Pular para o conteúdo principal

Museu Vale recebe exposição inédita “Regina Chulam - Desenhos e Pinturas”

Montanha do meio (confluência), 2013
Acrílica sobre tela
180 x 160 cm
No dia 26 de outubro, o Museu Vale, em Vila Velha (ES), inaugura a exposição individual, “Regina Chulam – Desenhos e Pinturas”, produzida pela Artviva Produção Cultural. Sob a curadoria de Ronaldo Barbosa, a mostra apresenta 50 trabalhos inéditos e integra a programação que comemora os 15 anos do Museu Vale
A artista plástica capixaba Regina Chulam esteve radicada por 30 anos em Lisboa e, de volta ao Brasil, vive e produz sua arte em Aracê, interior do estado do Espírito Santo. Na mostra, a artista apresenta pinturas com tinta acrílica sobre tela, desenhos feitos com tinta da China sobre papel e aquarelas.
Entre pinturas, aquarelas e desenhos, a mostra conta com a publicação de um catálogo, com texto crítico de Adolfo Montejo Navas, que ressalta: “Há na pintura que se quer pintura uma revolução do olhar, das categorias preestabelecidas e simbólicas das cores, pois, como no caso de Regina Chulam, elas devem produzir uma cosmovisão; produzem então um mundo, que está atrelado a sua figuração mas também não está. A produção de significados da cor não compartilha o a priori cromático que o mundo de fora aparentemente apresenta. Talvez por isso, e em devida sintonia com a procura e construção de outro mundo, uma semântica cromática própria, a artista aponta o norte de sua linguagem: “O que procuro é o caminho da luz, a velocidade dela, as ondas que tornam as coisas visíveis”, declara a artista.
Regina Chulam nasceu em Vitória (ES) e mudou-se para Portugal na década de 1970, onde estudou na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Conta com uma longa trajetória artística e uma  carreira internacional.  A   obra  “Floriano Borchandt, 2008”, adquirida por Gilberto Chateaubriand, participou recentemente da mostra de novas aquisições do Museu de Arte Moderna (MAM), do Rio de Janeiro.
Hoje, aos 63 anos, cercada de ar puro e tranquilidade, a pintora vive em isolamento e em constante pesquisa de novas formas de expressão. A mostra inédita é fruto do seu trabalho criativo e determinado, que dá continuidade a um processo poético coerente, que preserva ao longo do tempo.
Além da mostra, o Museu também promove ações do Programa Educativo que serão realizadas no período da visitação da exposição, de 27 de outubro de 2013 a 16 de fevereiro de 2014 (confira abaixo serviço completo).
Principal ícone da arte contemporânea no Espírito Santo, o Museu Vale tem como objetivo preservar a história do universo ferroviário e promover exposições de arte contemporânea, realizando também oficinas de arte e workshops dirigidos aos alunos e professores da rede pública. Desde sua inauguração, em 15 de outubro de 1998, já recebeu quase 1,6 milhão de visitantes. O Museu é uma iniciativa da Fundação Vale, que por meio de parcerias com o poder público e a sociedade civil, busca contribuir para o desenvolvimento das comunidades onde a Vale atua.
Sobre o Museu Vale:
Às margens da baía de Vitória, em Vila Velha, no Espírito Santo, está o Museu Vale. Inaugurado em 15 outubro de 1998, o museu foi instalado na antiga sede da Estação Pedro Nolasco, um prédio de três andares construído em 1927. Entre suas metas estão proporcionar à população capixaba um espaço de excelência em arte contemporânea, incentivar os jovens a usar a criatividade na busca do conhecimento e preservar a memória da centenária Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM).
O museu abriga uma exposição permanente com 147 itens (93 peças e 54 imagens) sobre a ferrovia. Merecem destaque a Maquete Ferroviária, a maior do Brasil com 34 metros quadrados de área construída, e o Centro de Memória, um precioso arquivo histórico com documentos originais da época de implantação da Vitória a Minas. No entanto, a grande estrela do museu é a Maria-Fumaça, uma locomotiva adquirida pela Vale em 1945, restaurada em 1997 e, que está em perfeito estado de funcionamento.
O Museu Vale, que já recebeu cerca de 1,6 milhão de visitantes e abrigou 39 exposições de arte contemporânea nacional e internacional, realizadas simultaneamente na Sala de Exposições Temporárias, localizada no edifício-sede, e no Galpão de Exposições, um antigo armazém de cargas adaptado para exposições de grande porte.
Por meio do seu Programa Educativo, que já beneficiou mais de 48 mil crianças, adolescentes e jovens da Grande Vitória, o Museu Vale realiza workshops criados por arte-educadores convidados e ministrados por estagiários de nível universitário. Também como parte da iniciativa, jovens aprendizes recebem capacitação em ofícios relativos à montagem das exposições.
Sobre a Fundação Vale:
A Fundação Vale busca contribuir para o desenvolvimento local e para a melhoria da qualidade de vida das comunidades beneficiadas por suas ações e programas. Sua atuação resulta em uma aplicação mais eficaz e qualificada dos investimentos sociais da Vale nos territórios. 
A missão da Fundação Vale é contribuir para o desenvolvimento integrado — econômico, ambiental e social — dos territórios onde a Vale atua, articulando e potencializando os investimentos sociais,fortalecendo o capital humano nas comunidades e respeitando as identidades culturais locais. Sua atuação é norteada por seis valores: ética, transparência, comprometimento, corresponsabilidade, accountability (capacidade de prestar contas e de assumir a responsabilidade sobre seus atos e uso de recursos) e respeito à diversidade.
Serviço
Exposição “Regina Chulam - Desenhos e Pinturas” no Museu ValeArtista: 
Regina Chulam
Curadoria: Ronaldo Barbosa
Produção: Artviva Produção Cultural
Período de visitação: 27 de outubro de 2013 a 16 de fevereiro de 2014
Horário: de 3ª a 6ª feira, das 8h às 17h. Sábado e domingos: de 10h às 18h
Local: Museu Vale (Antiga Estação Pedro Nolasco s/n, Argolas | Vila Velha | Espírito Santo)
Informações: (27) 3333-2484


Texto: Assessoria de Imprensa
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…