Pular para o conteúdo principal

A VIDA DE UM B-BOY FAZ TEMPORADA NO IMPERATOR – CENTRO CULTURAL JOÃO NOGUEIRA


Seguindo seu próprio mantra, “suba o morro, desça a ladeira, circule: a cidade é nossa”, a Cia de Teatro Abraços da Paz, do Morro dos Cabritos, em Copacabana pede passagem e invade o Méier com seu primeiro espetáculo, “A vida de um B-Boy”.  O musical faz temporada de duas semanas no Imperator- Centro Cultural João Nogueira, com estreia dia 24 de maio, sexta-feira, às 21h e apresentações também nos dias 25, 26 e 31 de maio e 1 e 2 de junho, com ingressos a R$25. O texto é de autoria de Jonas França, que também assina a direção, junto com Alex Borges, enquanto a supervisão artística fica a cargo de Matheus Nachtergaele.

A vida de um B-Boy tem um elenco jovem, formado por Adriel Araújo, Alan Fernandes, Breno Rogelio, Camila Perez, Juliana Moraes, Luh Costa, Nilson Bruno, Orlando Manuel, Raphael Russo, Yasmin Velozo, Yuri Sodré e Paolo Sampaio.  Apesar de ter como base o Lajão Cultral Esportivo, na Ladeira dos Tabajaras, o grupo mescla artistas de diferentes partes Estado do Rio, como Caxias, Mesquita, Méier, Rocinha, Copacabana e Glória.

Na história, um grupo de jovens, dançarinos de break, busca a realização profissional, enquanto tenta resolver questões pessoais. Quando um amigo precisa de ajuda, a turma repensa suas atitudes. Como mosqueteiros, eles usam a arte e união para encontrar a solução para os seus problemas.  A trama se desenvolve entre passos debreak, com coreografia assinada por Nilson Bruno e Raphael Russo.  Destaque para os jovens Orlando Manuel e Luh Costa, dançarinos profissionais, que já participaram de campeonatos do gênero e apresentações fora do Brasil.

O texto foi inspirado na própria história dos jovens. “Acabei escrevendo sobre a relação da amizade deles e o envolvimento com a dança e a mistura ficou boa.” -  afirma Jonas. Dois anos depois de muitos ensaios e várias apresentações no Lajão, o grupo se prepara para tomar o asfalto. E vem para ficar.

Sobre a Companhia de Teatro Abraço da Paz
O confronto entre bandidos e a polícia no Morro dos Cabritos, em Copacabana em 2009, provocou uma revolta em forma de arte nos moradores da região. Um grupo de atores, atrizes, dançarinos, diretores e produtores organizaram o primeiro levante pré-UPP e o primeiro Abraço da Paz, no Morro dos Cabritos, em Copacabana, promovendo um mutirão que transformou o Lajão, uma construção precária em em um espaço para a expressão artística e cultural, agora conhecido por Lajão Cultural Esportivo.  O sucesso experimentado no Morro dos Cabritos foi exportado para outras comunidades cariocas através dos B-boys e o break dance.  

Em julho de 2011, Jonas França e Alex Borges, assumiram o desafio de construir uma dramaturgia para o grupo e criaram a Cia de Teatro Abraço da Paz.  Foram dois anos de pesquisas, ensaios, exercícios de posturas e impostação de voz com o objetivo de transformar jovens dançarinos talentosos em um grupo de teatro. 

Os diretores  Jonas França e Alex Borges são dois artistas cariocas representantes de uma nova geração de artistas de teatro.  Os dois se conheceram nas Oficinas de Criação de Espetáculos do grupo Palco Social e, após dois musicais de sucesso – “Diferente Igual a Gente” e “Dá um jeitinho aí?”-, partiram para novos aprendizados. Em seguida, trabalharam na CUFA - Cidade de Deus, onde atuaram juntos em mais um espetáculo: “Numa Esquina Qualquer”.
JonasFrança seguiu para o grupo Nós do Morro e tem no currículo algumas participações em séries e novelas da TV Globo, como a última versão de Gabriela e, mais recentemente,  o remake de “Guerra dos Sexos”.  Já Alex Borges seguiu na linha academia e  tornou-se coordenador do Curso Livre de Teatroda Cia. Tumulto (CUFA).
Ficha Técnica
Texto: Jonas França
Direção: Jonas França e Alex Borges 
Supervisão artística: Matheus Nachtergaele 
Assistente de Direção: Juliana Moraes 
Coreografias: Nilson Bruno e Raphael Russo
Figurino: Cao Albuquerque 
Iluminação: Orlando Schaider 
Cenografia: Juliano Werneck 
Maquiagem: Daniel Cunha
Grafites: Leandro Tick
Assistente de figurinos: Luana Pessanha
Operador de som: Alex Azevedo
Trilha Sonora: Jonas França e Nilson Bruno
Assistente de produção: Breno Meneghel
Produção: Cabbet Araújo e Juliano Werneck

Elenco:
Adriel Araújo, Alan Fernandes, Breno Rogelio, Camila Perez, Juliana Moraes, Luh Costa, Nilson Bruno, Orlando Manuel, Raphael Russo, Yasmin Velozo, Yuri Sodré, Paolo Sampaio.

Sinopse
Um grupo de jovens, dançarinos de break, busca a realização profissional, enquanto tenta resolver questões pessoais. Quando um amigo precisa de ajuda a turma repensa suas atitudes. Unidos, eles usam a arte e união para solucionar os seus problemas.

Serviço: A vida de um B-Boy

Temporada- 24 de maio a 02 de junho
Sextas e sábados - 21h/ Domingos - 19h30min
Local - Imperator – Centro Cultural João Nogueira: Rua Dias da Cruz, 170, Méier
Plateia Sentada R$ 25 (inteira) e R$ 12,50 (meia)
Capacidade: 642 pessoas
Classificação: 10 anos

Informações: 2596-1090/2597-3897 (das 9h às 12h/13h às 18h)

Texto: Divulgação - Assessoria de Imprensa
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…