Pular para o conteúdo principal

Perfil

Grupo Mal de Raiz: a essência do samba 

por chandra santos


Quem se amarra nos sambas antigos deve conhecer o trabalho do grupo Mal de Raiz. Formado por Waldir Sete Cordas (violão e voz), Henrique Vasconcelos (cavaquinho e voz), Tupy do Pan (pandeiro de nylon e couro), Makx-Elen Camello (tantan marcação) e os cantores principais Juliane Rodrigues, Elvina Rodrigues e Sérgio Lange, o grupo tem como filosofia resgatar os sambas esquecidos pela mídia com arranjos atuais. Eles se apresentam todo primeiro sábado de cada mês no Botequim Vaca Atolada na Lapa (Centro do Rio) e durante os outros sábados no Bar Espeto Mix na Tijuca (Zona Norte do Rio).

Originalmente formado por um casal gaúcho nos anos 1980, o grupo se uniu 20 anos depois aos bambas das escolas de samba Portela e Império Serrano. Em 2007, viraram oficialmente um grupo chamado “Esquina do Samba” e gravaram o CD “na Raiz do Samba” em homenagem ao casal gaúcho pelos 45 anos de sua união. Em 2010, ao organizar sua própria roda de samba, houve algumas mudanças inclusive no nome que, a partir de um trecho do samba “som sagrado” de Paulo César Pinheiro e Wilson das Neves, passou a se chamar Mal de Raiz. Já passaram pelo grupo Toninho Geraes, Noca da Portela, Mauro Diniz, Dorina, Juliana Diniz, Nelson Sargento, Tia Surica entre outros.


 O Sete Artes entrevistou o grupo com exclusividade. Confira:

Sete Artes: Quais os principais sucessos da banda? Discografia.
Mal de Raiz: “Tocamos Samba de Raiz. Não podem faltar Cartola, Nelson Cavaquinho, Ivone Lara e todos os grandes nomes que representam o gênero. Tocamos Sambas antigos de Wilson Batista, Ismael Silva, Noel Rosa, Geraldo Pereira, Adoniran Barboza e também choros de Waldir Azevedo, Jacob do Bandolin, entre outros.”

SA: No que estão envolvidos atualmente?
MDR: “Atualmente realizamos Rodas de Samba no Botequim Vaca Atolada na Lapa todo o 1º sábado do mês e nos outros sábados a partir de 17 horas estamos no Bar Espeto Mix na Tijuca. Além disso, estamos preparando o repertório e arranjos do nosso novo CD. Nele vamos apresentar alguns sambas antológicos que fazem parte do repertório nas Rodas de Samba, assim como sambas inéditos de compositores amigos que apoiam o trabalho.”

SA: Quais as influências da banda?
MDR: “O Grupo tem como líder o violonista Waldir 7 Cordas, gaúcho com mais de 50 anos de dedicação à música. Waldir trouxe a influência do Choro e de compositores de samba consagrados como Nelson Cavaquinho, Cartola, Noel Rosa, João Nogueira e Lupcínio Rodrigues. A grande paixão da Família pela Portela despertou a atenção e dedicação do grupo pelo trabalho de compositores Portelenses. Clara Nunes, Elizeth Cardoso, Beth Carvalho são fontes de inspiração e admiração das cantoras do grupo, Elvina e Juliane.”

SA: Como veem a questão da música atual no Brasil e no mundo? Em especial o samba. Acreditam que houve progressos ou que há regressão?
MDR: “Acreditamos que os Sambistas ainda lutam para defender a bandeira do Samba. Vemos pouco espaço na mídia para que os sambistas divulguem seu trabalho. No entanto, vemos surgir com jovens talentos, a esperança e a certeza de que vale a pena cultivar as raízes do nosso Samba.”
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…