Pular para o conteúdo principal

O Que Me Toca é Meu Também

Nos dias 15, 16 e 17 de março, o público carioca poderá prestigiar o espetáculo O Que Me Toca é Meu Também, do coletivo brasiliense Instrumento de Ver, que apresenta uma proposta inovadora ao reunir no mesmo espaço cênico dança, circo e teatro de forma poética e feminina. As apresentações acontecem no Galpão Gamboa Teatro e integram a programação da terceira edição do projeto GamboaVista.


Sob a direção e concepção dramatúrgica de Raquel Karro, que já integrou projetos de importante companhias como Cirque du Soleil, Intrépida Trupe, Armazém Cia de Teatro e Cia dos Atores, as intérpretes Julia Henning e Maíra Moraes transitam pelo universo das acrobacias aéreas percorrendo uma trajetória cênica que inclui memória, reprodução, imitação e criação.

Em cena, duas atrizes acrobatas lidam com a angústia de criar, testando os limites entre a cópia, a releitura e o ineditismo.  Em um cenário que reproduz uma sala de ensaio, elas interpretam uma coreografia na íntegra da mesma forma que um cover em um show de música; representam a tentativa de copiar em tempo real um número do youtube e revivem um circo cigano a partir de uma história contada. Reverência e reinvenção conduzem o público a lugares tão díspares quanto uma sala de ensaio no Planalto Central ou uma lona de circo armada no coração de Paris.

“Queremos transportar o público a partir da imaginação, brincando com a quarta parede e com nossas relações com a plateia. Além disso, trazemos nosso ambiente de ensaio para o palco com a intenção de falar sobre a criação e de onde veem as inspirações”, afirma a atriz acrobata Julia Henning.
           
O coletivo
Instrumento de Ver é um coletivo de circo, teatro, dança e música , atuante no cenário cultural de Brasília desde 2002. Tem desenvolvido projetos e parcerias com boa representatividade local. Tem como objetivo fortalecer as artes por meio da criação e produção de projetos culturais focados na auto-sustentabilidade que proporcionem experiências originais ao público, além de contribuir com a profissionalização do mercado cultural brasiliense e com a difusão artística.

O Que Me Toca é Meu Também foi montado no final de 2011 e início de 2012 entre a ponte aérea Rio-Brasília, sob patrocínio do FAC/DF. Estreou em uma temporada no Teatro SESC Gama, no Teatro Newton Rossi em Ceilândia/DF e no Teatro Plínio Marcos, na FUNARTE Brasília, abrindo o Festival Mulheres em Cena, em abril, maio e junho de 2012. Foi também convidado para o Festival NOVADANÇA, na Sala Martins Penna do Teatro Nacional e para o Festival Paulista de Circo. Realizou ainda apresentações por diversas cidades do Brasil e exterior.

SERVIÇO
O QUE ME TOCA É MEU TAMBÉM
Com Julia Henning e Maíra Moraes
Dirigido por Raquel Karro e assistência de Daniel Lacourt
Realizado pelo coletivo Instrumento de Ver
Onde: Galpão Gamboa Teatro - Rua da Gamboa, 279 – Centro – RJ
Telefone: (21) 2516-5929
Capacidade: 80 lugares
Quando: 15, 16 e 17 de Março (Sáb, 21 horas Dom e Seg, 20 horas)
Quanto: R$ 20 (inteira) R$ 10(meia)/R$ 5 (para moradores dos bairros da Zona Portuária, apresentando comprovante de residência)
Vendas de Ingressos:- No Galpão: Terça a quinta: das 14h às 19h (nos dias de espetáculo a bilheteria funciona das 14h até a abertura da sala ou até se esgotarem os ingressos)
Classificação Indicativa: 12 anos


Ficha Técnica:
Direção, Dramaturgia e Coreografias : Raquel Karro
Intérpretes Criadoras: Julia Henning e Maíra Moraes
Diretor Assistente e Diretor Técnico: Daniel Lacourt
Trilha Sonora Original: Luiz Oliviéri

Diretor de Arte, Cenário e Figurino: Roustang Carrilho
Iluminação: Abaetê Queiroz
Pinturas de Gabriel Marx, Plic!
Contra-Regras: Daniel Lacourt e Vini Martins

Números amorosamente cedidos e por nós revisitados:
“Coisa que dá e passa” ou “Ausência”
Direção Coreogáfica: Dani Lima
“Beatriz”
Vídeo: ClipClipUha
Direção e Coreografia: Raquel Karro
Intérprete Criadora: Beatrice Martins

Texto: Divulgação - Assessoria de Imprensa


Saiba mais sobre Chandra Santos: http://bit.ly/1bifsNS 

Visite minha lojinha!
EncurtaNET
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A origem do Modernismo brasileiro, por chandra santos

"Abaporu": obra deu origem ao Movimento Antropofágico
Imagem: Tarsila do Amaral
As ideias surrealistas vieram para o Brasil na década de 1930 e foram absorvidas pelo movimento Modernista. A pintora Tarsila do Amaral e o escritor Ismael Nery foram os mais influenciados. Além deles, a escultora Maria Martins, o pintor pernambucano Cícero Dias, o poeta Murilo Mendes e os escritores Aníbal Machado e Mário Pedrosa também acrescentaram elementos surreais em suas obras.
A Semana de 22 foi o ápice do movimento Modernista no Brasil. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Pichia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos e Tarsila do Amaral são algumas das personalidades que estiveram presentes no evento ocorrido nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro no Teatro Municipal de São Paulo. Considerada um marco na arte brasileira, por propor a ruptura com o passado, a Semana de 22 revolucionou a Literatura, a música, a pin…

"A Aventura Surrealista", por chandra santos

Já está à venda o livro "A Aventura Surrealista" , do ensaísta e artista plástico Sergio Lima. A obra conta a história e a influência do surrealismo na arte moderna brasileira, entre 1901 e 1920.
Quem se interessou pelo tema, pode adquirir a publicação anterior, de 1995, que aborda as vertentes formadoras do movimento surrealista. O artista pretende lançar mais duas obras: uma sobre os anos 1921-30 e outra com antologia do surrealismo no Brasil.

Imagem: Reprodução de Internet




Feliz Dia do Amigo

O Sete Artes deseja a todos um Feliz Dia do Amigo!!!!






 (Clique para ampliar)
Saiba a origem da data aqui.

Siga @chandrasantos no Twitter e retuíte frases de amizade para os seus amigos!
Imagem: Autoria Desconhecida





Curiosidades

O que são Belas Artes?
por chandra santos
Definir arte é uma tarefa complexa, que varia de acordo com as transformações culturais e o contexto histórico. Segundo o filósofo Charles S. Peirce, fundador da Semiótica, a principal função das artes é expressar os estados de consciência humana. Partindo dessa definição, terapeutas e psicólogos passaram a usá-las como parte de tratamentos. A psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou o "Museu de Imagens do Inconsciente" com obras feitas por seus pacientes durante a terapia ocupacional.

São consideradas Belas Artes: Arquitetura; Pintura; Escultura; Música; Literatura; Teatro e Dança; e Cinema. A divisão e o termo foram criados pelas academias de arte europeias, no século XVII, com o objetivo de separar as artes em duas classificações. Segundo artigo publicado na Wikipédia, eram consideradas, até o século XIX, como artes "superiores" as Belas Artes e como artes "inferiores' as Artes Aplicadas.

"As belas arte…

Programação/ Artes Visuais (SP)

Exposição PARAISO na Galeria André

Entre os dias 16/08 e 11/09, a Galeria André recebe a mostra PARAISO, inciando um novo ciclo do centro cultural. Participam da mostra André Crespo, Clarice Gonçalves, Eduardo Kobra, João César de Melo, Luiza Ritter, Marco Stellato, Paulo Queiróz, Rafael Resaffi e Rodrigo Cunha. A mostra tem curadoria de Sônia Skroski.
De acordo com release recebido pelo Sete Artes: "Artistas novos foram procurados com empenho, indicações, visitas aos ateliers, análise de obras, um verdadeiro garimpo. E desta procura foram selecionados 9 artistas que farão parte da exposição PARAISO. O tema abrange além do que nossa imaginação pode chegar. Os artistas vão expor obras inéditas, criadas especialmente para a mostra. A escolha dos artistas demonstra jovialidade das obras e dos artistas. O tema foi escolhido para proporcionar aos artistas uma performance peculiar e densa dentro do universo de cada um."
Conheça: texto: Assessoria de Imprensa da Galeria André
André Cresp…
EncurtaNET