Pular para o conteúdo principal

7 Kinds of Monkeys lança o primeiro CD reunindo Jack Endino e o brasileiro Amaro Lima


Algumas trocas de emails e fitas demo precederam o convite do cantor, compositor e guitarrista capixaba Amaro Lima (ex-Mahnimal) ao produtor Jack Endino: formar a banda 7 Kinds of Monkeys e, assumindo o contra-baixo, gravar um CD juntos. O convite foi aceito e o produtor que ajudou a explodir a cena grunge no início dos anos 90 com discos de bandas como Nirvana, Soundgarden e Mudhoney, aceitou o desafio de compor, gravar e mixar o álbum em apenas seis dias em seu estúdio em Seattle. Assim nasceu “Search for Gold”, primeiro disco da banda, formada ainda por Barret Martin (ex-baterista do Screaming Trees e de projetos com REM e Stone Temple Pilots) e pelo guitarrista carioca Ricardo Mendes (já gravou com Djavan, Ed Motta, Adriana Calcanhoto e Shakira, dentre outros).
São onze músicas, cantadas em inglês, a maioria compostas por Amaro Lima – a exceção fica por conta da instrumental “The Caboclos Jam”, uma sinergia com origem no diálogo entre influências norte-americanas e brasileiras. O disco começa com “Search for Gold”, que dá nome ao disco, abrindo os trabalhos com força, peso e velocidade, dando o norte do que vem em seguida. A segunda faixa, “Lose control”, outro destaque do disco, não perde tempo e mantém a aceleração e a densidade inicial, assim como em “Can”, aqui um encontro notável dos arranjos vocais de Amaro com as linhas nada leves de guitarra. O disco traz também surpresas pulsantes, não tão aceleradas, também não menos empolgantes, como “Sweet surender” e “Tell You”, que figuram entre os pontos altos do disco. O resultado final do disco é um som pesado que segundo o próprio Endino “tem seção rítmica de guitarras e melodia com punch brasileiro e uma cozinha de baixo e batera rockn’roll bem americanos”.
Simultaneamente ao lançamento do CD, um documentário sobre as gravações e as experiências em Seattle, dirigido por Fabio Seidl e Raphael Erichsen, poderá ser assistido no site da banda, a partir de março. Além de imagens em estúdio dos músicos tocando ou em momentos de descontração, o documentário também traz o encontro da banda com Krist Novoselic (baixista e co-fundador do Nirvana) e Kim Thavil (guitarrista do Soundgarden), dentre outras curiosidades.
Banda minimiza polêmica criada na internet
No fim de janeiro, Jack Endino criticou em sua página no Facebook bandas brasileiras que tentavam cantar em inglês mas que não conseguiam ser entendidas, gerando uma grande polêmica no mundo do rock. Após críticas, o produtor se desculpou e disse que não era a intenção generalizar. A prova disso é que 7 Kinds Of Monkeys  traz Endino  avalizando a competência do projeto de Amaro Lima, que o defende: “quem conhece o Jack sabe que ele adora a música brasileira e o Brasil. Ele jamais toparia tocar no 7 Kinds of Monkeys se não achasse que poderíamos fazer um som com personalidade e qualidade. Bandas de outros países também cantam em inglês mesmo não sendo nativas na língua. Algumas são ótimas, outras nem tanto. A nossa língua é o rock.”

Texto: Assessoria de Imprensa 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…