Pular para o conteúdo principal

Por dentro do Museu Imperial

Sociedade de Amigos doa peças para o acervo do Museu Imperial*

Doações foram realizadas no evento de comemoração dos 20 anos da SAMI



No último sábado, dia 05 de novembro, foram comemorados os 20 anos da Sociedade de Amigos do Museu Imperial (SAMI). Para celebrar, foi realizada uma cerimônia na qual a associação presenteou o Museu com peças para os acervos museológico, arquivístico e bibliográfico da instituição.

Para a Biblioteca, foi doada uma obra raríssima, “Funcções do casamento de sua Magestade Imperial, o senhor Dom Pedro I° com a sereníssima senhora princesa Amelia de Leuchtenberg”. O livro, datado de 1830, traz todo o serviço do casamento de d. Pedro I com sua segunda esposa, d. Amélia, além de poemas e dedicatórias escritas para os noivos. Entre elas, encontra-se uma ode escrita por Félix Émile Taunay, importante pintor francês do século XIX.

O Museu recebeu ainda, para o setor de Museologia, um retrato de d. Leopoldina, primeira imperatriz do Brasil. A pintura tem autoria e data desconhecidas, mas, pelos trajes, é possível identificar que d. Leopoldina foi retratada já como imperatriz, o que restringe o período entre 1822 e 1826, ano de seu falecimento.

Já o Arquivo Histórico foi presenteado com uma série de oito fotografias que formam um panorama em 360° de Petrópolis. As imagens foram capturadas em 1898 por Jorge Henrique Papf, a partir do Morro do Cruzeiro (conhecido atualmente como Morro dos Milionários) e incluem a cadeira na qual o imperador d. Pedro II costumava se sentar para apreciar a vista da cidade.

O presidente da SAMI, dr. Miguel Pachá, ressaltou a importância das sociedades de amigos de museus. “Essas associações são necessárias para que o museu possa desenvolver atividades além das possibilitadas pelo seu orçamento anual, como é o caso da aquisição dessas peças. Assim, mantemos os museus vivos”.

O diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Júnior, lembrou que, na data, também era comemorado o Dia Nacional da Cultura, sendo uma ocasião para enfatizar a importância da SAMI não só para o Museu Imperial, mas para a cultura de forma geral.

“As principais missões de um museu são preservar, pesquisar e comunicar seu acervo. E a Sociedade de Amigos e demais parcerias que o Museu possui permitem ampliar essas atividades”, afirmou. “Através dessas parcerias, conseguimos desenvolver projetos como o espetáculo Som e Luz, patrocinado pela Eletrobras, o restauro da Berlinda de Aparato de d. Pedro II, financiada pela GE Celma, e o Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial (DAMI), patrocinado em sua primeira fase pela IBM e, atualmente, mantido pela própria SAMI”.

Após a cerimônia, foi oferecido pela SAMI um concerto de Turíbio Santos no Cine Teatro Museu Imperial, gratuito e aberto à população. Considerado um dos principais violonistas brasileiros da atualidade, Turíbio apresentou obras de importantes compositores nacionais, desde Heitor Villa-Lobos a Jackson do Pandeiro, passando por João Pernambuco eLuíz Gonzaga.

*Texto: Assessoria de Imprensa do Museu Imperial
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…