Pular para o conteúdo principal

Música


CD “LÁGRIMAS E RIMAS”
ANNA BELLO*


*Texto: Assessoria de Imprensa

O primeiro CD de Anna Bello, “Lágrimas e Rimas”, tem seu repertório exclusivamente dedicado ao choro cantado. Anna inspirou-se na Rainha do Chorinho, Ademilde Fonseca, que conheceu na cerimônia de premiaçãoda Medalha Pedro Ernesto no Museu da Imagem e do Som, em 1999, quando cantaram juntas. Desde então a jovem cantora vinha amadurecendo a ideia de fazer um álbum dedicado ao Choro e à sua Rainha.

Foi somente em 2011, porém, quando foi contemplado pelo Edital do Fundo de Apoio à Música da Secretaria Municipal de Cultura, que o projeto saiu do papel. Com “Lágrimas e Rimas”, Anna Belloapresenta choros cantados de forma bastante contemporânea, reunindo em seu repertório desde choros clássicos até músicas inéditas de compositores atuais, como “O bravo e a formosa” (Edu Krieger) e “Orla de Plutão” (Marcelo Caldi e Camila Costa).

Para ajudá-la a produzir o disco, a cantora reuniu um time de primeira grandeza. Com direção musical de Edu Krieger, arranjos e sopros de Alexandre Caldi, Rogério Caetano no violão de 7 cordas, Luis Barcelos no bandolim e cavaquinho e Carlos Cesar Mota na percussão, o projeto contou ainda com as participações especiais de Marcelo Caldi no acordeon e no piano, Nicolas Krassik no violino e Moraes Moreira no violão.Aos 91 anos, Ademilde Fonsecadividiu os vocais com Anna Bellona faixa “Arrasta pé”, de Waldir Azevedo e Klecius Caldas, que apesar de fazer parte do repertório da veterana, permanecia inédita em CD. Gravado em janeiro de 2012, pouco antes de seu falecimento, Ademilde deixou também um depoimento em vídeo, no qual conta sua trajetória no choro, incluído como faixa bônus no fim do álbum.

Também estão no CD as músicas “Chorinho de mágoa” (Edu Lobo e Capinan), “Choro novo” (Moraes Moreira e Armandinho), “Um chorinho” (Chico Buarque) e “Santo Amaro” (Franklin da Flauta, Luiz Carlos Ramos e Aldir Blanc), que conta histórias dos bairros da Glória e do Catete, onde a cantora fará o show de lançamento deste CD: “Eu ia a pé lá da ladeira Santo Amaro / até a rua do Catete / e te levava prum passeio em Paquetá / onde nasceu num picnic nosso rancho / o Ameno Resedá”.

Sobre Anna Bello
Anna Bello estudou dança desde os 6 anos, música desde os 7 e teatro desde os 15. Sua trajetória musical começou com aulas de piano e depois de flauta na Pró-Arte, tendo integrado o grupo Flautistas da Pró-Arte durante 10 anos. Hoje, Anna é monitora do grupo na preparação vocal e de cena. Estudou canto lírico e popular com diversos professores entre eles: Vera do Canto e Mello,Marcelo Rodolfo e hoje é aluna de Ângela Herz. Em 2004 se formou em Licenciatura Plena Artes Cenicas pela Uni Rio.

Em 2001, protagonizou o espetáculo musical “Cambaio”, de João Falcão e Adriana Falcão, com músicas inéditas de Chico Buarque de Edu Lobo e direção musical de Lenine. No ano seguinte, participou do elogiado espetáculo infantil “A ver estrelas”, com texto, música e direção de João Falcão; e de “Eu & Meu Guarda-Chuva”, com músicas de Branco Mello e ao lado de Andréa Beltrão. Também fez parte do elenco de musicais de Karen Acioly e integrou o elenco do espetáculo musical “Esta é a nossa canção”, deNeil Simon, com músicas de Marvin Hamlisch e Carole Bayer Sager.

Anna Bello já se apresentou como cantora solo em casas de espetáculo do Rio como Mistura Fina, Hipódromo Up, Canequinho contando com participações importantes como Zé Kéti, Noca da Portela, Ademilde Fonseca e Velha Guarda da Mangueira. Como flautista, também integrou o elenco de várias peças teatrais e shows de música.

CD “Lágrimas e Rimas” - independente - Preço aproximado: R$ 20,00
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…