Pular para o conteúdo principal

Por dentro do Museu Imperial


Silvio Tendler encerra 1ª Mostra de Cinema e História do Museu Imperial*
Karl Schurster e Silvio Tendler no debate durante a Mostra

Na noite da última quinta-feira, 22 de setembro, o cineasta Silvio Tendler foi aplaudido de pé pelo público da 1ª Mostra de Cinema e História do Museu Imperial. Na ocasião, foi exibido seu documentário “Utopia e Barbárie” (2010), seguida de um encontro com Tendler, no qual ele conversou com os participantes sobre seus filmes e sobre a relação entre Cinema e História.

“Utopia e Barbárie” apresenta um panorama desde o pós-Segunda Guerra Mundial até os dias de hoje, período marcado por revoluções e ideologias, mas também por violências e ditaduras. No filme, são abordadas questões como Hiroshima, o Holocausto, as revoluções socialistas e as ditaduras na América Latina, entre outras.

Um dos aspectos interessantes do documentário é o fato de ser narrado em primeira pessoa. Segundo o próprio Tendler, isso constituiu em um desafio. “Eu sempre quis fazer filmes históricos, mas não com uma história abstrata, e sim ancorada em personagens. Então, foquei em presidentes da República, o que foi o caso dos filmes sobre Juscelino Kubistchek e Jango. Em seguida, saí dos presidentes, mas continuei com personagens, como o cineasta Glauber Rocha e o geógrafo Milton Santos. Em Utopia e Barbárie, eu não tinha um personagem para ancorar a história, então, pela primeira vez, tive a coragem de me colocar como personagem e contar a história em primeira pessoa”, explicou.

O cineasta, que também é historiador, ressaltou a importância dessa relação entre Cinema e História, que pautou sua carreira. “Cinema e História sempre foram minhas duas paixões. Então, percebi que a História brasileira pode resultar em ótimos filmes”.

O mediador do debate, o historiador e professor Karl Schurster, concordou e destacou que “a relação do Cinema com a História é a de uma arte que veio alertar a História sobre como ela sempre foi conservadora. O cinema foi um alerta de que História é movimento”.

Encerrando a noite, o diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Júnior, falou sobre a importância das discussões levantadas ao longo da Mostra. “Para alguns, pode parecer estranho que o Museu Imperial, que tem como atribuição regimental tratar de um certo período histórico, abrigue uma mostra de cinema que trata de questões contemporâneas. Mas é preciso lembrar que o imperador d. Pedro II levantou questões sociais que não estão resolvidas ainda hoje”, lembrou. “O Museu é um local de preservar a memória, mas também de projeção para o futuro. Estamos trabalhando no sentido de transformação, de construir algo melhor”.

A 1ª Mostra de Cinema e História do Museu Imperial foi realizada de 20 a 22 de setembro, com exibições de filmes, palestras, debates e encontros com cineastas. O evento fez parte da programação da 5ª Primavera dos Museus, que vai até domingo com atividades em museus de todo o país.

*Texto: Assessoria de Imprensa do Museu Imperial
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…