Pular para o conteúdo principal

Perfil/ Gian Shimada

Gian Shimada: paixão pela arte

por chandra santos

Gian Shimada arrumando a exposição 'Pegueeleve", que reúne também obras de Eduardo Denne e está em exibição na Caza Arte Contemporânea, na Lapa 

O artista plástico Gian Shimada começou a nutrir uma simpatia pelo mundo artístico ainda na infância: “Desde pequeno gostei de lidar com criação plástica, firmando minha escolha quase a partir do final do ensino médio”, relembra Gian, que formou-se, em 1986, em Gravura em Metal, Xilogravura e litografia pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EBA-UFRJ). Lá teve aulas com Lygia Pape, Ísis Braga, Edson Motta e Celeida Tostes. No ciclo profissional do curso de Gravura esteve próximo de Adir Botelho, Kazuo Iha e Marcos varela.

“A principal coisa que aprendi é que o artista não é somente um ser provido de um dom, mas que − como qualquer trabalho/criação a que nos dedicamos, dependendo do caso − só mediante muito sacrifício, dedicação,p aciência e constância é que este talento/aptidão pode resultar em conseqüência”, destaca o artista, que guarda boas memórias da época.

ARTES VISUAIS II. Gian Shimada. 2010
Xilogravura sobre cartaz. 70x50 cm.

Absorvendo conhecimentos dos mestres, Gian encontrou seu caminho nas artes visuais. Suas obras mais importantes são as gravuras “Pêssego Preto” e “Beijo na tela”; o tríptico: “Da libertação de Greta”; e as instalações “Mapa das Artes”. “A partir destas realizações − tendo uma premiada no exterior − realmente iniciei um processo mais criativo e prazeroso de produção e veiculação de meu percurso artístico”, conta Gian.

Beijo na Tela. Gian Shimada. 2009
Impressão em Relevo, Fotogravura, Colagem. 30x40 cm.
BANHO NOTURNO/MAPA DAS ARTES. Gian Shimada. 2010
Xilogravura sobre impressão em Off-Set. 100x60 cm.


De acordo com o texto-crítico da Doutora em Artes Visuais (EBA-UFRJ) e Professora Adjunta do IART-UERJ e da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Maria Luiza (Malu) Fatorelli, as obras do artista seguem uma linha: "Gian utiliza para suas impressões xilográficas, em grandes formatos, um duplo suporte. Não mais as imaculadas folhas de papel de algodão, específicas para impressões gráficas, mas folhas do Mapa das Artes do Rio de Janeiro e os muros   da cidade. Nesse trabalho, o suporte recusa um lugar de invisibilidade para assumir outros planos conceituais evocados pelo mapa e pela cidade. Bidimensionalmente, o mapa colorido que marca o lugar das galerias e instituições artísticas impõe à massa negra da imagem xilográfica um diálogo cromático, que também ironiza o desejo de pertencimento a um circuito ao permanecer colado do lado de “fora” nos muros urbanos."

PAPO-BOLA/MAPA DAS ARTES.  Gian Shimada. 2010
Xilogravura sobre impressão em Off-Set.100x60 cm.

Perguntado sobre a questão da arte contemporânea noBrasil e no exterior, ele responde de forma positiva: “está cada vez maisvisível e acessível, apresentando diversas e diferentes manifestações. Gostodisso!”, frisou o artista que está em cartaz até dia 21 na Caza Arte Contemporânea.

Para saber mais sobre Gian Shimada, clique aqui.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…