.

A cada ano, o Festival de Dança Sacra de Petrópolis se fortalece. Os 568 bailarinos são provenientes dos estados de Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.

Sobre a Cia. Expressão de Louvor
A Cia. Expressão de Louvor, da Paróquia Santo Antônio do Alto da Serra é um projeto social de dança sacra, promovido e executado pela bailarina e administradora de empresas Roberta Bertelli. Em um trabalho voluntário, Roberta atua há 9 anos ensinando dança sacra para 60 bailarinas, divididas em turmas de baby, infantil, juvenil e adulto. As aulas são ministradas na Igreja Sagrada Família, no Sargento Boening.
O grupo tem se apresentado em diversas cidades e conquistados inúmeras premiações, inclusive nas participações do mais importante Festival de Dança Sacra do Brasil, o de Joinville, em Santa Catarina.

Serviço
9º. Festival de Dança Sacra de Petrópolis
Dias: 14 e 15 de abril de 2012
Local: Theatro D. Pedro
Horário: a partir das 14h

Música


“Para nossa alegria” Banda Catedral comemora 23 anos e relança “Galhos Secos” a pedido dos fãs*


*Texto: Assessoria de Imprensa

A Banda Catedral quando regravou a música “Galhos Secos” em 1983 nem imaginava que após 19 anos ela iria estourar na internet através de um trio de pessoas anônimas e virar a “meme” do momento.

Criado pela banda paulistana Exodus em 1970, a faixa ficou conhecida através de Jefferson, Mara e Suelen como “Para nossa alegria” através de um vídeo postado no youtube e que já contabilizou cerca de 14 milhões de acessos em 20 dias.


O vocalista do grupo Catedral, Kim Cesar, foi um dos primeiros a divulgar o vídeo através do facebook do grupo:  “achei o vídeo muito engraçado, aliás tudo no vídeo é hilariante e acredito que só estourou nas mídias devido à naturalidade de sua gravação” diz Kim.

Devido ao sucesso da “meme” os fãs da banda gospel pedem que Catedral toque em seus shows a música “Galhos Secos”. “Os fãs estão nos pedindo muito, e com certeza iremos tocar a música porque virou o hit do momento, e mostrar que a música e a letra passam uma informação muito séria, como uma oração”, diz Kim.

Letra da Música GALHOS SECOS

Nos galhos secos de uma árvore qualquerOnde ninguém jamais pudesse imaginarE o Criador nosso DeusNos deu uma flor a brotarOlhai, olhai, olhai.Os lírios cresceram nos camposE o Senhor, nosso DeusNos têm alimentado para nossa alegriaPara nossa alegriaPara nossa alegria



A letra da música foi escrita por Osvayr Agreste, da Banda Exodus (1070-1977), quando tinha 13 anos, e estourou nos anos 70, sendo regravada pelo grupo Som Maior nos anos 80 quando iniciou a era das músicas evangélicas no Brasil.





CD “Maior Idade Musical”

O CD que marca os 23 anos da Banda Catedral foi lançado em um livro-CD com tiragem limitada de apenas 3 mil cópias.

O livro de luxo, de 100 páginas e capa dura, traz imagens posadas da banda, feitas no estúdio do fotógrafo Dario Zalis, e instantâneos registrados durante a gravação do disco. Há também as letras, cifras e partituras de todas as 14 músicas que compõem o novo trabalho. E mais: textos escritos pelos integrantes da banda – Kim (voz e guitarra base), Julio (baixo) e Guilherme (bateria). Completam o trabalho textos dos fãs enviados por e-mail e frases selecionadas de posts feitos via Twitter e Facebook.

A ideia do livro-CD, apelidado de “Álbum Azul” (assim como os Beatles têm o seu célebre “Álbum Branco”), foi lançada na internet, com aceitação imediata e maciça dos nossos fãs. Os fãs foram convidados a participar de uma lista para adquirir o álbum. Depois que todas as cópias forem vendidas, não haverá reedição do “Álbum Azul”.

O projeto “Maior Idade Musical” também é o primeiro trabalho totalmente independente da Banda Catedral, desvinculado de qualquer gravadora. É uma resposta aos tempos de pirataria física e virtual, uma proposta de revalorização do trabalho artístico, por meio de um projeto visual e sonoro de alta qualidade.

Musicalmente, o novo trabalho da Banda Catedral reflete a maioridade artística que o grupo alcançou em 23 anos de carreira, a segurança como músicos, intérpretes e compositores. Puxado pela música “Fale Mal de Mim”, lançada em primeira mão no MySpace, “Maior Idade Musical” traz todas as vertentes de estilo que formam o som da Catedral. Há rock progressivo, hard rock, baladas, folk, MPB e outras levadas características do trio. A primeira música de trabalho {single} é a linda balada pop/rock romântica “Dona do meu coração” que já esta fazendo grande sucesso entre os fãs e que também será o primeiro clipe {já gravado} desse trabalho.

Pesquisar este blog

assine nossa newsletter!