Pular para o conteúdo principal

Programação/ Música


O violino jazzístico de Rudi Berger no sábado, dia 26,  na Arlequim*

Músico vai apresentar músicas do novo CD “In Search of Harmony” e standards do jazz


 *Texto: Assessoria de Imprensa


No próximo dia 26, sábado, às 15h, o violinista Rudi Berger vai levar ao palco da Arlequim, no Paço Imperial, a perfeita combinação de seu instrumento com o jazz e a música instrumental. Ao lado de Marcílio Figueiró, compositor e violonista, de quem é parceiro musical desde 2003 e, juntos, se apresentaram em diversos países da Europa e América do Sul, Rudi apresentará músicas de seu novo CD “In Search of Harmony”, além de clássicos que marcaram o jazz. Dentre as autorais, o destaque fica por conta de “Waltz for Jeremy” , “Here Again”, “Walz for Veronika” e  “So far you see”. Clássicos  como “My Foolish Heart”,  “My Funny Valentine” e “Over the rainbow” ganham releituras profundas, bem no estilo inusitado e espontâneo do violinista.

Rudi Berger nasceu em Viena, estudou violino clássico no Conservatório de Música de Viena e foi solista da Vienna Art Orchestra. Foi eleito por dois anos consecutivos (1985 e 1986) como violinista do ano pela revista Européia Jazz Live. Sua carreira internacional iniciou-se em 1988, no The American Music Theater Festival (em Nova York, Filadélfia e Boston), onde executou peças de Astor Piazzolla, sob a direção musical do próprio compositor. No mesmo ano, expandiu suas fronteiras musicais, ao encontrar o violonista brasileiro Toninho Horta, com quem se apresenta e grava freqüentemente.

Mudou-se para Nova York em 1986, onde durante mais de uma década gravou e tocou com músicos como Jay Anderson, Victor Bailey, Cyro Baptista, Joseph Bowie’s Defunkt, Joey Calderazzo, Billy Kilson and Artt Frank , entre outros. Reconhecido por seu estilo único como jazz violinista e compositor, tem realizado turnês pela Europa, Estados Unidos, América do Sul e Japão, com sua banda e como artista convidado desde 1990. Nos últimos anos, no Brasil, é reconhecido como o violinista de jazz mais requisitado por vários artistas para participações especiais em cds, gravando composições de Toninho Horta, Yuri Popov e Milton Nascimento. Desde 2001, Rudi Berger reside no Brasil e em 2009 foi convidado para ser membro honorário da Fundação Chet Baker.  

O carioca Marcílio Figueiró, que já integrou  a banda de Yuri Popoff  (de 1992 a 2007) iniciou sua parceria com Rudi Berger em 2003, para participar da tournée de sua banda “Three World Band”. Ao longo de sua carreira, tem se apresentado e gravado com nomes de grande reconhecimento, como Guinga, Selma Reis, Artur Maia, Márcio Lott, Nilze Carvalho, Marcelo Caldi, dentre muitos outros.


26/05 – (SÁBADO), às 15h – Rudi Berger

O violinista Rudi Berger, ao lado de Marcílio Figueiró (violão) apresenta músicas de seu novo CD “In Search of Harmony”, como “Waltz for Jeremy” , “Here Again”, “Walz for Veronika” e  “So far you see”, e clássicos do jazz como “My Foolish Heart”,  “My Funny Valentine” e “Over the rainbow”

Endereço: Praça XV de Novembro, 48, Loja 1 - Centro - Rio de Janeiro - RJ
Telefone.: (21) 2220-8471 (reserva)
Entrada: R$15,00 (couvert artístico)
Classificação: Livre

EncurtaNET
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…
EncurtaNET