Pular para o conteúdo principal

“A COZINHEIRA, O BEBÊ E A DONA DO RESTAURANTE” SEGUE EM CARTAZ NO TEATRO DULCINA


Sucesso de público e crítica em 2012 (recomendado com cinco estrelas pela revista Veja Rio), o infantil A Cozinheira, o Bebê e a Dona do Restaurante, da Companhia do Gesto, segue em cartaz na programação da ocupação “Dulcina abre o pano”, do Teatro Dulcina, na Cinelândia. A peça ficará em cartaz até o dia 2 de junho, sempre aos sábados e domingos, às 16h, com ingressos a preços populares.

A receita é, no mínimo, inusitada: linguagem cênica ousada com sonoplastia e ritmo frenético de desenho animado.  Como nos demais espetáculos da Companhia do Gesto, a fala fica em segundo plano, dando espaço a linguagens cênicas não convencionais. A peça foi criada a partir do roteiro original do ator Ademir de Souza (prêmio Zilka Sallaberry de melhor ator/2008), ele mesmo responsável pela sonoplastia da peça no palco. Em cena, duas mulheres – a Dona do Restaurante e a Cozinheira (respectivamente Tânia Gollnick e Cecília Ripoll) –, veem sua rotina de trabalho e sua relação cotidiana transformadas pelo aparecimento de um bebê à porta dos fundos do restaurante. Toda a ação acontece na cozinha, com as duas mulheres divididas entre atender os clientes, cozinhar e cuidar do bebê. Tudo regido pela enigmática figura de um maestro-sonoplasta, que executará as sonoridades em sincronia com a movimentação das atrizes, no próprio palco.

O espetáculo utiliza-se de máscaras criadas pela própria Cia do Gesto para o desenvolvimento dos personagens durante o processo de pesquisa e criação cênica. Com direção de Luis Igreja, a montagem resgata a estética dos desenhos animados clássicos dos anos 40 a 60, baseada na ausência de diálogos, muita música e rica sonoplastia. Diretor também dos programas “Tem criança na cozinha”, do Gloob, e de “Em família”, do Canal Saúde, Igreja se diverte com a mistura das plataformas:

- Levamos a animação do cinema para o teatro e a linguagem do teatro para a TV. A receita acaba ficando mais refinada em todos os sentidos, observa.

A Cozinheira, o Bebê e a Dona do Restaurante dá  sequência a uma premiada trajetória de pesquisa sobre linguagens cênicas não convencionais da Companhia do Gesto, que nos últimos anos produziu espetáculos infantis de grande sucesso de público e crítica como “Procura-se Hugo”, “Fábulas dançadas de Leonardo Da Vinci”, “Maria Eugênia” e “Claún! Palhaços Mudos”.




FICHA TÉCNICA
Roteiro: Ademir de Souza
Direção: Luis Igreja
Elenco: Cecília Ripoll,, Tania Gollnick e Ademir de Souza
Assistente de direção: Cecília Ripoll
Direção de movimento: Natasha Mesquita
Pesquisa e execução da sonoplastia: Ademir de Souza
Preparação Musical e Vocal: Isadora Medella
Músicas originais: Isadora Medella e Paula Leite
Concepção de Trilha sonora: Isadora Medella
Iluminação: Luis Igreja
Figurinos: Mauro Leite
Cenografia: Doris Rollemberg
Bonecos e objetos de cena: Ademir de Souza
Pesquisa, criação e confecção de máscaras: Tania Gollnick
Fotos e audiovisual: Bruno Focchi
Programação visual e ilustrações: Miguel Carvalho
Direção de Produção: Ana Carina
Produção e Realização: Companhia do Gesto


SERVIÇO: “A COZINHEIRA, O BEBÊ E A DONA DO RESTAURANTE” – INFANTIL
Local: Teatro Dulcina
Endereço: Rua Alcino Guanabara, 17 - Cinelândia
Telefone(21) 2240-4879
DataAté o dia  2 de junho de 2013
Horários: sábados e domingos, às 16h
Ingressos: R$ 10,00 / R$ 5,00 (meia).
Duração: 60 minutos
Classificação etária: livre
Capacidade: 429


Texto: Divulgação - Assessoria de Imprensa
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…