Pular para o conteúdo principal

Livro: O Rio de Joaquim Manuel de Macedo - Jornalismo e literatura no século XIX – Antologia de Crônicas

O livro O Rio de Joaquim Manuel de Macedo -
Jornalismo e literatura no século XIX – Antologia de Crônicas, de Michelle Strzoda (Casa da Palavra, 720 p.) já está a venda no site da editora. Confira abaixo o release da obra.


"A cidade do Rio de Janeiro é uma inconteste referência nacional. Desde a chegada da família real, em 1808, foi o cenário principal da narrativa social urbana, que se estendeu por todo o século XIX, até as primeiras décadas do século XX. Pelo Rio de Janeiro circulavam os principais personagens da época e as repercussões dos interesses políticos, administrativos e econômicos do país. Acrescente a isso a riqueza e variedade do espaço urbano e temos em mãos um vasto material de observação e inspiração para os romances de costumes do século XIX, de onde destacamos o seu principal expoente: Joaquim Manuel de Macedo.

Autor do clássico A moreninha, Joaquim Manuel de Macedo é o grande pioneiro cronista do Rio de Janeiro. Médico de formação, quase não exerceu a profissão, dedicando-se ao jornalismo e à literatura com notável desenvoltura. Trabalhou na imprensa carioca por três décadas, onde suas crônicas e folhetins publicados alcançaram grande popularidade. O Rio de Joaquim Manuel de Macedo analisa essa produção do escritor como cronista, a partir da reunião inédita de algumas de suas principais obras do gênero, como as memoráveis Um passeio pela cidade do Rio de Janeiro e Memórias da rua do Ouvidor e textos menos conhecidos, publicados em periódicos como Ostensor Brasileiro, Revista Guanabara, o próprio Jornal do Commercio, entre outros, criando um representativo conjunto de sua obra.

O livro apresenta ainda um panorama da imprensa periódica imperial, contextualizando a obra de Macedo no cenário político, social e cultural do Rio de Janeiro Romântico, período em que há um forte desenvolvimento da literatura brasileira dentro e fora dos jornais, e a significativa ampliação do público leitor, um marco para a história literária de todo o país.

Para a produção da obra, a autora Michelle Strzoda realizou uma extensa pesquisa em todos os periódicos para qual Macedo escreveu. “Este livro não pretende aprofundar-se no Macedo ficcionista, vertente pela qual é mais conhecido nos estudos literários e históricos, mas entender por que esse autor é tão importante para a história da imprensa literária do Rio de Janeiro, da qual é personagem-chave – foi um dos jornalistas-escritores que mais publicou em vida e o primeiro autor consagrado como ‘escritor de folhetins’, redigindo também artigos políticos, contribuindo para diferentes jornais e publicando crônicas”, ressalta Michelle. Além de ter percorrido os principais acervos que contêm textos e trabalhos de e referente a Macedo, a autora garimpou documentos inéditos para o trabalho, como contratos de edição, firmados em meados do século XIX, cartão de visitas do autor, entre outros materiais que denunciam a perspicácia do jornalista-escritor sob o ponto de vista de edição e de marketing editorial.

Com um texto bastante atual, Joaquim Manuel de Macedo desenhou a cidade de um jeito peculiar, e suas críticas ecoam 200 anos depois. Pode ser considerado, ainda hoje, o maior cronista da Cidade Maravilhosa. Mais do que uma boa leitura, a obra convida o leitor a um passeio pelo Rio de Janeiro do século XIX em boa companhia.

Michelle Strzoda é diretora editorial da Babilonia Cultura Editorial. Editora, jornalista, tradutora e gestora cultural, cursou Edição de Livros na Universidad Complutense de Madrid. Atua no mercado editorial há doze anos, tendo trabalhado para várias casas editoriais de pequeno e grande porte, como Grupo Editorial Record, Casa da Palavra e Tinta Negra Bazar Editorial. Colaborou para jornais e revistas como Folha de S.Paulo, O Globo, Rascunho e Cult. É autora de O Rio de Joaquim Manuel de Macedo: Jornalismo e literatura no século XIX, finalista do prêmio Jabuti 2011."



Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 

Visite a minha lojinha virtual
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…