Pular para o conteúdo principal

O ESPETÁCULO “OS SAPOS”, DE RENATA MIZRAHI, QUE ABORDA AS RELAÇÕES AMOROSAS, CHEGA À ZONA OESTE

Depois de participar de uma temporada popular no Teatro Dulcina, o espetáculo “Os Sapos” abre a temporada de 2014 na Lona Cultural Gilberto Gil, em Realengo. Sucesso de crítica e público, “Os Sapos” aborda as dependências amorosas e suas diversas facetas. A autora assume também a direção da montagem, ao lado de Priscila Vidca.A apresentação única,será no dia 19 de março, quarta-feira, às 19h, Lona Cultural Gilberto Gil, em Realengo, com entrada franca.


O espetáculo recebeu quatro indicações ao terceiro Prêmio FITA (Festival  Internacional de teatro de Angra dos Reis) de 2013, e foi vitorioso nas categorias atriz, com Verônica Reis, e atriz coadjuvante, com Paula Sandroni.A autora também foi indicada ao prêmio de Teatro Cesgranrio 2013 de melhor texto nacional inédito.

Como o espetáculo foi um sucesso na passagem pela zona sul e pelo  centro do Rio, a autora Renata Mizrahi sentiu a necessidade de levar a peça para outros espaços da cidade. “A  oportunidade de levar o texto para as zonas Norte e Oeste gera um expectativa grande. Estamos muito felizes com essa experiência de interagir com um novo público”, conclui a autora.

A temporada longa nas lonas e nas arenas da Cidade é um aquecimento para o próximo passo do grupo: gravação de um longa-metragem sobre a peça, ainda no ano de 2014.
“Os Sapos” aborda as dependências amorosas e suas diversas facetas. O tema despertou o interesse dos públicos masculino e feminino, gerando até debate com uma psicanalista ao final do espetáculo para discutir as relações ali apresentadas. Agora a autora assume também a direção da montagem, ao lado de Priscila Vidca. Para Renata, "Os sapos" é um dos mais maduros textos de seu trabalho.

O espetáculo fala, com humor, de como as relações podem atingir níveis primitivos quando casais são colocados em situação de confinamento. O texto começa suave, mas, aos poucos, vai ficando mais tenso. O ritmo do espetáculo é marcado pelos diálogos ágeis, entrecortados por silêncios – ora irônicos, ora constrangedores –, mantendo a expectativa de uma nova virada a cada momento. O título da peça é uma referência aos sapos que se escondem no banheiro – eles são retirados de lá, mas sempre voltam. E é também àquilo que se engole em seco, a não expressão de um sentimento, o silêncio.

A encenação é um jogo no qual os cinco atores estão em cena o tempo todo. A ideia é priorizar as relações dos personagens e o encadeamento dos acontecimentos, com clima mudando cena a cena. Para isso, o cenário foi dividido em dois ambientes de forma não realista: de um lado do palco, o ambiente da casa e, do outro lado, no chão, cascalho de árvore e casca de pneus compõem ojardim.

O elenco reúne atores oriundos de reconhecidas companhias de teatro do Rio de Janeiro: Paula Sandroni (F. Privilegiados), Verônica Reis (Cia. Atores de Laura), Ricardo Gonçalves (Cia. Confraria da Paixão), Fabrício Polido e Gisela de Castro (Teatro de Nós). Eles se reuniram por mais de três anos para fazer leituras e discutir o texto e a montagem. Em 2011, o texto foi adaptado para o cinema, sob direção de Clara Linhart. O curta-metragem homônimo tem circulado por festivais e mostras, recebendo prêmios e reconhecimento da crítica. A trilha sonora é de Marcelo Alonso Neves; o cenário, de Nello Marrese e Lorena Lima; a iluminação é de Renato Machado e o figurino, de Bruno Perlatto.


Sinopse:
A peça se passa em um dia e uma noite numa casa de campo rústica, alugada por Marcelo e Luciana, um casal que, apesar de estar junto há oito anos, não assume o compromisso. Eles são vizinhos de Cláudio e Fabiana, casados e aparentemente felizes, porém o ciúme doentio de Cláudio faz Fabiana sentir um profundo vazio na vida. Nesse contexto, chega Paula, amiga de infância de Marcelo, que viaja para lá achando que passaria o final de semana numa confraternização de ex-amigos da escola. Ao chegar, ela se dá conta de que a confraternização era uma desculpa de Marcelo para revê-la e se vê obrigada a conviver com os dois casais, gerando, sem querer, grandes conflitos para todos.


FICHA TÉCNICA
Texto e concepção: Renata Mizrahi
Direção: Priscila Vidca e Renata Mizrahi
Elenco: Gisela de Castro, Paula Sandroni, Fabrício Polido, Ricardo Gonçalves e Verônica Reis
Assistência de direção: Juliana Brisson
Figurinos: Bruno Perlatto
Cenário: Nello Marrese e Lorena Lima
Iluminação: Renato Machado
Direção musical e sonoplastia: Marcelo Alonso Neves
Fotos: Clara Linhart
Cenotécnico: Leandro Machado
Programação visual: Marcio Freitas
Operação de luz: Rodrigo Bispo
Direção de produção: Sandro Rabello e Alan Isídio
Produção executiva: Neila de Lucena
Realização: Renata Mizrahi e Diga Sim! Produções

SERVIÇO: Os Sapos
MARÇO

Dia 19 – Quarta-feira
Local: Lona Cultural Municipal Gilberto Gil- Realengo
Endereço:Av. Marechal Fontenelle nº 5000 – Realengo - Tel: (21) 3462-0774
Horário: 19h
Entrada Franca
Duração: 70 minutos
Capacidade: 320 lugares
Classificação etária: 16 anos


Texto: Assessoria de Imprensa




Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 

Visite minha lojinha!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…