Pular para o conteúdo principal

Análise: Back To Black - Amy Winehouse

Empolgante até o fim

por chandra santos

Já no clima da série de shows que Amy Winehouse fará no Brasil, o Sete Artes publica hoje uma análise de seu último trabalho, ''Back To Black''.

Dotada de uma voz única, com interpretação marcante e presença de palco, a britânica Amy Winehouse é uma das artistas mais importantes do soul contemporâneo internacional. Não é a toa que o álbum ''Back To Black'' vendeu mais de 12 milhões de cópias em todo o mundo e é o disco mais vendido de 2007. Dele saíram sucessos como 'Rehab', ''Back To Black'', ''Love is a Losing Game'' e ''You Know I'm No Good''
A vida pessoal de Amy está estampada nas letras do disco. Em ''Rehab'' a cantora brada para quem quizer ouvir que "tentaram levá-la para a reabilitação, mas que ela não vai, não vai e não vai." O álbum prossegue com hit "You Know I'm No Good".  Ele possui um tom melodramático e uma letra passional. A dramtização do videoclipe somada aos elementos anteriores fez Amy alcançar mais de 20 milhões de visualizações no YouTube.

''Me & Mr.Jones'' - terceira faixa do álbum - lembra a trilha sonora dos filmes antigos. Se fecharmos os olhos podemos ver as cenas... "Just Frieds", música que sucede ''Me &...'' segue a mesma linha. Um jazz açucarado... com uma Amy contida, romântica...

Mas, esse equilíbrio aparente desmorona em "Back To Black", faixa-título do álbum. Nela, a batida e a interpretação de Amy possuem um tom melancólico e em alguns momentos depressivo. O videoclipe, gravado em um cemitério, foi visto mais de 13 milhões de vezes no YouTube. A canção angústia - principalmente na hora dos 'sinos'.

A canção seguinte, ''Love is a losing game'', mostra uma Amy desiludida... afinal... o amor é um jogo perdido! Sua interpretação nos dá a sensação de desilusão, de tristeza, de que nada mais pode ser feito.

Já em ''Tears Dry On Their Own" a alegria toma conta de Winehouse! Nem reconheçemos a moça depressiva de "Back To...". Segundo dados da Wikipédia a música é inspirada em uma canção dos anos 60:
"Apesar de ter escrito as letras e ter composto as melodias, a música por trás da voz de Amy é uma mistura do hit clássico do ano de 1967 "Ain't No Mountain High Enough", de Marvin Gaye e Tammi Terrell, escrito pelo casal Ashford & Simpson."
Ainda de acordo com a enciclopédia virtual, o videoclipe da canção no YouTube possui mais de 14 milhões de visualizações.

"Wake Up Alone'' é uma canção que promete, mas não cumpre. Daquele tipo que esperamos que aconteça uma reviravolta no refrão e... continuamos esperando. Com batida ritmada e interpretação impecável, repleta de agudos, Amy parece preparar o caminho para a próxima canção.

"Some Unholy War" é a penúltima música do álbum. Nem triste e nem alegre, "Some.." possui apresentação angustiante de Amy acompanhada por uma batida leve e ritmada.

"Back to Black" termina com "He can Only Hold Her". Dando aquele tom de continua nos próximos capítulos e nos deixando com gostinho de quero mais.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…