Leila Danziger - Mares poderão subir por mais mil anos



A primeira SEXTA LIVRE de 2014 inaugurou na Galeria do Ateliê a exposição Mares poderão subir por mais mil anos, da artista visual Leila Danziger. A mostra lida com o tempo e as águas, história e memória, informação e esquecimento e é composta de três séries de trabalhos expostos: Mares poderão subir por mais mil anos, Cruel Sea, Resistir-por-ninguém-e-por-nada, Náufrago e, Stela e o mar.

A exposição reúne 15 trabalhos realizados em diferentes meios e linguagens: intervenções sobre fotografias e jornais (dimensões variáveis: de 100 x 75 cm; 54 x 32 cm; 40 x 30 cm), um livro de artista (21 x 17 cm) e uma instalação sonora. O Ateliê da Imagem Espaço Cultural fica na avenida Pasteur, 453. Urca (Tel 21 2541 3314) Entrada franca.

Mais do que sugerir uma reconfiguração ameaçadora entre a terra e os mares, a frase-título provoca vertigem ao associar um espaço ainda indomável – os mares – a uma escala de tempo para além da vida humana; resiste assim à temporalidade instantânea dos jornais, e é a tentativa de propor a experiência de um tempo lento e resistente o que orienta as três séries de trabalhos expostos:

Mares poderão subir por mais mil anos, realizada a partir de fotografias de páginas de jornais em que a imagem é adensada pela presença de materiais, tais como areia, entre outros;

Cruel Sea, feita a partir de capas de pocket books sobre mares, guerras e naufrágios;

Resistir-por-ninguém-e-por-nada, carimbo sobre jornais em que restam apenas cenas de inundações;

Náufrago, imagem realizada a partir do registro de um homem recolhido por um navio às vésperas da segunda grande guerra;

Stela e o mar, onde o visitante é convidado a sentar-se junto à janela do espaço expositivo e ouvir a breve narrativa de um desaparecimento.

LEILA DANZIGER é artista visual e professora do Instituto de Artes da Uerj. Desde 2011, é pesquisadora do CNPq, desenvolvendo projetos de criação em artes visuais em que sua dupla formação como artista e historiadora da arte se faz presente em produções artísticas orientadas pelas negociações entre arte, história, memória e literatura. Graduou-se em Artes pelo Institut d’Arts Visuels d’Orléans, França; concluiu doutorado em história da arte pela Puc-Rio; e pós-doutorado em artes na Bezalel Academy of Arts and Design Jerusalem, Israel.

Participa de mostras individuais e coletivas desde o início dos anos 1990, entre as quais destacam-se: Felicidade-em-abismo (individual), Capela da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Rio de Janeiro (2012), What vanishes, what resists (individual), BAAD Gallery/ Bezalel Academy of Arts and Design, Tel Aviv, Israel (2011); Tempo-matéria, Museu de Arte Contemporânea de Niterói (2010); Bilder des Erinnerns und Verschwindens. IFA-Galerie, Berlim, Alemanha (2003); Wegziehen, Frauenmuseum, Bonn, Alemanha (2001); Investigações: rumos visuais 1, Itaú Cultural, São Paulo (2000). Publicou três livros: Diários públicos: sobre memória e mídia (Contracapa, 2013), Todos os nomes da melancolia, (Apicuri, 2012), e Três ensaios de fala (poesia, 7 Letras, 2012).

SERVIÇO

SEXTA LIVRE apresenta Mares poderão subir por mais mil anos com obras da artista visual Leila Danziger

Exposição de 15 trabalhos realizados em diferentes meios e linguagens

Entrada franca

Livre

Visitação: Seg a sex de 10h às 21h | Sab de 10h às 17h - Entrada franca

Até 8 de março de 2014

Ateliê da Imagem Espaço Cultural

Av. Pasteur, 453, Urca (2541-3314)

www.ateliedaimagem.com.br

Texto: Assessoria de Imprensa

Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 

Visite minha lojinha!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Pesquisar este blog

assine nossa newsletter!