Pular para o conteúdo principal

Livro: A cidade por Bandeira (Editora Batel)


A cidade por Bandeira (Editora Batel) chega às livrarias no dia 27 de fevereiro reunindo trechos selecionados da obra de um dos maiores poetas da língua portuguesa - Manuel Bandeira - com imagens do jovem fotógrafo Benoit Fournier. 

Nele, com a sensível curadoria de Elza Kawakami e Gueko Hiller, a figura humana e o local onde habita - um passeio solto por um Rio exuberante sem ser o do cartão postal - dão o tom.

O conteúdo das 188 paginas, encontrou no projeto gráfico contemporâneo e sofisticado de Gueko Hiller, o amálgama perfeito das experiências sensoriais, provocadas pela complexidade de uma cidade, vista por duas pessoas de fora que escolheram o Rio para morar.


Íntegra do lançamento:


A CIDADE POR BANDEIRAManuel Bandeira e Benoit Fournier

A cidade por Bandeira é uma obra que se baseia em encontros. Construído para ser um encontro, sem a pretensão de ser um acontecimento. Apenas um encontro solto, de narrativas de quem passeia pelas ruas do Rio meio sem foco, ao acaso. A poesia de Manuel Bandeira vem para promover o dialogo infinito com a reflexão, para ultrapassar o tempo e os limites das imagens, das páginas, num encanto transbordante.

Nesse caso temos um feliz encontro: de um dos maiores poetas da língua portuguesa – Manuel Bandeira -  com um competentíssimo e jovem fotógrafo que escolheu o Brasil – Benoit Fournier - , que acharam no design arrojado e sofisticado de Gueko Hiller o amálgama perfeito dessas experiências verdadeiramente sensoriais.  

O livro pretende apresentar do cotidiano ordinário algo extraordinário, na visão de pessoas de outros lugares que escolheram o Rio para viver. Um fotógrafo que vagueia olhando a natureza na cidade, nas pessoas, e um designer contemporâneo que dialoga com os acasos e procura dar sentido às imagens.  Mas é  a poesia de Manuel Bandeira que acalma o vaguear.

Texto:
Manuel Bandeira dispensa apresentações.  Nascido em Recife, em 19 de abril de 1886,  faleceu em 13 de outubro de 1968, no Rio de Janeiro. Durante a sua vida, esteve em muitos lugares e sempre voltou para o Rio. A primeira vez foi em 1890, aos quatro anos de idade, quando veio com a família. Ficaram apenas dois anos e depois voltaram para o Recife. Quatro anos mais tarde voltaram para o Rio e se fixaram em Laranjeiras. Estudou no Colégio Pedro II e teve seus poemas publicados pela primeira vez na primeira página do Correio da Manhã, em 1902. Nesse mesmo ano partiu para São Paulo para cursar a Escola Politécnica, para se tornar arquiteto, como seu pai. Mas ao final do ano de 1904 ficou doente do pulmão. Voltou para o Rio e seguiu para cidades serranas adequadas para tratamento, indo depois para a Europa, para a cidade de Clavadel, com a finalidade de tratar-se. A Primeira Guerra Mundial o trouxe de volta para o Rio. Em 1917 lançou seu primeiro livro, As cinzas das horas. O segundo, Carnaval, saiu em 1919. Daí em diante, foram muitos os títulos na poesia e na prosa. Além de organizar antologias, fez algumas viagens pelo Brasil e Europa, mas foi para o Rio que sempre voltou.  É um dos maiores poetas do Brasil.

Fotografia:
Benoit Fournier nasceu em 1981 em Carpentras, na França. É mestre em administração internacional com especialização em América Latina (IAE de Bayonne – França/PUC-Curitiba).  A fim de concluir sua formação, morou no México e na Espanha, e em 2006 chegou ao Rio de Janeiro, onde resolveu fixar endereço. Começou a fotografar aos 20 anos de idade, incentivado por seu pai jornalista, de quem ganhou a primeira câmera. Trabalha como fotógrafo nas áreas documental e comercial. Fez exposições individuais como no Foto Rio em 2009, coletivas no Festival de Tiradentes em 2013  e mostras no Ateliê da Imagem. Também em 2013 ganhou o concurso Prix Photo Web, promovido pela Aliança Francesa. Hoje dedica-se à realização de trabalhos autorais, tendo a água como guia: água do mar, água de rio, água de cores, temperaturas e texturas diferentes. 

Edição e projeto:
Gueko Hiller, no Rio de Janeiro desde 2006, onde cursou bacharelado em Estudos de Mídia pela Universidade Federal Fluminense, é um artista multiplataforma paulista. Com relevante experiência em diversas áreas da comunicação contemporânea, atua no mercado como diretor de criação. Nas artes visuais, além de produções autorais e a colaboração com outros artistas, assina no cinema a direção de arte em diferentes títulos. Como ator, além de filmes publicitários, esteve em mais de 20 curtas e longas do cinema independente nacional e internacional, como em Limitations, de Anna Katharina Scheidegger, do Estúdio Nacional de Artes Contemporâneas parisiense.



Tiragem: 2.000 exs.
Páginas: 188  
Formato: 29 x 34 cm  
Capa: Capa dura com sobrecapa em papel cuchê 170 g
Miolo: Papel cuchê 150 g impresso a 4 cores
Fotografias: cerca de 160
Texto: Português e Inglês
Preço de capa: R$ 100,00
ISBN: 9788599508459


Texto: Assessoria de Imprensa

Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 

Visite minha lojinha!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…