Pular para o conteúdo principal

Programação Rio Scenarium – 17 a 21 de setembro

Dia 17, terça- feira: projeto Terça de Bamba

19h30 - Noca da Portela
André Lara (banjo e voz), Diogo Pereira (cavaco e voz), Hudson 7 Cordas (violão de 7 cordas e voz), Nei T. Lopes (repique de mão, de anel, caixa e voz), Raoni Ventapane (tantã, conga e voz).

Rio Scenarium apresenta o projeto Terças de Bamba, às terças-feiras, às 19h30, com grandes nomes do samba nacional. Dessa vez, quem faz as honras do projeto é o compositor Noca da Portela, que tem grande relevância no mundo do samba e representa uma geração de sambistas da mais alta qualidade. Apaixonado por Madureira e pela águia azul e branca, Noca já ganhou seis sambas-enredos na escola do coração. Dentre eles Recordar É Viver, de 1985; Gosto que me Enrosco, de 1995 e Os Olhos da Noite, de 1998. O portelense já teve suas composições gravadas por nomes como Zeca Pagodinho, Alciona, Beth Carvalho, Elizeth Cardoso, Martinho da Vila, Paulinho da Viola e diversos outros grandes interpretes de samba.

23h - Bêbado Samba
Com sambas e choros tradicionais no repertório, eles cantam Zeca Pagodinho, Martinho da VIla, Paulinho da Viola, Ataulfo Alves e Chico Buarque com arranjos inovadores. O conjunto passeia ainda pelo forró com os "arrastapés" do mestre Luiz Gonzaga e da popular e animada Elba Ramalho.

Dia 18, quarta- feira

19h30 - Áurea Martins e Daniela Spielmann
Áurea Martins (voz), Daniela Spielmann (sax), Lucas Porto (violão e direção musical), Pedro Aune (baixo), Cassius Theperson (bateria) e Luis Barcelos (bandolim).

A cantora que é uma verdadeira diva da noite carioca apresenta as músicas do CD “De pontacabeça” com composições de Hermínio Bello em parcerias com os autores Moacyr Luz, Sueli Costa, Vidal Assis, Fernando Temporão, Paulo Valdez, Claudio Jorge e D. Ivone Lara. E do CD “Até Sangrar” com músicas de Johnny Alf, Chico Buarque, Francis Hime, Tom Jobim e Vinícius de Moraes, Lupicínio Rodrigues. Convidando a expressiva saxofonista Dani Spielmann, elas fazer um verdadeiro baile toda quarta-feira de setembro.

23h - Fhernanda Fernandes
Felipe Poli – violão e guitarra / Person Tupinambá – contrabaixo elétrico / Paulinho Criança – bateria.
No show, Fhernanda Fernandes apresenta um repertório de sambas clássicos, de compositores consagrados como Paulinho da Viola, Arlindo Cruz, Chico Buarque, João Bosco, Djavan, Noel Rosa, João Nogueira, dentre outros.

Dia 19, quinta- feira

19h30 - Liz Rosa & Quarteto Coda
Liz Rosa (voz), Antônio Guerra (piano), Jean Charnaux (violão), Pablo Arruda (baixo) e Felipe Moura (bateria)

A cantora potiguar recentemente se apresentou com João Bosco, João Donato, Orquestra Sinfônica do RN e no Som Brasil (especial Rainhas do Rádio). Sempre acompanhada de músicos de primeira linha, seu CD Liz Rosa (Som Livre, 2012) contou com as notas e acordes de Ricardo Silveira, Gilson Peranzzetta, Marcelo Martins, Jessé Sadock, Jorge Helder, Mestre Marçal e Jurim Moreira. O cantora teve a rara cotação “ótimo” (O Globo) e arrancou elogios de Tarik de Souza, da Billboard e de Joaquim Ferreira dos Santos (O Globo). Liz volta da temporada de lançamento de seu disco já com olhos em seu próximo trabalho, em que vai pesquisar ritmos nordestinos e dar-lhes um tratamento inovador de flert com o jazz mundial. Dessa vez, ela sobe ao palco ao lado de talentosos músicos que se destacaram na cena atual ao lado de expoentes como Emílio Santiago, Guinga, Mart’nália e Léo Gandelman. No repertório, sambas contemporâneos de João Bosco, Djavan, Gilberto Gil, Chico Buarque e clássicos do samba jazz.

23h - Moysés Marques
Fundador das bandas Forró na Contramão e Casuarina, Moysés Marques é conhecido pelo seu trabalho de cantor e compositor de sambas, revelado no circuito noturno do bairro da Lapa. Parceiro de Edu Krieger, João Callado, Zé Paulo Becker e outros, Moysés também participou dos projetos Samba Social Clube volume 2 e 4 e tem dois discos gravados.

Dia 20, sexta- feira

19h30 - Liz Rosa & Quarteto Coda
Liz Rosa (voz), Antônio Guerra (piano), Jean Charnaux (violão), Pablo Arruda (baixo) e Felipe Moura (bateria)

A cantora potiguar recentemente se apresentou com João Bosco, João Donato, Orquestra Sinfônica do RN e no Som Brasil (especial Rainhas do Rádio). Sempre acompanhada de músicos de primeira linha, seu CD Liz Rosa (Som Livre, 2012) contou com as notas e acordes de Ricardo Silveira, Gilson Peranzzetta, Marcelo Martins, Jessé Sadock, Jorge Helder, Mestre Marçal e Jurim Moreira. O cantora teve a rara cotação “ótimo” (O Globo) e arrancou elogios de Tarik de Souza, da Billboard e de Joaquim Ferreira dos Santos (O Globo). Liz volta da temporada de lançamento de seu disco já com olhos em seu próximo trabalho, onde vai pesquisar ritmos nordestinos e dar-lhes um tratamento inovador de flert com o jazz mundial. Dessa vez, ela sobe ao palco ao lado de talentosos músicos que se destacaram na cena atual ao lado de expoentes como Emílio Santiago, Guinga, Mart’nália e Léo Gandelman. No repertório, sambas contemporâneos de João Bosco, Djavan, Gilberto Gil, Chico Buarque e clássicos do samba jazz.

23h - Luiza Dionísio 
Leandro Saramago– violão 7 cordas / Alessandro Cardoso– cavaquinho / Rodrigo de Jesus – percussão / Netinho Albuquerque - pandeiro.

Com seu timbre singular e interpretação marcante, a cantora mostra músicas de seu primeiro CD “Devoção”, canções de contorno afro como “Canto das Três Raças”, “Oxum Ololá” e “Preceito”, além de sambas de Wilson Moreira e Luiz Carlos da Vila, entre outros.

Salão Anexo 

20h30- No Olho da Rua 

23h30- DJ Marcello Sabre

2h30- Forró na Madrugada com Xique Xique 

Dia 21, sábado

19h30 - Liz Rosa & Quarteto Coda
Liz Rosa (voz), Antônio Guerra (piano), Jean Charnaux (violão), Pablo Arruda (baixo) e Felipe Moura (bateria)

A cantora potiguar recentemente se apresentou com João Bosco, João Donato, Orquestra Sinfônica do RN e no Som Brasil (especial Rainhas do Rádio). Sempre acompanhada de músicos de primeira linha, seu CD Liz Rosa (Som Livre, 2012) contou com as notas e acordes de Ricardo Silveira, Gilson Peranzzetta, Marcelo Martins, Jessé Sadock, Jorge Helder, Mestre Marçal e Jurim Moreira. O cantora teve a rara cotação “ótimo” (O Globo) e arrancou elogios de Tarik de Souza, da Billboard e de Joaquim Ferreira dos Santos (O Globo). Liz volta da temporada de lançamento de seu disco já com olhos em seu próximo trabalho, onde vai pesquisar ritmos nordestinos e dar-lhes um tratamento inovador de flert com o jazz mundial. Dessa vez, ela sobe ao palco ao lado de talentosos músicos que se destacaram na cena atual ao lado de expoentes como Emílio Santiago, Guinga, Mart’nália e Léo Gandelman. No repertório, sambas contemporâneos de João Bosco, Djavan, Gilberto Gil, Chico Buarque e clássicos do samba jazz.

23h - Toca na Surdina

Marquinho (voz e violão), Emerson Mateus (baixo e voz), Douglas Mar (teclado), José Carlos Trompete (trompete), Juliana Cristina (voz), Jeferson Victor (trompete), Ronaldo Silva (bateria).

O grupo traz uma mistura bem azeitada de samba e pop, com destaque para os sopros bem suingados.

Salão Anexo 

23h30- DJ Marcello Sabre

2h30- Forró na Madrugada com Xique Xique 

Serviço Rio Scenarium

Rua do Lavradio, 20, Centro Antigo. Telefone: (21) 3147-9000.

Horário de abertura da casa: terça a quinta, às 18h30; Sexta, às 19h; Sábado, às 20h.

Ingressos: R$ 25 (terça a quinta); R$ 35 (sexta); Sábados e vésperas de feriado (R$ 40).

Cartões de créditos e débitos: todos.

Site: www.rioscenarium.com.br. Aberto em 2001.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…