Pular para o conteúdo principal

Especial: um ano para o fim do mundo

Reprodução da íntegra do texto das 7 Profecias Maias sobre o fim do mundo em 22/12/2012

Texto retirado daqui



Sexta Profecia Maia


A 6ª profecia Maia fala que nos próximos anos aparecerá um cometa cuja trajetória colocará em perigo a própria existência do ser humano.

Os maias viam os cometas como agentes de mudanças que vinham para por em equilíbrio o movimento existente para que certas estruturas se transformem permitindo a evolução da consciência coletiva. Todas as coisas têm um lugar que lhes corresponde, todas as circunstancias, até mesmo as mais adversas, são perfeitas para gerar compreensão sobre a vida, para desenvolver a consciência sobre a criação. Por isso o ser humano está constantemente enfrentando situações inesperadas que geram sofrimento a ele, é um modo de conseguir que ele reflita sobre sua relação com o mundo e com os outros. Assim ao longo de muitas experiências em muitas vidas ele entenderá as leis naturais da razão e da criação.

Para os maias, Deus é a presença da vida em todas as formas e sua presença é infinita.

O cometa - Ajenjo como era chamado – de que fala a profecia foi também anunciado por varias religiões e culturas, por exemplo, na bíblia, no livro das revelações onde recebe o nome de “Absinto”, se o cometa aparecer é possível que sua trajetória o leve a se chocar com a Terra ou então que por meios físicos ou psíquicos conseguiremos desviar sua trajetória.

Os cometas sempre fizeram parte do sistema solar, milhares de resíduos atravessam, cruzam, vão e voltam, periodicamente e inclusive se chocam com os planetas que se movem sempre tranqüilos em suas órbitas regulares ao redor do sol.


A comunidade científica aceita que a 65 milhões de anos, no cretáceo terciário, um cometa caiu em Chicxulub, na península de Yucatan, no Atlântico. Causando a extinção dos dinossauros. Sua cratera com 180 km de diâmetro tem altas concentrações de Irídio – elemento muito raro na terra, mas, muito comum nos asteróides.

Associou-se o aparecimento de asteróides à momentos difíceis como a que coincidiu com a erupção do vulcão Vesúvio que destruiu Pompéia e Herculano no ano 79 d.c. ou com a queda do rei Harold por Guilherme, O Conquistador na Inglaterra e 1066 que foi registrada no Tapete de Beyeux; causaram pânico coletivo com o Halley em 1910, naquela época presumiu-se que a sua cauda era de gás venenoso (o cianureto) e foram vendidas milhares de pilulas para que as pessoas se protegessem dele. Foram também causadores de suicídios coletivos com os dos 39 membros da “Porta do Céu” em 1997, que acreditavam que o enorme cometa Hali-Bopp, com 40km de diâmetro vinha buscá-los.

Os cometas sempre geraram controvérsias, mas nunca tanta como em 1456 quando reapareceu o cometa Halley que foi considerado como um agente do diabo e deveria ser expulso do céu, sendo excomungado pelo Papa Calípso III.

Foi Isaac Newton que descobriu que a gravidade mantêm os planetas girando em órbitas definidas em torno do sol e Edmond Halley, seu contemporâneo, utilizou esses cálculos para determinar as órbitas dos cometas, anunciando que a cada 76 anos o cometa Halley regressaria. Por esse motivo ele leva seu nome.

Os cometas também causaram desastres regionais como na Sibéria, sobre a rio Tungeska, em asteróide de aproximadamente 50m de diâmetro explodiu no ar em 1908, destruindo instantaneamente 2km de um bosque totalmente denso.

Alguns aproximaram-se bastante da terra como o comenta Iras-araque-aukoque, aproximou-se a 6 milhões  de km  da terra e poderia ter causado um dano maior do que se explodissem, simultaneamente,  todas as bombas atômicas existentes.

Os maias sempre estudaram e registraram os eventos do céu, seu alerta for prevenir os seres humanos do perigo de não conhecerem as órbitas e os períodos de grandes resíduos que se cruzam com a trajetória da terra. Eles sabiam que para o homem moderno, descobrir com antecedência em asteróides tão grandes que pudessem causar sua extinção e então desviá-lo seria uma das maiores façanhas da historia humana e o fato crucial que nos uniria como espécie.

Antigamente a esfera celeste era o domínio dos deuses, com o aparecimento inesperado de um objeto desconhecido que dominava a noite era motivo de medo e misticismo, por isso os maias construíram observatórios dedicados a estudar os fenômenos, eles queriam entender seus movimentos imprevisíveis no céu especialmente depois de terem estabelecido as posições dos planetas e das estrelas.

O perigo eminente nos obrigaria a construir um nível de cooperação mundial, a estabelecer um sistema de comando e controle acima dos paises e uma estrutura de comunicação mundial, seria a única maneira pela qual os paises abririam mão de sua soberania a um pais como as nações unidas, dando origem a um governo mundial para o bem comum.

Seria um caminho para aprender a transcender a separação que é a base de nossa sociedade.

Imagens: Reprodução de internet

Continua...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…