Pular para o conteúdo principal

Leila Danziger - Mares poderão subir por mais mil anos



A primeira SEXTA LIVRE de 2014 inaugurou na Galeria do Ateliê a exposição Mares poderão subir por mais mil anos, da artista visual Leila Danziger. A mostra lida com o tempo e as águas, história e memória, informação e esquecimento e é composta de três séries de trabalhos expostos: Mares poderão subir por mais mil anos, Cruel Sea, Resistir-por-ninguém-e-por-nada, Náufrago e, Stela e o mar.

A exposição reúne 15 trabalhos realizados em diferentes meios e linguagens: intervenções sobre fotografias e jornais (dimensões variáveis: de 100 x 75 cm; 54 x 32 cm; 40 x 30 cm), um livro de artista (21 x 17 cm) e uma instalação sonora. O Ateliê da Imagem Espaço Cultural fica na avenida Pasteur, 453. Urca (Tel 21 2541 3314) Entrada franca.

Mais do que sugerir uma reconfiguração ameaçadora entre a terra e os mares, a frase-título provoca vertigem ao associar um espaço ainda indomável – os mares – a uma escala de tempo para além da vida humana; resiste assim à temporalidade instantânea dos jornais, e é a tentativa de propor a experiência de um tempo lento e resistente o que orienta as três séries de trabalhos expostos:

Mares poderão subir por mais mil anos, realizada a partir de fotografias de páginas de jornais em que a imagem é adensada pela presença de materiais, tais como areia, entre outros;

Cruel Sea, feita a partir de capas de pocket books sobre mares, guerras e naufrágios;

Resistir-por-ninguém-e-por-nada, carimbo sobre jornais em que restam apenas cenas de inundações;

Náufrago, imagem realizada a partir do registro de um homem recolhido por um navio às vésperas da segunda grande guerra;

Stela e o mar, onde o visitante é convidado a sentar-se junto à janela do espaço expositivo e ouvir a breve narrativa de um desaparecimento.

LEILA DANZIGER é artista visual e professora do Instituto de Artes da Uerj. Desde 2011, é pesquisadora do CNPq, desenvolvendo projetos de criação em artes visuais em que sua dupla formação como artista e historiadora da arte se faz presente em produções artísticas orientadas pelas negociações entre arte, história, memória e literatura. Graduou-se em Artes pelo Institut d’Arts Visuels d’Orléans, França; concluiu doutorado em história da arte pela Puc-Rio; e pós-doutorado em artes na Bezalel Academy of Arts and Design Jerusalem, Israel.

Participa de mostras individuais e coletivas desde o início dos anos 1990, entre as quais destacam-se: Felicidade-em-abismo (individual), Capela da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Rio de Janeiro (2012), What vanishes, what resists (individual), BAAD Gallery/ Bezalel Academy of Arts and Design, Tel Aviv, Israel (2011); Tempo-matéria, Museu de Arte Contemporânea de Niterói (2010); Bilder des Erinnerns und Verschwindens. IFA-Galerie, Berlim, Alemanha (2003); Wegziehen, Frauenmuseum, Bonn, Alemanha (2001); Investigações: rumos visuais 1, Itaú Cultural, São Paulo (2000). Publicou três livros: Diários públicos: sobre memória e mídia (Contracapa, 2013), Todos os nomes da melancolia, (Apicuri, 2012), e Três ensaios de fala (poesia, 7 Letras, 2012).

SERVIÇO

SEXTA LIVRE apresenta Mares poderão subir por mais mil anos com obras da artista visual Leila Danziger

Exposição de 15 trabalhos realizados em diferentes meios e linguagens

Entrada franca

Livre

Visitação: Seg a sex de 10h às 21h | Sab de 10h às 17h - Entrada franca

Até 8 de março de 2014

Ateliê da Imagem Espaço Cultural

Av. Pasteur, 453, Urca (2541-3314)

www.ateliedaimagem.com.br

Texto: Assessoria de Imprensa

Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 

Visite minha lojinha!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…