Cris Alves retorna ao posto de rainha de bateria do Acadêmicos do Cubango


Nem a chuva afastou os componentes da escola de samba Acadêmicos do Cubango do ensaio de rua realizado na noite deste domingo, 19 de novembro, na Avenida Amaral Peixoto, em Niterói. O primeiro treino da escola contou com uma novidade: a diretora da ala de passistas, Cris Alves, acabou sendo anunciada como rainha de bateria da verde e branco. A notícia foi dada de surpresa pelo presidente executivo Rogério Belisário e foi recebida com muita alegria pela comunidade e diretoria. Cris tem 40 anos e deixou o posto em 2016. Emocionada, a mulata sambou muito à frente dos ritmistas da bateria Ritmo Folgado: 
- A ficha ainda não caiu. A emoção é muito grande. Estou muito emocionada e esse retorno pra mim é um exemplo até para os meus passistas que estão chegando à ala com o sonho de crescer. Tenho 40 anos e tenho uma longa história pra trilhar. Esse retorno é pra mostrar a todos os passistas que tudo tem seu tempo, e a gente tem que acreditar, com fé, simplicidade. Costumo dizer que sou eternamente uma passista, e pra mim  é um renascer das cinzas, sou Cubango doente e estou na escola em qualquer posto, independente de qualquer coisa. Meu trabalho é triplo, pois desde julho estou trabalhando e agora quero trazer a comunidade junto conosco, e eu acredito muito na vitória da Cubango, fazendo um belíssimo desfile na Marquês de Sapucaí.
Cris foi anunciada em julho como diretora da ala de passistas da agremiação e acumulará a função com a de rainha de bateria. A bela mulata está desde criança na escola, passando pela ala das crianças e passistas. Foi rainha de bateria da escola durante quatro anos (2013, 2014, 2015 e 2016), sendo três deles acumulando função como coordenadora das passistas (2014, 2015 e 2016). Além disso, em 2012 ela foi a Rainha do Carnaval Carioca.
O enredo do Acadêmicos do Cubango para o Carnaval 2018 é "O rei que bordou o mundo", desenvolvido pelos carnavalescos Gabriel Haddad e Leonardo Bora. A escola será a quinta a desfilar pela Série A, no sábado de carnaval.

Fonte: Assessoria de Imprensa

TURMA DA MÔNICA É PRÓXIMO TEMA DO QUIZZ SABER

O próximo tema do Quizz Saber, realizado todas às quartas-feiras, às 20h, no Restaurante Luka’s, no Bingen, promete agradar a criançada e também aos pais. O tema será “Turma da Mônica”, quadrinho clássico há mais 50 anos e que faz sucesso até os dias de hoje. O assunto foi escolhido por votação nas redes sociais, assim como é feito toda semana. Os temas são super diferenciados e agradam a todas as idades. A última enquete, por exemplo, teve como opção também o filme “Transformers” e o seriado “A Grande Família”. Interessados podem fazer reservas antecipadas para o dia do Quizz através do telefone (24) 2241-5188, o que garante uma rodada de chopp grátis para toda a mesa. O restaurante possui ainda, das 18h às 20h, dose dupla de chopp a todos os presentes. Aniversariantes da semana que fizerem reserva e levarem 8 amigos, ganham um bolo por conta da casa. As promoções em questão não são cumulativas. O jogo possui patrocínio da Cervejaria Itaipava e apoio da Universidade Estácio de Sá e Tribuna de Petrópolis.

SERVIÇO:
QUIZZ SABER
Local: Restaurante Luka’s – Bingen
Dia: todas às quartas-feiras
Horário: 20h
Público: qualquer faixa etária
Entrada franca

Fonte: Assessoria de Imprensa

fechamento de museu

Museu Imperial informa que estará fechado ao público para manutenção no dia 21 de novembro, terça-feira.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Livro + Debate " Sonata em Auschwitz" de Luize Valente

No dia 21 de Novembro de 2017, no Midrash Centro Cultural o " Lançamento-debate" do terceiro romance histórico de Luize Valente, depois de O Segredo do Oratório (2012) e Uma Praça em Antuérpia (2015). O foco e pesquisa em temas judaicos continua a marcar a obra da autora, desta vez com uma história saída do campo de extermínio nazista. Como surpresa para o leitor mais atento, existe uma misteriosa ligação deste novo romance com o último.

Conta a História de um bebê nascido nas barracas de Auschwitz-Birkenau, em outubro de 1944. Uma sonata composta por um jovem oficial alemão, na mesma data, também em Auschwitz. Duas histórias que se cruzam e se completam. Décadas depois, Amália, portuguesa filha de pai alemão, começa a levantar o véu de um passado nazista da família a partir de uma partitura que lhe é revelada por uma bisavó desconhecida, assinada por seu avô Friedrich e com o título de Für Haya ("Para Haya"). A dúvida de que o avô, dado como morto antes do fim da Segunda Guerra, possa estar vivo no Rio de Janeiro, a leva a atravessar o oceano e a conhecer um casal de judeus sobreviventes do Holocausto, Adele e Enoch. A ascensão do nazismo em Berlim, a saga dos judeus húngaros da Transilvânia, os mistérios acontecidos no campo de extermínio da Polônia e o pós-guerra numa casa cheia de segredos num lago de Potsdam oferecem os trilhos que Amália percorrerá para montar o quebra-cabeças. 
Também estará presente a psicóloga Sofia Débora Levy, especialista em trauma e Holocausto.

Serviço:
Dia: 21 de Novembro de 2017
Horário: às 20 horas.
Evento Gratuito - Vagas Limitadas
Faxia Etária: 16anos
Telefone: 22391800
Fonte: Assessoria de Imprensa

1ª Reggae Expo Click leva a cultura do reggae para o Centro Cultural Olido com exposições, shows e feiras temáticas




O Coletivo Som na Praça, em parceria com a Família TDH, Reggae Arquivo, Dr. Cannabis, Maconha Seeds Bank e Filme Zero, apresentam a inédita #1ª Reggae Expo Click, noCentro Cultural Olido (Av. São João, 473, Centro/ SP), de 14 de outubro a 16 de dezembro de 2017, grátis.



A cada semana, um fotógrafo expõe seus trabalhos e participa de uma tarde de autógrafos fazendo a distribuição de seus postais ao público, que pode conferir o seu olhar sobre o mundo e suas vivências no meio artístico.



O Cine Filme Zero, traz a tona registros de eventos referente a cultura Reggae.



A exposição tem por finalidade, despertar a curiosidade para o olhar dos profissionais de fotografia do cenário do reggae e incentivar outros profissionais e também simpatizantes, a vivenciar novas experiências através dos registros observados.



Após as exposições bandas respeitáveis da cena do reggae e rap independente, como Jah Dartanham & Dubalizer, Etiópicos, Odisséia das Flores, Zambol, Indaiz, , Talita Cabral,Villa Reggae, Gritos Ocultose DJ Beto Premier, entre outros, se apresentam no palco do Centro Cultural Olido levando ao público suas letras, rimas e manifestos, através do microfone, contribuindo com o fortalecimento da disseminação da cultura Reggae, fomentando a musicalidade da periferia e garantindo visibilidade desses artistas nos espaços públicos da cidade.



Ainda dentro da programação da #1ª Reggae Expo Click, a cultura, o vestuário e a culinária estarão presentes nas feiras temáticas.



O Projeto SNP-Convida tem como propósito incentivar mais pessoas a trilhar o caminho artístico, além de promover a visibilidade das diversas raças, cores e credos da cidade de São Paulo, levando a cultura ao maior número de pessoas de todas as classes e idades, através das manifestações e expressões que percorrem um viés educativo, de cunho social, além de propor uma filosofia de vida - do verdadeiro Amor - como sua principal essência.





PROGRAMAÇÃO



Dia 14/10

Fotógrafo: Rodrigo Torres

Show: Jah Dartanhan & Dubalizer part. especial Regiane Cordeiro, May Sistah, Robson Lira e Raggnomo



Dia 21/10

Fotógrafo: Marcos Vinícius

Show: Etiópicos



Dia 28/10

Fotógrafo: Renato Augusto

Show: Odisseia das Flores, Negotinho Rima e Bocão DRR



Dia 04/11

Fotógrafo: Caê Denda

Show: Dj Zambol /Dj Diego Davi , Peter Young Lion e Douglas Reis(Mortal)



Dia 11/11

Fotógrafo: Daniel Lopes

Show: André Causa e Elias Gehrti



Dia 18/11

Fotógrafo: Yuri Vinícius

Show: Banda Indaiz



Dia 25/11

Fotógrafo: Wesley Rodrigo

Show: Talita Cabral, Levi Keniata e André Hansen



Dia 02/12

Fotógrafo: Luis Foco a Rua

Show: União Rasta



Dia 09/12

Fotógrafo: Will Anjos

Show: Villa Reggae



Dia 16/12

Fotógrafo: Shalon Adonai

Show: Gritos Ocultos Dj Beto Premier




SERVIÇO

#1ª Reggae Expo Click

14 de outubro a 16 de dezembro de 2017

Centro Cultural Olido - Av. São João, 473 - Centro, São Paulo

GRÁTIS

Tel. (11) 3331-8399



Exposições - Segunda a sábado, das 15h às 21h


Shows - Sábados, das 19h às 20h30




Fonte: Assessoria de Imprensa

'Dedo na Ferida', de Silvio Tendler, leva o troféu de melhor documentário pelo Juri Popular do Festival do Rio: 'Mais fortes são os poderes do povo'





O cineasta Silvio Tendler voltou para casa com o Troféu Redentor em mãos na noite deste domingo, 15, após ser premiado do Festival do Rio pelo documentário "Dedo na Ferida". O longa metragem, que aborda a dominação do poderio econômico frente aos governos e à população, foi ovacionado na exibição para convidados, no dia 11, e coroado pelo Júri Popular na mostra competitiva da 19º edição do Festival:




- A importância de ganhar o prêmio pelo Júri Popular é toda. Como disse Glauber (Rocha), mais fortes são os poderes do povo. Vamos juntos nessa. Estamos muito orgulhosos de ter recebido este prêmio, por este júri. - disse Silvio logo após a cerimônia de premiação.



O novo documentário do cineasta, reconhecido por mais de 80 obras de cunho histórico e social, aborda a influência do capital na política:


- É uma crítica à política dominada pelo sistema financeiro. Você não discute mais o dinheiro a serviço da produção”, diz Tendler, lembrando que se trata de um fenômeno mundial. “Acho que é a primeira vez que vamos discutir com profundidade a força do sistema financeiro na economia.Para traçar um paralelo entre essas análises e o cotidiano dos afetados pelos poderio econômico, Silvio usa como fio de ligação a viagem de trabalho de um podólogo que mora em Japeri - cidade que tem o pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Estado do Rio de Janeiro - até Copacabana, onde exerce sua profissão.

- O tempo de deslocamento dele todo dia é o tempo de uma sessão de cinema. É o tempo que ele não vai ao cinema. Enquanto ele vai de Japeri à Copacabana poderia estar assistindo ao filme. "Dedo na Ferida" discute uma sociedade na qual ele é um cidadão à margem, ele não tem uma conta no banco, ele não vai ao cinema, nem ao teatro. Não tem uma vida ativa, é um cara que trabalha para sustentar a família. Acredito que uma das reflexões para quem assiste ao documentário é as pessoas perceberem que está na hora delas terem uma vida interessante também, acredita Silvio Tendler.


Entre os depoimentos da obra estão os de Yanis Varoufakis, ex-ministro das Finanças da Grécia; Celso Amorim, ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil; Paulo Nogueira Batista Jr, vice-presidente dos banco dos Brics; o cineasta Costa-Gavras; os intelectuais Boaventura de Sousa Santos (Universidade de Coimbra, Portugal), David Harvey (University of New York, Estados Unidos) e Maria José Fariñas Dulce (Universidade Carlos III, Espanha); os economistas Ladislau Dawbor (PUC-São Paulo), Guilherme Mello (Unicamp) e Laura Carvalho (USP), entre outros pensadores que interferem no mundo contemporâneo.


Renda de metade da população mundial está nas mãos de 65 famílias

O filme também é uma aula de economia que deixa claro que para 1% da população mundial, que detém o poderio econômico, uma crise não deve ser desperdiçada. É este pequeno grupo que, em nome dos interesses do grande capital internacional, comanda o destino dos recursos do planeta. Quebras de bolsas de valores, estouro de bolhas especulativas e a bancarrota de países que levam famílias para linha da miséria são oportunidades para aumentar o capital, o poder e a influência deste grupo. Eles são os donos do poder. 65 famílias têm, aproximadamente, a mesma riqueza que metade da população mundial. Bancos, seguradoras, fundos de investimento e elites econômicas navegam em uma esfera onde taxas de juros e dívidas de governos são a moeda mais forte.

“Dedo na Ferida” discute o retrocesso ideológico a posições neoconservadoras pautado pelo empobrecimento da classe média, pela falência dos Estados e pelo desemprego. Examina de que forma o capitalismo deixou de ser produtivo para se tornar meramente especulativo, motivado pela aposta na geração de dinheiro fácil.

O sistema financeiro, que deveria servir ao propósito de levar recursos dos setores superavitários para os deficitários interessados em investir em produção, abandonou o papel de “atravessador” e se assumiu como fim principal das transações econômicas. Os governos nacionais perdem autonomia e passam a lutar contra massas de capital que circulam livremente pelo globo. Grécia, Espanha, Portugal, Brasil e tantas outras nações veem seus destinos definidos pelos interesses da esfera financeira. Grandes corporações, que, por vezes, detém orçamentos mais robustos do que o de alguns Estados, atuam como um “governo sombra”, guiando políticas públicas que favorecem à maximização de seus lucros.Consideradas importantes demais para falir, grandes corporações envolvidas diretamente na crise que atingiu o sistema econômico internacional em 2008 não foram responsabilizadas pelo estrago causado na economia produtiva. Operando dentro da lei e socorridas com dinheiro público, seguem acumulando um capital volátil, transnacional, pouco produtivo e guardado em paraísos fiscais. E elas estão prontas para lucrar na próxima crise.

Novos frutos na parceria com o movimento sindical

Ampliar o debate com a sociedade brasileira sobre os crimes cometidos pelo sistema financeiro internacional em sua trajetória de semear a miséria em todos os continentes foi um dos principais motivos para que nascesse mais uma parceria do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro (Senge-RJ) e da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) com Silvio Tendler. Juntos, em 2014, produziram o documentário "Privatizações - A Distopia do Capital". Em 2017 assinam o "Dedo na Ferida".

“Fundamentalmente quando pensamos no filme “Dedo na ferida”, o que nos moveu foi a necessidade de promover o debate no Brasil sobre um tema tão árido e tão distante da população. A captura dos governos nacionais pelo capital financeiro internacional é algo concreto, é algo evidente, mas que poucas pessoas enxergam. Queremos discutir isso com a população”, afirma Clovis Nascimento, presidente da Fisenge.

“É urgente popularizar, levar as informações da situação que o Estado brasileiro vive para a maioria das pessoas. O cinema, sua narrativa didática, permite isso. A proposta é que a exibição do "Dedo na Ferida" abra portas para debates em amplos segmentos sociais, para que seja apropriado por todos. As pessoas têm que ter consciência do que está ocorrendo. Para que, a partir da consciência, tenham capacidade de se indignar, de se mobilizar, de se rebelar e, talvez, fazer ecoar o grito de ‘BASTA’ nisso tudo que vivem hoje”, defende Olímpio Alves dos Santos, presidente do Senge-RJ.

Sinopse:
"Dedo na Ferida" trata do fim do estado de bem‐estar social e da interrupção dos sonhos de uma vida melhor para todos em um cenário onde a lógica homicida do capital financeiro inviabiliza qualquer alternativa de justiça social. Milhões de pessoas peregrinam em busca de melhores condições de vida enquanto o capital só aspira a concentração da riqueza em poucas mãos. Neste cenário de tensões sociais, intelectuais lutam para transformar o mundo levantando temas como os fim dos direitos sociais, o desemprego, o mercado e o ressurgimento de movimentos extremistas.

Biografia:
Em 48 anos de carreira, Silvio Tendler produziu e dirigiu cerca de 80 obras de cunho histórico e social entre curtas, médias e longas-metragens e séries. Licenciado em História pela Université de Paris VII, é mestre em Cinema e História pela École des Hautes-Études/Sorbonne. Desde 1979 é professor do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio. Tem mais de sessenta prêmios, entre eles seis Margaridas de Prata, da CNBB.

Filmografia:
Silvio Tendler fez as três maiores bilheterias do documentário brasileiro. “Jango” recebeu o Margarida de Prata e o melhor filme do Júri Popular do Festival de Gramado. “Glauber–O filme, labirinto do Brasil” foi eleito melhor filme pelo júri popular e a crítica do Festival de Brasília e participou da Seleção Oficial Hors concours do Festival de Cannes. “Encontro com Milton Santos” venceu o Festival de Brasília e levou o prêmio de melhor filme no Festival de Documentários Santiago Álvarez.





Entre os depoimentos da obra estão os de Yanis Varoufakis, ex-ministro das Finanças da Grécia; Celso Amorim, ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil; Paulo Nogueira Batista Jr, vice-presidente dos banco dos Brics; o cineasta Costa-Gavras; os intelectuais Boaventura de Sousa Santos (Universidade de Coimbra, Portugal), David Harvey (University of New York, Estados Unidos) e Maria José Fariñas Dulce (Universidade Carlos III, Espanha); os economistas Ladislau Dawbor (PUC-São Paulo), Guilherme Mello (Unicamp) e Laura Carvalho (USP), entre outros pensadores que interferem no mundo contemporâneo.










Fonte: Assessoria de Imprensa

(Exposição) 'Abismo', de José Tannuri @ Tramas Arte Contemporânea (RJ) 21/11


Inauguração da exposição “Abismo”, de José Tannuri, na Tramas Arte Contemporânea (RJ)

Terça-feira, dia 21 de novembro, às 19h.

Tramas Arte Contemporânea apresenta ‘Abismo’, nova exposição individual do carioca José Tannuri. O artista volta à galeria, após quatro anos de sua última individual no local (em ‘Urbânico’, 2013), com trabalhos realizados em cores chapadas sobre páginas de jornal e investiga a borda que contorna os abismos, aqueles que construímos. 

A série, realizada entre 2016 e 2017 no seu ateliê em Santa Teresa, apresenta trampolins e plataformas projetadas sobre o vazio, além de outras arquiteturas ambivalentes em pinturas sobre jornal, material que Tannuri domina já que é especialista em papel reciclado.  



“Ao menos desde 2003, quando realizou a instalação ‘Muros’, no Centro Cultural Sérgio Porto, o artista aponta criticamente a dominação e o homogêneo. Tannuri manipula o jornal literal e, simbolicamente, suas páginas são como território de países, limites de suas fronteiras físicas, culturais, sociais e econômicas. Se em trabalhos anteriores, como ‘Vazios’ (2005) no Paço Imperial, a arquitetura é transfigurada por volumes monumentais de papelão, aqui os pequenos e médios formatos condensam a imensidão. Espaços aparentemente vazios, pois não há a presença direta do corpo, sinalizam a solidão dos que vivem entre muitos. Na série Abismo, o azul intenso e profundo (patenteado pelo artista francês Yves Klein, que  realizou Salto no Vazio, em 1960), ora é fosso ora dissimulada correnteza que abre margens vizinhas às próprias bordas do papel. Cada horizonte é desalinhado por seu próprio abismo", escreve Luiza Interlenghi, curadora da exposição.

Sobre o artista:

Nascido no Rio de Janeiro, José Tannuri fez sua primeira exposição em 1998. Participou de mostras internacionais como a 10a Bienal de Havana e uma individual na Frederico Seve Gallery, em Nova York. Atualmente trabalha com projetos instalativos, performance, fotografia, pintura e desenho sobre jornal. Em seu eixo temático, objetos como arquitetura, cidade, construção de paisagens, abismos e passagens são relevados em seu processo.

Sobre a Tramas Arte Contemporânea:

Desde a sua fundação, em 2009, no bairro de Copacabana (RJ), a Tramas Arte Contemporânea vem atuando na difusão de artistas contemporâneos buscando a valorização de suas diversidades estéticas e conceituais. A galeria tem como objetivo propiciar o diálogo entre artistas e público, acreditando na intensa parceria construída ao longo dos últimos anos entre os mesmos, promovendo assim um espaço de discussão e reflexão da arte contemporânea brasileira. Sua programação norteia-se na pluralidade artística, apontando e incentivando a criatividade e aprofundamento conceitual no que tange as produções artísticas de seus artistas representados. Artistas representados: Evandro Prado, Fernando Ribeiro, Geraldo Melo, Henrique Pontual, José Tannuri, Leonardo Ramadinha, Marcelo Catalano, Osmar Dillon, Renan Cepada, Renato Sant’Ana e Yara Dewachter

Serviço: 

Inauguração Exposição ‘Abismo’, de José Tannuri
Terça-feira, dia 21 de novembro de 2017, às 19h.
Encerramento: dia 16 de dezembro de 2017
Curadoria: Luiza Interlenghi

Local:

Tramas Arte Contemporânea
Shopping Cassino Atlântico
Funcionamento: de segunda à sexta, das 10h às 19h. Sábados, das 12h às 18h. 

Entrada gratuita

Links: 


Fonte: Assessoria de Imprensa

Mul.ti.plo abre mostra de Manfredo de Souzanetto no Vale das Videiras

Uma das propostas da Mul.ti.plo Espaço Arte, galeria carioca de arte contemporânea situada no Leblon, é não ficar restrita às suas paredes. Desta vez, o rumo é a Região Serrana do Rio: a partir de 18 de novembro, em parceria com a Galeria A2 + Mul.ti.plo, leva para o Vale das Videiras a obra de Manfredo de Souzanetto, considerado como um dos artistas mais destacados e criativos desde sua primeira individual realizada em Belo Horizonte, em 1974. Serão apresentados ao todo 15 trabalhos, entre eles, 14 da série dos “Tacapes” (madeira, cobre e pintura), realizados entre os anos de 1997 e 2016, e uma pintura recente (pigmentos e resina acrílica sobre tela e madeira), de 2017.

A obra de Manfredo de Souzanetto se desenvolve como um jogo de virtualidade e concretude, onde muitas vezes a moldura ultrapassa o limite da pintura e o suporte se fragmenta, refletindo a busca de novas possibilidades.  Manfredo se utiliza de materiais diversos, como madeira, cobre, pigmentos de terra e resina acrílica. Com eles constrói composições abstratas e geométricas de grande densidade visual; são obras em que a pintura é um dos elementos constituintes e que procuram atuar no espaço real, buscando a tridimensionalidade. O artista produz os pigmentos, tirados de minérios das Minas Gerais, responsáveis por seus únicos e incontestáveis tons de rosas, ocres, vermelhos, amarelos e cinzas.

“Longe de significar o que o nome poderia sugerir, os Tacapes de Manfredo desarmam, com sua pintura tão singular, as expectativas tão em moda de uma espetacularização da pintura. Ao contrário, há em cada um desses Tacapes uma dimensão de leveza e poesia, ambas guardadas pela chave do silêncio de sua paleta”, afirma Maneco Müller, consultor de arte da Mul.ti.plo.

A galeria A2 + Mul.ti.plo fica no Armazém das Videiras - Estrada Almirante Paulo Meira 8400, loja 5, Petrópolis.
SERVIÇO:


Exposição individual Manfredo de Souzanetto

Abertura: sábado, 18 de novembro, às 17h.

Galeria A2 + Mul.ti.plo: Armazém das Videiras - Estrada Almirante Paulo Meira 8400, loja 5, Petrópolis. Telefone: (24) 2225-8753.

De 19 de novembro a 14 de janeiro. Sextas, das 19h às 22h, sábados, das 11h às 16h e das 19h às 22h e domingos, das 11h às 16h.



Sobre Manfredo de Souzanetto:

Pintor, desenhista e escultor, Manfredo de Souzanetto nasceu na pequena Jacinto (MG), em 1947, e atualmente vive e trabalha no Rio de Janeiro. Começa a estudar desenho aos 16 anos. Em 1967, muda-se para Belo Horizonte e ingressa na Escola Guignard em 1969. Estuda arquitetura na Universidade Federal de Minas Gerais de 1972 a 1975. Em 1974, expõe no 5° Salão de Arte Universitária, em Belo Horizonte, e recebe como prêmio uma bolsa para estudar na França. Mora em Paris entre 1975 e 1979 e freqüenta a École Nationale Louis Lumière, onde estuda fotografia, e a École Nationale Supérieure des Beaux Arts. Em Paris, descobre a pintura abstrata americana, o construtivismo russo e tem contato com o trabalho do grupo Suporte-Superfície. Retorna ao Brasil em 1980 e passa a viver no Rio de Janeiro. No ano seguinte, ingressa na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde conclui o curso de gravura. Nessa década, começa a trabalhar com telas e madeiras recortadas em formas geométricas, nas quais aplica pigmentos obtidos de amostras de terra coletadas em Minas Gerais. No fim dos anos 90, o significado de sua obra é ampliado pela utilização de materiais não pictóricos cujo objetivo é falar de cor, matéria e textura, vocabulário por excelência do fazer pictural, retirando da pintura seu caráter de superfície colorida. Em sua carreira, já participou de mais de 50 exposições, entre elas a 12ª Bienal Internacional de São Paulo, na década de 70, coletivas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Moderna de São Paulo, na década de 80, e individuais no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, em 2010 e na Fundação Brasilea em Basel, Suíça, em 2013.

Coleções:

Museu de Arte de Belo Horizonte.
Musée de l’Abbaye Sainte-Croix - Les Sables d’Olonne – France.
Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro.
Pinacoteca do Estado de São Paulo.
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - Coleção Gilberto Chateaubriand.
Museu de Arte Moderna de São Paulo - Sala Paulo Figueiredo.
Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo.
Museu de Arte Contemporânea de Niterói - Coleção João Satamini - Rio de Janeiro.
Fond National d’Art Contemporain – France.
Instituto Cultural Itaú – São Paulo.
Instituto Moreira Salles – Rio de Janeiro.
Coleção Statoil – Stavanger – Noruega.

Exposições Individuais:
2016 – “Paisagem ainda que” – Paço Imperial – Rio de Janeiro
2015 – Galeria Bergamin – São Paulo.
2015 – Mul.ti.plo Espaço Arte – Rio de Janeiro.
2013 – Stiftung Brasilea – Basilea – Suiça.
2012 – Márcia Barrozo do Amaral Galeria de Arte – Rio de Janeiro.
2010 - Museu Nacional de Belas Artes – Rio de Janeiro.
2009 - Gustavo Rebello Arte – Rio de Janeiro
2009 - l’Espal Centre d’Art – Le Mans – França.
2009 - Galerie Pascal Gabert – Paris – França.
2009 - Quadrum Galeria de Arte – Belo Horizonte
2007 – Kulturtorget – Stavanger – Noruega
2006 - Instituto Moreira Salles – Rio de Janeiro e São Paulo
2006 - “Paisagem da Obra”: Centro Cultural Correios – RJ; Caixa Cultural – Brasília e Palácio das Artes – Belo Horizonte.
2005 - Instituto Moreira Salles – Belo Horizonte e Poços de Caldas.
2005 - Centro Cultural Usiminas – Ipatinga – MG.
2004 - Os amigos da gravura – Museu da Chácara do Céu – Rio de Janeiro.
2001 - “Diálogo” com Marco Tulio Rezende – Centro Cultural Light – Rio de Janeiro.
2001 - “Manfredo de Souzanetto” – Museu Alfredo Andersen – Curitiba.
2000 - Musée National de Porcelaine Adrien-Dubouché - Limoges – France.
2000 - Marilia Razuk Galeria de Arte – São Paulo.
1999 - Coletânea Galeria de Arte - Rio de Janeiro.
1998 - Le 19, Centre Regional d’Art Contemporain - Montbéliard – France.
1998 - Galerie Barsikow – Berlin.
1997 - Galerie Mathieu - Lyon – France.
1996 - Joel Edelstein Arte Contemporânea - Rio de Janeiro.
1996 - Artco Galerie - Leipzig – Germany.
1996 - Jasim Galerie - Düsseldorf – Germany.
1995 - Kolams Distribuidora de Arte - Belo Horizonte.
1995 - Marília Razuk Galeria de Arte - São Paulo.
1995 - Galerie Ruta Correa - Freiburg – Germany.
1994 - Centro de Arte Moderna da Fundação Gulbenkian – Lisboa.
1994 - Módulo Centro Difusor de Arte – Lisboa.
1991 - Galerie Ruta Correa - Freiburg – Germany.
1991 - Galerie Andréas Weiss – Berlin.
1991 - Galeria Suzana Sassoun - São Paulo.
1990 - Galeria Anna Maria Niemeyer - Rio de Janeiro.
1989 - Galeria São Paulo - São Paulo.
1988 - Galerie l’Aire du Verseau – Paris.
1988 - Gesto Gráfico - Belo Horizonte.
1987 - Montesanti Galeria - Rio de Janeiro.
1987 - Montesanti Galeria - São Paulo.
1986 - Galeria São Paulo - São Paulo.
1986 - Espaço Capital Arte Contemporânea – Brasília.
1984 - Galeria César Aché - Rio de Janeiro.
1984 - Galeria Tina Presser - Porto Alegre.
1983 - Paulo Figueiredo Galeria de Arte - São Paulo.
1983 - Sala de Exposições da Universidade Federal de Caxias do Sul.
1983 - Galeria de Arte da UFF – Niterói
1982 - Museu de Arte Moderna - Projeto ABC/Funarte - Rio de Janeiro.
1982 - Galeria César Aché - Rio de Janeiro.
1981 - Sala Miguel Bakun – Curitiba.
1980 - Gravura Brasileira - Rio de Janeiro.
1980 - Projecta Galeria de Arte - São Paulo.
1978 - Galerie la Couvée - Lachassagne – France.
1977 - Cite Internationale des Arts – Paris.
1977 - Galeria Grafitti - Rio de Janeiro.
1977 - Galeria do Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos - Belo Horizonte.
1977 - Galeria VASP - São Paulo.
1977 - Galerie Philippe Frégnac – Paris.
1976 - Galerie Debret – Paris.
1976 - Musée de l’Abbaye Sainte-Croix - Les Sables d’Olonne – France.
1975 - Real Galeria de Arte - Rio de Janeiro.
1974 - Galeria do Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos - Belo Horizonte.

Exposições Coletivas:
2014 – Dialog: Dolino, Carlos Muniz e Manfredo de Souzanetto - Artmark Galerie – Viena -
-Austria.
2014 – Dialogo Geométrico: Dolino, Carlos Muniz e Manfredo de Souzanetto – Galeria
Matias Brotas – Vitória - ES.
2011 – Linha, Ponto e Círculo – Centro Cultural Borges – Buenos Aires – Argentina.
2011 - Escolha do artista - Galeria Patricia Costa – Rio de Janeiro.
2011 - 2XMINASX2 – Galeria Paulo Darzé – Salvador
2010 – 2xMINASX2 – Matias Brotas Arte Contemporânea – Vitória.
2010 - Lemos de Sá Galeria de Arte – Belo Horizonte.
2010 - Referência Galeria de Arte – Brasília.
2009 – Entre Salões 1969>2000 – Museu de Arte da Pampulha – Belo Horizonte.
2009 - Paisagem Incompleta – Centro Cultural Usiminas – Ipatinga
2009 - Paisagem Incompleta – Palácio das Artes – Belo Horizonte.
2009 - Novas Aquisições – Coleção Gilberto Chateaubriand/MAM – Rio de Janeiro.
2008 – Galerie Beyer – Dresden – Alemanha, com Walter Lima e Mario Cravo Neto.
2007 – Ortodoxos/Heterodoxos – Le 19 Centre Regional d’Art Contemporain – Montbéliard – France
2005 - Arte Brasileira Hoje, Coleção Gilberto Chateaubriand – MAM, Rio de Janeiro.
2005 - Amalgames, l’Art Brésilien Contemporain – Musée de l’Hôtel Dieu – Mantes la Jolie – France.
2003 - “10 X MINAS”, Instituto Cultural Usiminas - Ipatinga; Museu de Arte da Pampulha – Belo Horizonte.
2003 - “Arte em Diálogo: artistas brasileiros e noruegueses” – Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro
2002 - Coleção João Sattamini, Instituto Cultural Tomie Ohtake, São Paulo/São Paulo.
2000 - Galeria Manoel Macedo - Belo Horizonte.
2000 - “Olhar Contemporâneo/Mirar Contemporâneo” Artistas Latino-Americanos – Galeria Fraletti e Rubbo – Curitiba.
2000 - “Identidades” – Instituto Cultural Villa Maurina.
2000 - Coletiva Centro Cultural Candido Mendes, Rio de Janeiro.
1999 - FIAC/99 - Art Latino-Américan - Galeria Marilia Razuk - Paris – France.
1999 - Maison d’Art Contemporain Chaillioux – Fresnes – France.
1998 - No Limite da Forma - ICBRA /Bahnhof Westend – Berlim.
1998 - Vice Versa (com Thomas Schönauer) - Galerie Lekon - Essen-Kettwig – Alemanha.
1998 - Diversidade do Risco - Espaço Cultural Ponteio - Belo Horizonte - Minas Gerais.
1997 - No Limite da Forma - Paço Imperial, Rio de Janeiro - Casa das Rosas, São Paulo - Palácio
das Artes, Belo Horizonte.
1997 - No Limite da Forma - Galeria Marilia Razuk - São Paulo.
1997 - III Seminário Internacional da Gravura - MMAC - Curitiba - Paraná.
1996 - Manfredo de Souzanetto / Máximo Soalheiro - Elms Lesters Painting Rooms – London –
England.
1995 - Workshop / 95: Brasil/Alemanha - Museu de Arte Moderna / Goethe Institut - Rio de Janeiro.
1995 - Rio Mistérios e Fronteiras - Musée d”Art - Pully – Suíça.
1994 - 4 X MINAS - Museu de Arte da Bahia, Salvador.
1994 - Arte Brasil Heute - Europäisches Patentamt - Müchen – Alemanha.
1994 - Brasil Bienal, Arte do Século XX - Bienal de São Paulo.
1993 - Triennale des Amériques - Espace Sculfort - Maubeuge – France.
1993 - Coletiva - Studio Kostel - Paris - France.
1993 - 4 X MINAS - Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro - Palácio das Artes, Belo Horizonte e Museu de Arte de São Paulo (MASP), São Paulo.
1992 - Manfredo de Souzanetto e Marcos Benjamim - Rio de Janeiro, Brasília, Goiânia e Belo
Horizonte.
1992 - Utopias Contemporâneas - Palácio das Artes - Belo Horizonte.
1992 - Exposição Comemorativa 10 Anos - Galeria de Arte UFF - Niterói - Rio de Janeiro.
1992 - Amériques - Centre Lotois d’Art Contemporain - Figeac – France.
1992 - Eco Art - MAM - Rio de Janeiro.
1991 - Frankfurt Art Fair - Galerie Ruta Correa - Frankfurt – Germany.
1990 - Armadilhas Indígenas - Museu de Arte de São Paulo - MASP - São Paulo.
1990 - Junge Kunst aus Brasilien - Friedrich Naumann Stiftung - Bonn – Germany.
1990 - Façades Imaginaires - Laboratoire - Grenoble – France.
1990 - Aspekte Lateinamerikanischer Kunst Heute - Galerie Ruta Correa - Freiburg – Germany.
1990 - Arte Brasileira Contemporânea - Galeria 110 Arte Contemporânea - Rio de Janeiro.
1989 - 20º Panorama da Arte Atual Brasileira - Museu de Arte Moderna - São Paulo.
1989 - 6 x Brasil - Galerie Raue - Bonn – Germany.
1989 - Rio Hoje - Museu de Arte Moderna - Rio de Janeiro.
1988 - UNESCO - 40 Artistes - 40 Ans - 40 Pays - Palais de L’Unesco – Paris.
1988 - Dimensão Planar? - INAP/FUNARTE - Rio de Janeiro.
1988 - Semana de la Cultura Brasileña - Fundación Guayasamin - Quito – Peru.
1988 - Modernidade-Arte Brasileira do Século XX - MAM - São Paulo.
1987 - Rigor e Gesto - Galeria Arte 20 - Rio de Janeiro.
1987 - Território Ocupado - Parque Lage - Rio de Janeiro.
1987 - Modernidade - l’Art Brésilien du Xxème Siècle - Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris.
1987 - Ouverture Brésilienne - Credac - Ivry-sur-Seine – France.
1986 - I Mostra Christian Dior de Arte Contemporânea - Pintura/86 - Rio de Janeiro].
1985 - Rio Narciso - Parque Lage - Rio de Janeiro.
1985 - Novos Cariocas - Centro Cultural Cândido Mandes - Rio de Janeiro.
1985 - Pequenos Espaços - GB Arte - Rio de Janeiro.
1985 - Nova Geometria? - Galeria Saramenha - Rio de Janeiro.
1985 - Destaques da Arte Contemporânea Brasileira - Museu de Arte Moderna – São Paulo.
1984 - Geometria 84 - Galeria Paulo Figueiredo - São Paulo.
1984- Retrato e Auto-retrato da Arte Brasileira - Coleção Gilberto Chateaubriand - Museu de
ArteModerna - São Paulo.
1984 - Le Petit Format - Galeria Paulo Figueiredo - São Paulo.
1983 - XVII Bienal Internacional de São Paulo.
1983 - Panorama da Arte Atual Brasileira - Museu de Arte Moderna - São Paulo.
1983 - À Flor da Pele - Centro Empresarial Rio - Rio de Janeiro.
1981 - Foto/Idéia - Museu de Arte Contemporânea - São Paulo.
1981 - Do Moderno ao Contemporâneo - coleção Gilberto Chateaubriand - MAM - Rio de Janeiro.
1980 - The Eclectic Age - Zoma Gallery - New York – USA.
1980 - Desenho Mineiro - Palácio das Artes - Belo Horizonte.
1980 - O Rosto e a Obra - IBEU - Rio de Janeiro.
1979 - Un Support à l’Imaginaire - Galerie Noire – Paris.
1978 - Nouveaux Languages Plastiques - Centre Culturelle de Limoges – France.
1978 - Images / Messages d’Amérique Latine - Villeparisis et Grenoble – France.
1978 - Grands et Jeunes d’Aujourd’hui - Grand Palais – Paris.
1978 - Iª Foire Internationale d’Art Contemporain - Grand Palais – Paris.
1978 - Peintres d’Amérique Latine - Maison de la Culture de Saint Maur – France.
1978 - Travaux sur papier/objets - Centre Culturelle de Villeparisis – France.
1978 - Galeria de Arte e Pesquisa da UFES - Vitória - Espírito Santo.
1978 - Le Tondo de Monet a nous jours - Musée de l’Abbaye Sainte-Croix - Les Sables d’Olonne.
1976 - VIII Festival Internacional de Pintura - Cagnes-sur-Mer – France.
1976 - Formes et Couleurs du Brésil-Paris et Marseille – France.
1976 - Exposition d’Été - FIAP – Paris.
1976 - Das Raízes à Atualidade - Coleção Gilberto Chateaubriand - Belo Horizonte, Brasília, Salvador e Recife.
1976 - Arte / Agora I-Brasil 70 / 75 - Museu de Arte Moderna - Rio de Janeiro.
1976 - Panorama da Arte Atual Brasileira - Desenho - Museu de Arte Moderna - São Paulo.
1975 - XIII Bienal de São Paulo - Sala Brasília - São Paulo.
1975 - Novas Tendências - Paço das Artes - São Paulo.
1975 - Doze Artistas Mineiros - Maison de France - Rio de Janeiro.
1974 - Panorama da Arte Atual Brasileira - Museu de Arte Moderna - São Paulo.
1974 - IX Salão de Campinas - “O Desenho Brasileiro” - Campinas - São Paulo.
1974 - Bienal Nacional - São Paulo.
1973 - XII Bienal Internacional de São Paulo.
1973 - Quatro Desenhistas Mineiros - ICBEU - Belo Horizonte.
1972 - Artist From Minas Gerais - BACI - Washington – USA.
1972 - Galeria Bonfliglioli - Promoção Harry Laus - São Paulo.
1972 - Destaque nas Artes 71 - Palácio das Artes - Belo Horizonte.
1972 - Alguns Aspectos do Desenho Contemporâneo Brasileiro - Coleção Gilberto Chateaubriand IBEU - Rio de Janeiro.
1972 - Quatro Desenhistas - IBEU - Rio de Janeiro.
1972 - Brasil Plástica 72 - Bienal de São Paulo - São Paulo.
1972 - Representação Brasileira - Museu de Sköpje – Macedônia.
1971 - Erótica 71 - Belo Horizonte.
1970 - Primeiro Encontro da Vanguarda Brasileira: “Do Corpo à Terra” - Belo Horizonte.
1970 - IV Exposição Jovem Arte Contemporânea - Museu de Arte Contemporânea - São Paulo.

Prêmios:
UFMG, no III Salão do Artista Plástico Mineiro - Belo Horizonte.
Aquisição, no III, V e VI Salão de Arte Contemporânea - Belo Horizonte.
Aquisição, no I, II e III Salão Global de Inverno - Belo Horizonte.
Pintura, no III Salão de Arte Jovem – Santos.
Estimulo, no IV Salão do Artista Jovem – Campinas.
Aquisição, no XXX Salão de Arte do Paraná – Curitiba.
Aquisição, na II Exposição de Artes Visuais do Estado do Rio de Janeiro – Niterói.
Aquisição, no IV Salão Nacional de Arte Universitária - Belo Horizonte.
Iº Premio, Bolsa de Estudos em Paris, no V Salão de Arte Universitária - Belo Horizonte – 1974.
Aquisição, no I e II Salão Paulista de Artes Plásticas e Visuais - São Paulo.
Gustavo Capanema, melhor conjunto de obras no IV Salão Nacional de Artes Plásticas do MEC Rio de Janeiro.
J.J. Engenheiros, no III Salão de Arte do Conselho Estadual de Cultura de Minas Gerais - Juiz de Fora.
Wembley S. A, no XII Salão Nacional de Arte - Belo Horizonte.
De desenho, no V Salão Carioca de Arte - Rio de Janeiro.
Aquisição, no XIV Salão Nacional de Arte - Belo Horizonte.
Iº Premio de pintura, no VIII Salão Nacional de Arte – Fortaleza.
Victor Meirelles, no V Salão Nacional de Artes Plásticas do MEC - Rio de Janeiro.
Aquisição, no III Salão Paulista de Arte Contemporânea - São Paulo.
Premio de viagem ao exterior, no VIII Salão Nacional de Artes Plásticas do MINC/FUNARTE, Rio de Janeiro – 1986.



Fonte: Assessoria de Imprensa

Todos os posts

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

TOP 10

Estudando para concurso? Compre sua apostila aqui!