Pular para o conteúdo principal

Exposição – Yutaka Toyota - Sim, pode tocar! Visitantes poderão tocar esculturas do artista

Diferente de uma exposição tradicional, que mantém os visitantes a certa distância das obras de arte, a mostra “Sim, pode tocar” convida a entrar em contato com as criações não apenas pela visão, mas também pelo tato e pela audição. As 24 esculturas de Yutaka Toyota ficarão expostas de 16 de fevereiro a 11 de abril no Centro Cultural Correios, de São Paulo. No dia 15 de fevereiro, às 11 horas, acontecerá a abertura para convidados.
O público poderá ouvir a descrição das esculturas feita por um catálogo sonoro gravado em CD. As obras emitirão sons pela aproximação do espectador que, nesse ato, ativará sensores instalados em suas bases. Além disso, o catálogo reproduz 10 obras em baixo relevo, para serem tocadas. O trabalho, desenvolvido principalmente para deficientes visuais, também desperta - através de texturas, formas e sons - os sentidos de quem possui visão normal.

Segundo a curadora Cláudia Lopes, “as obras de Toyota são o que são, e são o que somos. Tal qual espelhos, nos incorpora e são por nós incorporados. Um reflete o outro”.

O artista
Yutaka Toyota nasceu em 1931 em Tendo, pequena cidade montanhosa localizada no estado de Yamagata, no norte do Japão. Assim como os seis irmãos, foi criado segundo os preceitos budistas. Chegou ao Brasil em 1958 e montou, no bairro da Liberdade, uma pequena fábrica de artesanato e de móveis de charão, ou seja, móveis revestidos com um verniz negro ou vermelho que tem como base a laca. Paralelamente, montou um pequeno ateliê de pintura no qual utilizava tanto o óleo como a laca na realização de sua obra.
Em 1961, foi convidado a expor em Buenos Aires, na Argentina, na Galeria Velazquez. De volta a São Paulo, Toyota se instalou no bairro de Pinheiros onde intensificou sua atividade artística, participando de numerosas exposições coletivas, entre elas, em 1963, o Salão Paulista de Arte Moderna no qual conquista a Medalha de Ouro, o Salão do Trabalho, na Galeria de Artes das Folhas, no qual obtém o primeiro prêmio, e a Bienal Internacional de São Paulo.
Em 1964, realizou duas individuais: no Museu de Arte Moderna do Rio Grande do Sul e na Galeria São Luiz, em São Paulo. No ano seguinte, expõe individualmente na Galeria Goeldi, no Rio de Janeiro. Em 1965, volta a expor na Bienal Internacional de São Paulo e participa do Salão Esso de Artistas Latino-americanos, na União Panamericana, em Washington, nos Estados Unidos, no qual é destacado com o segundo prêmio de pintura.
Resolve então mudar-se para a Itália, onde viveria por três anos.
Ainda em 1965, ele fez sua primeira individual na Itália, na Galeria de Arte da Casa do
Brasil. Seguem-se individuais, em 1966, na Galeria d’Arte II Quartiere delle Botteghe, em Milão, e, em 1967, na Galeria 2B, em Bérgamo e na Galeria Sicron, em Bréscia. Em 1968, realizou quatro individuais na Itália: duas em Milão, uma em Lago Maggiore e outra em Lecco.
Participa da X Bienal Internacional de São Paulo, na qual é destacado com o Prêmio
Itamarati. Nos anos 70, Toyota desenvolveu intensa atividade artística, com exposições individuais no Brasil, Colômbia, Estados Unidos e Japão, e numerosas coletivas no Brasil, Colômbia, Bélgica, Japão e Canadá.
A partir da década de 1970, Toyota dedica-se à realização de esculturas monumentais para espaços públicos, no Brasil e no exterior. No Brasil cria e instala esculturas na Praça da Sé, no Hotel Maksoud Plaza, no Campus da Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP, no Aeroporto de Brasília, no Hotel Mofarrej, em São Paulo, no Jardim da Luz, contíguo à Pinacoteca do Estado de São Paulo, no Conselho Brasileiro Britânico, São Paulo. Em 1991 a APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte conferiu a Yutaka Toyota o prêmio de Melhor Escultor Nacional.
A exposição “Yutaka Toyota – Sim, pode tocar” permanecerá aberta ao público no Centro Cultural Correios São Paulo até 10 de abril, das 11h às 17h
Agente de cultura — Os Correios atuam no fomento à cultura brasileira, por meio da disponibilização de seus centros e espaços culturais para diversos tipos de manifestações artísticas. A empresa mantém unidades em São Paulo/SP, Recife/PE,
Salvador/BA, Fortaleza/CE, Juiz de Fora/MG e Rio de Janeiro/RJ, além do Museu
Nacional dos Correios em Brasília.
No biênio 2014/2015, os Correios estão destinando R$ 15,5 milhões para a ocupação de suas unidades culturais e mais R$ 35 milhões para projetos culturais realizados em todo Brasil. Desde 2004, os projetos são escolhidos por meio de seleção pública, garantindo transparência à destinação dos recursos e possibilitando o acesso democrático aos patrocínios da empresa. Com essa iniciativa, os Correios fortalecem e divulgam a cultura brasileira, cumprindo seu papel de empresa pública e agente do governo federal.

Serviço:
Exposição – Yutaka Toyota – Sim, pode Tocar
Curadoria: Cláudia Lopes
Local: Centro Cultural dos Correios SP
Endereço: Av. São João – S/ N º - Vale Anhangabaú SP
Telefones: 11 3227 9461
Abertura: 16/02/2014
Visitação: até 10 /04/2014
Horário: terça a domingo das 11h às 17h .
Entrada Franca

Texto: Assessoria de Imprensa


Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 

Visite a minha lojinha virtual
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…