Pular para o conteúdo principal

Marcas e Tramas

Centro de Visitante do Jardim Botânico do RJ apresenta a exposição Marcas e Tramas, das artistas plásticas Grasi Fernasky e Marciah Tauggi Rommes. A abertura da mostra acontece dia 14 de novembro, às 19h e a visitação ocorre de 15 de novembro a 01 de dezembro de 2013.

     A exposição explora os conceitos de espaço e tempo, e os processos de transformação da relação do homem com o meio frente aos desafios da atualidade. Cada artista ocupara uma sala no Centro de Visitante do JBRJ, o que torna a exposição um Duo Individual, onde a sala intitulada TRAMAS será ocupada pela instalação de Grasi Fernasky e a sala MARCAS será ocupada com as obras de Marciah Tauggi Rommes.


     Na sala TRAMAS, a artista Grasi Fernasky identifica as diversas relações estabelecidas pelo homem como tramas, por onde o sujeito transita e perpassa formando redes. As tramas da juta recriam essa organização tensional entre o homem e o meio. Segundo a artista, "Tecemos diariamente redes de informações, às quais envolvemos e pelas quais somos envolvidos".

    Sua relação com a pintura é de natureza processual e a obra se completará com a participação do público, podendo criar um diálogo com a arquitetura, transformando o espaço em uma grande pintura ambiente. Assim, o espectador poderá manusear e interagir com as cores, e as formas, desfazendo e refazendo a obra.

     Na sala MARCAS, a artista plástica Marciah Tauggi Rommes constrói uma narrativa a partir de um olhar para o cotidiano das cidades, e a impregnação do urbano no homem e do homem no urbano.

     O espectador terá a oportunidade de transitar por paredes erguidas pela artista, que representam proteção, defesa e separação. O tijolo, matéria e unidade na construção do urbano, materializa a relação do homem e o meio, além de carregar em si as marcas dessa relação.

     Questões como a massificação anônima, a unificação do espaço/globalização e sociedade midiática moldada pelos pixels (unidade de construção da imagem), fazem parte da reflexão da artista sobre os desafios da atualidade na relação do homem e o meio apresentada nos trabalhos de fotografia e arte digital criadas para exposição Marcas e Tramas.

As artistas Grasi Fernasky e Marcia Tauggi Rommes após 7 coletivas encerram 2013 com uma exposição dupla no Jardim Botânico do RJ e individuais na galeria OkO Arte Contemporânea, no projeto "Artista ao Vivo"  nos meses de novembro e dezembro. 

Sobre as artistas:

Grasi  Fernasky vive e trabalha no Rio de Janeiro.  Graduou-se em Pedagogia e Artes Plásticas na Escola de Belas Artes da UFRJ.

A artista desenvolve um gênero próprio de trabalho que transita entre a pintura, a colagem, a escultura e a instalação, apropriando-se de fitas e tecidos, gerando novas tramas, volumes, planos, estampas e pinturas.

As fitas e/ou tecidos estão presentes em boa parte das obras de Grasi Fernasky. Há um envolvimento do material com o suporte, gerando movimentos através de sua ação ao passar fitas e tecidos no seu interior. Além disso, os objetos de consumo e populares saem do contexto utilitário e ganham novas possibilidades.
A temporalidade espacial está no gesto da artista e também no olhar do espectador. Seus trabalhos são considerados uma espécie de Pop brasileiro, pois os materiais do cotidiano percorrem novos caminhos e transbordam para o lugar da arte.

Marciah Tauggi Rommes nascida no Rio de Janeiro, formada em psicologia pela UERJ e pós-graduada em Teoria Psicanalítica, iniciou sua formação artística através da pintura sobre tela e escultura em cerâmica. Ao longo do sua trajetória agregou aos seus estudos cursos em Historia da Arte, fotografia e desenho livre e desenvolve trabalhos em gravura em metal, fotogravura e em arte digital.

As linguagens que a artista utiliza como a fotografia, a colagem, a gravura, e a arte digital são  suportes que dialogam em camadas em suas criações. A atenção na escuta da pratica clinica auxiliou no aprimoramento na observação de imagens, onde o homem é figura central, mesmo quando não esta nelas.

O que move e percorre suas obras é o olhar sobre o sujeito, e os códigos que são gerados no intervalo que se dá no espaço/tempo entre o observador, o observado e suas ações. O olhar captura a rede de relações no intervalo entre a intenção e a ação dos mundos sensíveis dos sujeitos envolvidos. O processo de apreensão deste intervalo se faz na sobreposição das linguagens, e com a proposta de descolar a imagem da condição de fragmento de memória e ampliar seus limites para uma ou varias historias, criando seu universo plástico.

Serviço:
Exposição: “Marcas e Tramas”, das artistas Grasi Fernasky e Marciah Tauggi Rommes.
Abertura: 14 de novembro de 2013, às 19h.
Visitação: de 15 de novembro a 01 de dezembro
Horário de visitação: de segunda a segunda, das 08h às 17h00.
Local: Centro de Visitante do Jardim Botânico do RJ
Endereço: Rua Jardim Botânico, 1008 - Jardim Botânico, Rio de Janeiro.
Telefones: (213874-1808 ou 2294-6619
Entrada franca
Classificação etária: livre
Estacionamento no local

Texto: Assessoria de Imprensa




Cursos Online na Área de Informática
Cursos Online 24 Horas




Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 
EncurtaNET
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…
EncurtaNET