Pular para o conteúdo principal

Anton Steenbock e Gabriela Gusmão expõem no Largo das Artes

Andar sem destino definido, a vagar, e assim se pôr a devaneios. A partir de divagações sobre a expressão “sujeito à toa”, os artistas Anton Steenbock e Gabriela Gusmão se reuniram para expor “ZURRIBURI, sujeito à toa”, com curadoria de Marta Mestre, a partir do dia 05 de dezembro, no Largo das Artes, no Centro, atelier de ambos. O termo “zurriburi”, cunhado de um conto de Jorge Luis Borges, é a tradução livre da dupla para a pessoa que está sujeita a andar à toa, em estado de devaneio em meio à multidão ou em paisagens idílicas, podendo, assim, esbarrar numa boa idéia ou melodia. Dentro deste território poético, o alemão morador do Rio e a carioca residente em Friburgo se serviram de diferentes suportes, inclusive de elementos naturais, para produzir as obras e instalações que compõem a exposição, curada por Marta Mestre, portuguesa radicada no Rio de Janeiro que completa a tríade multicultural da mostra.

A curiosíssima instalação “Doze doses para Arnold” (2013), de Anton Steenbock, propõe ao espectador uma inventividade musical inspirada no sagrado e no profano. A partir de um engenhoso sistema que liga, através de fios, doze garrafas de cachaça a dois para-brisas fincados em um púlpito em cima de um tapete vermelho – lembrando uma missa - , busca-se a composição de um som atonal de doze notas geradas do toque de cada garrafa com seu respectivo copo, cada qual com diferentes doses de cachaça. As garrafas se movem com o movimento natural dos para-brisas. O título da instalação é uma referência a Arnold Schoenberg, compositor e inventor do Dodecafonismo. A atonalidade também é tema de outra instalação, “Música atonal” (2013), na qual uma vela de 30 dias está acesa dentro de uma bandeja de alumínio com gasolina derramada. Já em “Beethoven em 7 dias” (2013), encontramos um desenho a partir de outra engenharia criada pelo artista para compor música através de pesos ligados a uma vela de 7 dias sobre um teclado de notas musicais.

Criada em colaboração com o músico Alexandre Brasil, a peça sonora “Silêncio de um sujeito à toa”, composição para voz, baixo acústico, vassoura, água e assovio, é o ponto de partida de Gabriela Gusmão para a criação in situ de “Monoclorofilótipo para o silêncio de um sujeito à toa”, na qual se serve de prensa de gravura para formar uma partitura correspondente à melodia, porém extraindo o pigmento natural de elementos vegetais como cipós e folhas, técnica desenvolvida pela artista em sua residência em Veneza, em 2012 A música também é tema de sua terceira obra, a pequena escultura “Composição: Lá”, onde um esqueleto de cigarra jaz sobre um diapasão, cuja afinação emite a nota musical “lá”, a mesma do canto da cigarra.

“É muito feliz que este encontro entre uma brasileira que vive com o mundo e um alemão que se achou aqui tivesse sido, para mim portuguesa no fluxo, uma tarefa de tradução sujeita à toa.”, afirma Marta Mestre. “Aquilo que os une não são as idéias comuns, nem os temas ou pesquisas que se dedicam, mas o fato de cada um encontrar no outro num devir único que não é comum aos dois, mas os afeta e os perturba, e que se dá sob a forma de um encontro”, complementa.

O Largo das Artes é um espaço de arte contemporânea no Centro do Rio de Janeiro com ateliês, um programa internacional de residências, uma galeria que acolhe exposições propostas por curadores convidados e uma agenda de eventos com wokshops, projeções e grupos de estudo.


Anton Steenbock

Nascido em Frankfurt, Alemanha, em 1984, Anton Steenbock vive e trabalha no Rio de Janeiro, onde fez o Curso de Aprofundamento no Parque Lage (EAV). Com mestrado em Belas Artes em 2011/2012 em Berlin (UDK), foi aluno de Lothar Baumgarten. Em 2013, realizou individual na Galeria Pilar, em São Paulo, e participou de importantes coletivas, como "Play", (Museu do Bispo de Rosário de Arte Contemporânea, Rio de Janeiro), "Becoming", de Ai Weiwei e "Unaccustomed", de Mark Fox (Galeria Pilar, São Paulo), "Wüste ,Heimat, Herberge", (Kunstverein, Aschersleben), "Sete" (Casamata, Rio de Janeiro), "Deus não Surfa", curadoria de Marta Mestre e Santiago G. Navarro ( AP601 , Rio de Janeiro) e "Spätwerke der Feierabendkultur" (MBKL Museo de arte contemporanea, Leipzig).


Gabriela Gusmão

Gabriela Gusmão é artista visual, com intervenções voltadas para fotografia e filmagem em suporte digital e analógico. Mestre em estruturas ambientais urbanas pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAUUSP, atualmente desenvolve MFA no Transart Institute. Participa de exposições coletivas e individuais desde 2002, em diversas cidades do Brasil, além de Portugal, Espanha, França e Holanda. Participou de residências artísticas e apresentou seu trabalho em palestras e congressos na Eslovênia, Itália, França, Espanha, Chipre e Turquia. Realizou diversas intervenções urbanas em espaços públicos e idealizou o projeto Urbanário. É autora dos livros Rua dos Inventos e Virgula no Infinito.

SERVIÇO:

Exposição “Zurriburi, sujeito à toa”, no Largo das Artes
Data de abertura: 05 de dezembro, às 19h
Endereço: Rua Luís de Camões, 2, Largo de São Francisco, Centro, Rio de Janeiro
Período Expositivo: 06 de Dezembro a 25 de Janeiro
Horário de funcionamento Ter-Sex., 12h-18h; Sáb., 12h-17h
Telefone (21) 3128 6374
Entrada gratuita

Texto: Assessoria de Imprensa

Cursos Online na Área de Informática
Cursos Online 24 Horas




Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…