Pular para o conteúdo principal

Livro: A magia do circo: Etnografia de uma cultura viajante

O antropólogo Gilmar Rocha faz uma grande viagem e leva o leitor a descobrir como é o cotidiano do Grande Circo Popular do Brasil (Marcos Frota Circo Show), que hoje é um dos principais exemplos brasileiros do chamado “novo circo”. Esse conceito diz respeito a uma nova forma de fazer o espetáculo, que mescla elementos de tradição e de modernidade, os quais o autor expõe ao longo do livro.

Durante um período de aproximadamente um ano, Gilmar acompanhou os trajetos do GCPB pelo Brasil, estando presente, junto com os circenses, em nove cidades em que o circo foi montado. Nesse tempo, o autor pôde observar como se dá a questão hierárquica do GCPB, dividido entre o pessoal administrativo, o pessoal técnico ou de apoio e os artistas e suas famílias; como ocorrem as constantes viagens para realização dos espetáculos; como é a relação com o público; como se dão os processos de montagem e desmontagem; além de compreender a multiplicidade de sentidos que a categoria fazer adquire: “fazer a praça”, “fazer o pano”, “fazer amizades”, “fazer carreira”, “fazer o nome”, “fazer o número” e “fazer o corpo”.

O circo é uma construção narrativa, resultado de modalidades discursivas múltiplas (oral, visual, gestual, corporal e textual) – uma construção social e histórica. Ele se “faz” e refaz cotidianamente, na medida em que está em constante viagem, e talvez nisso consista a sua “magia”.
Sobre o autor

Gilmar Rocha é doutor em Antropologia Cultural pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Dedica-se a estudos nas linhas de pesquisa em teoria antropológica; educação e cultura popular; memória e patrimônio cultural; e identidade e performances. Nos últimos anos, tem realizado pesquisas na área da educação e, com especial ênfase, tem se dedicado aos temas da malandragem e do circo no Brasil. Participa dos seguintes grupos de pesquisa do CNPQ: Antropologia dos Objetos – coleções, museus e patrimônios culturais, vinculado ao IFCS-UFRJ; e Dança, Teatro e Performances Afro-brasileiras, associado ao Departamento de Artes e Estudos Culturais da UFF. Atualmente, é professor no curso de Produção Cultural, do Departamento de Artes e Estudos Culturais (RAE), e do Programa de Pós-Graduação Cultura e Territorialidades (PPCULT), da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Ficha técnica

Título: A magia do circo: etnografia de uma cultura viajante                                      
Autor: Gilmar Rocha
Categoria: Antropologia
Número de páginas: 304
ISBN: 978 85 8316 005 2
Preço: R$ 44,00
Editora: Lamparina editora (www.lamparina.com.br)

Texto: Assessoria de Imprensa


Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 

Visite minha lojinha!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…