Pular para o conteúdo principal

Programação/ Música


Joel Nascimento e Fernanda Canaud se apresentam na Arlequim*
 No repertório, composições de Anacleto de Medeiros, Villa-Lobos, Pixinguinha e Radamés Gnattali, dentre outros

*Texto: Divulgação/ Assessoria de Imprensa


Um encontro de dois exímios instrumentistas vai acontecer no sábado, dia 05/05, às 15h, na Arlequim, no Paço Imperial. Ao longo de quase duas décadas, o bandolinista Joel Nascimento e a pianista Fernanda Canaud já haviam se encontrado várias vezes para trabalhos esporádicos de formação camerística em palcos que tradicionalmente abrigam a música instrumental. Na Arlequim, a dupla selecionou um repertório baseado no CD “Valsas Brasileiras”, intercalando solos de piano e de bandolim e interpretando Anacleto de Medeiros, Villa-Lobos, Pixinguinha, Radamés Gnattali, Barrozo Netto, Ernesto Nazareth, e os contemporâneos, Francis Hime e Maurício Carrilho.

Joel Nascimento é considerado o herdeiro musical de Jacob do Bandolim. Com 29 anos de carreira artística, é também o grande responsável pela popularização do bandolim em gravações. Freqüentador da casa de Jacob, considera-se um privilegiado pela oportunidade de ter convivido intensamente com o mestre e com outro gênio da Música Brasileira, Radamés Gnatalli. Do maestro, Joel Nascimento ganhou de presente o "Concerto para Bandolim e Orquestra". Além de solista, compositor, dono de uma sonoridade originalíssima e uma grande capacidade de improvisação, Joel Nascimento destacou-se pelos trabalhos em grupo liderados por ele, como a "Camerata Carioca", que trouxe uma nova concepção musical e instrumental à formação tradicional dos conjuntos de Choro, e o "Sexteto Brasileiro". Tocou com diversas orquestras brasileiras e participou de gravações ao lado de alguns dos maiores nomes da nossa música popular como Altamiro Carrilho, Paulo Moura e Artur Moreira Lima, entre outros. Ganhador de diversos prêmios, destacam-se os Prêmios Playboy de Música Popular Brasileira e o Troféu Brahma Extra de Música.



Com longa experiência em recitais e concertos no Brasil e no mundo, Fernanda Canaud já atuou, como solista de diversas orquestras brasileiras, com regentes do calibre de Leon Hallegua, Lidia Amadio, Julio Medalia, Marco Macceri, Armando Prazeres, Norton Morozowitz, Bernstein Seixas, Ernani Aguiar, Nilo Hack, entre outros. Dentre muitos de seus projetos, destacam-se as apresentações em música de Câmera com os clarinetistas Paulo Sergio Santos e Jose Botelho, os violoncelistas David Chew e Inna Esther Jost, o oboísta Harold Emert e Luis Justi, o fagotista Noel Devos, os bandolinistas Marcos de Pinna e Joel Nascimento, o contrabaixista Bruce Henry, os saxofonistas Paulo Moura e Carlos Malta, as flautistas Odete Ernest-Dias e Julie Koidn, entre outros.

05/05 – Música na Arlequim –Fernanda Canaud e Joel Nascimento- sábado , 15h
Praça XV de Novembro, 48, Loja 1 - Centro - Rio de Janeiro - RJ
Telefone.: (21) 2524-7242 (reserva)
Entrada: R$15,00 (couvert artístico)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…