Exposição de Eduardo Sued com trabalhos inéditos e recentes é prorrogada até dia 3 de março na Mul.ti.plo

Conhecido como um dos maiores coloristas da arte brasileira, prestes a completar 93 anos, Eduardo Sued se renova, lançando obras inéditas e cheias de vigor, em que a profusão de cores característica de seu trabalho é reduzida e o cinza e o preto se destacam. Na nova exposição individual do artista, que acontece na Mul.ti.plo Espaço Arte, no Leblon, até 3 de março, são apresentadas cerca de 18 obras, dentre pinturas (acrílico e óleo sobre tela) e objetos (madeira e pintura) de dimensões variadas, que vão desde 58cm x 64cm a 1m x 1,70m.

Caso raro de artista dessa idade em atividade que vive no Brasil, Sued tem um trabalho bastante singular e diz que a transformação é resultado de uma simplificação interior.  O cinza e o preto – que antes apenas dividiam combinações surpreendentes de cores improváveis de conviver, como vermelho, azul, verde e lilás – agora são protagonistas. E os outros tons (às vezes, apenas um deles) são um detalhe, num jogo sóbrio, mas vibrante, de expansão e contenção.

"Onde antes havia uma coleção de cores, agora são pouquíssimas, porque hoje eu acho suficiente. Se você olhar bem, o quadro se multiplica. E eu espero que o espectador veja dessa maneira, que ele se debruce sobre o quadro até que haja uma introjeção daquilo que não se vê. A minha simplificação se refere a esta intromissão dos espectador dentro do quadro", afirma Sued.

Para o consultor de arte Maneco Müller, o que chama a atenção é que, “dentro de seu repertório, Sued abre mão de todos os possíveis artifícios de sedução de uma pintura ao extremo”.

“A cor agora aparece como um pedaço. É como se ele pudesse reduzir todos os elementos pictóricos ao máximo, tirar todos os adjetivos, e ainda assim a qualidade de sua obra resiste”, afirma.

Na próxima quarta-feira, dia 31 de janeiro, às 19:30h, os críticos e professores Ronaldo Brito e Paulo Sergio Duarte participam de um bate-papo sobre a exposição de Sued na galeria. Paulo Sergio Duarte explica que um artista como Sued pensa mais na pintura que nos quadros:

"O importante é a própria pintura, como ela vai evoluindo, se processando e propiciando uma reflexão sobre a própria pintura. A gente só pode fluir essa pintura entendendo que ela ultrapassa os quadros. Algumas telas teriam tudo para dar errado. Porque parece que ele acumula problemas insolúveis. Mas dá certo! E ao criar problemas, com a sabedoria pictórica que ele foi acumulando, pelo talento inato e sobretudo pelo trabalho contínuo, isso dá para a gente uma alegria enorme. É aquela coisa do grande artista que na velhice produz uma obra muito jovem, porque está sempre chegando pela primeira vez".

Para a historiadora de arte e curadora Elisa Byington, o passar do tempo parece que não existe para Sued.

"Há um predomínio de cores escuras, mas ainda tem o vermelho vibrante, como naquele quadro, que podia ser de um garoto. Gostei muito dessas formas escultóricas, que dialogam com toda a arte dos contemporâneos dele, toda a obra concreto abstrata. Sued sempre nos surpreende".

Com a mostra deste ícone da arte contemporânea, a Mul.ti.plo celebra seus sete anos – Sued foi o primeiro artista a expor na galeria e já fez seis exposições lá, sempre apresentando sua produção mais recente.
 Sobre o artista

Eduardo Sued - Rio de Janeiro, 1925

O primeiro contato de Eduardo Sued com a cor foi através de aquarelas, em 1948, quando estudou com Henrique Boese, herdeiro do expressionismo europeu. De 1951 a 1953 viveu em Paris. Frequentou a Académie Julien e a Académie de la Grande Chaumière, onde fazia desenhos de modelos vivos. Durante a estada na França entra em contato direto com as obras da École de Paris, de Pablo Picasso, Miró, Matisse e Georges Braque. De volta ao Brasil, passa a trabalhar com gravura em metal, sendo aluno de Iberê Camargo – e a figuração das gravuras já se revelava moderna, com certa fragmentação.

O interesse por grandes áreas cromáticas e a busca por mais plasticidade levam o artista a se dedicar de forma cada vez mais intensa à pintura, em meados dos anos 1960. Em sua primeira individual, de pinturas, guaches e aquarelas na Galeria Bonino em 1968, os críticos já chamavam a atenção para a fusão da geometria com a figura, como Walmir Ayala, que descrevia o trabalho como uma “conjugação da abstração geométrica com a livre distribuição de formas do subconsciente, criando uma caligrafia do espiritual”.

Sued nunca participou ativamente de nenhum movimento, se mantendo distante das disputas entre concretos e neoconcretos nos anos 1950 e das discussões sobre a nova figuração dos 1960. Vai formando sua poética abstrata pouco a pouco; após um breve período de produção figurativa, conquista já no início dos anos 1970 o domínio seguro da linguagem construtiva.

Em meados dos anos 1990, introduz elementos novos em seu trabalho, como a tinta de alumínio e pinceladas espessas e descontínuas de modo que a superfície pareça ‘quase esculpida’, além de retornar à colagem, presente nos anos 1960 e 1970.

Eduardo Sued
Visitação: Até 3 de março
Horário: De 2ª a 6ª, das 10h às 18h30; sábado, das 10h às 14h
Onde: Mul.ti.plo Espaço Arte - Rua Dias Ferreira, 417/sala 206 – Leblon – Tel.: 21- 2259-1952.
Entrada franca

Bate-papo sobre a exposição com os críticos Ronaldo Brito e Paulo Sergio Duarte
Dia 31 de janeiro, às 19:30h


EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

·         1968 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino
·         1970 - Rio de Janeiro RJ - Eduardo Sued: pintura e colagem, na Prisma Galeria de Arte
·         1974 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Luiz Buarque de Holanda e Paulo Bittencourt
·         1982 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Espaço ABC/Funarte, no MAM/RJ
·         1982 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Luisa Strina
·         1983 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Thomas Cohn
·         1984 - São Paulo SP - Individual, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud
·         1986 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Thomas Cohn
·         1987 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Thomas Cohn
·         1989 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Luisa Strina
·         1990 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na GB-Arte
·         1992 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Paço Imperial
·         1993 - São Paulo SP - Individual, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud
·         1994 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MNBA. Galeria do Século XXI
·         1995 - Curitiba PR - Individual, na Casa da Imagem
·         1997 - Rio de Janeiro RJ - Individual, Atelier Finep, no Paço Imperial
·         1998 - Rio de Janeiro RJ - Eduardo Sued: pinturas 1980-1998, no Centro de Arte Hélio Oiticica
·         1999 - Rio de Janeiro RJ - A Gravura e Desenhos, no Museu da Chácara do Céu
·         1999 - Rio de Janeiro RJ - Eduardo Sued: colagens, na Galeria Paulo Fernandes
·         1999 - São Paulo SP - Eduardo Sued: pinturas, instalação, colagens, na Galeria São Paulo
·         2000 - Rio de Janeiro RJ - Eduardo Sued: pequeno formato, pinturas, na Galeria Objetos Diretos
·         2003 - São Paulo SP - Individual, na Marília Razuk Galeria de Arte
·         2004 - Rio de Janeiro RJ - A Experiência da Pintura, no CCBB
·         2005 - São Paulo SP - Individual, na Marília Razuk Galeria de Arte
·         2010 - Rio de Janeiro RJ – Individual na Mul.ti.plo Espaço Arte
·         2011 - Rio de Janeiro RJ – Individual na Mul.ti.plo Espaço Arte
·         2013 - Rio de Janeiro RJ – Individual na Mul.ti.plo Espaço Arte
·         2014 - Rio de Janeiro RJ – Individual na Mul.ti.plo Espaço Arte
·         2015 - Rio de Janeiro RJ – Individual na Mul.ti.plo Espaço Arte
·         2016 - Rio de Janeiro RJ – Individual na Mul.ti.plo Espaço Arte
·         2016 – São Paulo SP –  Individual na Galeria Raquel Arnaud


EXPOSIÇÕES COLETIVAS

·         1953 - Paris (França) - Salon des Travaux Publics, na Galerie Metro Beaux-Arts
·         1958 - São Paulo SP - Coletiva de Gravuras com Grassman, Gruber e Darel
·         1962 - São Paulo SP - Marcelo Grassmann, Eduardo Sued, Oswaldo Goeldi e Darel, na Galeria Residência
·         1964 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na Petite Galerie
·         1967 - Rio de Janeiro RJ - 3ª O Rosto e a Obra, na Galeria Ibeu Copacabana
·         1968 - Brasília DF - Gravura Brasileira, na Galeria Encontro
·         1970 - Cracóvia (Polônia) - 3ª Bienal Internacional de Gravura
·         1970 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na Galeria Delaparra
·         1970 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na Galeria Espaço
·         2007 - Belo Horizonte – MG - Eduardo Sued – Manoel Macedo Galeria de Arte
·         1970 - San Juan (Puerto Rico) - Bienal de San Juan del Grabado Latinoamericana y del Caribe
·         1971 - Biella (Itália) - Prêmio Internacional de Gravura
·         1971 - Helsinque (Finlândia) - Mostra de Gravura Brasileira, na Galeria Pinx
·         1971 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria da Collectio
·         1972 - São Paulo SP - Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, na Galeria da Collectio
·         1973 - Rio de Janeiro RJ - Quatro Gravadores Brasileiros, na Galeria Grupo B
·         1973 - Roma (Itália) - Gráfica Brasileira Hoje, na Galeria Casa do Brasil
·         1975 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira, no MAM/RJ
·         1976 - Buenos Aires (Argentina) - 20 Artistas Brasileiros, no Centro de Arte y Comunicación
·         1978 - Caracas (Venezuela) - Quatro Artistas Brasileiros, na Fundación Eugenio Mendonza
·         1978 - Rio de Janeiro RJ - 3ª Arte Agora: América Latina, geometria sensível, no MAM/RJ
·         1981 - Porto Alegre RS - Artistas Brasileiros dos Anos 60 e 70 na Coleção Rubem Knijnik, no Espaço NO Galeria Chaves
·         1981 - São Paulo SP - 16ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
·         1981 - São Paulo SP - Artistas Contemporâneos Brasileiros, na Galeria de Arte São Paulo
·         1982 - Lisboa (Portugal) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
·         1982 - Londres (Inglaterra) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Barbican Art Gallery
·         1983 - Rio de Janeiro RJ - 13 Artistas/13 Obras, na Thomas Cohn Arte Contemporânea
·         1983 - São Paulo SP - Imaginar o Presente, na Gabinete de Arte Raquel Arnaud
·         1984 - Niterói RJ - Coletiva, na Galeria de Arte UFF
·         1984 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na Galeria Thomas Cohn
·         1984 - Rio de Janeiro RJ - Doações Recentes 82-84, no MNBA
·         1984 - Rio de Janeiro RJ - Pintura Brasileira Atuante, no Espaço Petrobras
·         1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
·         1984 - São Paulo SP - Victor Grippo, Hércules Barsotti, Marco do Valle, Eduardo Sued, Carlos Fajardo, no Gabinete de Arte
·         1984 - Veneza (Itália) - 41ª Bienal de Veneza
·         1985 - Porto Alegre RS - Iberê Camargo: trajetória e encontros, no Margs
·         1985 - Rio de Janeiro RJ - Encontros, na Petite Galerie
·         1985 - São Paulo SP - Destaques da Arte Contemporânea Brasileira, no MAM/SP
·         1986 - Brasília DF - Iberê Camargo: trajetória e encontros, no Teatro Nacional Cláudio Santoro
·         1986 - Fortaleza CE - Coletiva, na Arte Galeria
·         1986 - Niterói RJ - A Ordem em Questão, na Galeria de Artes UFF
·         1986 - Porto Alegre RS - Coleção Rubem Knijnik: arte brasileira anos 60/70/80, no Margs
·         1986 - Rio de Janeiro RJ - Coletiva, na Petite Galerie
·         1986 - Rio de Janeiro RJ - Iberê Camargo: trajetória e encontros, no MAM/RJ
·         1986 - São Paulo SP - Coletiva, na Galeria Luisa Strina
·         1986 - São Paulo SP - Iberê Camargo: trajetória e encontros, no Masp
·         1987 - São Paulo SP - 19ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
·         1989 - Rio de Janeiro RJ - Geometria sem Manifesto, no Gabinete de Arte Cleide Wanderley
·         1989 - Rio de Janeiro RJ - Rio Hoje, no MAM/RJ
·         1989 - São Paulo SP - 20ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
·         1989 - São Paulo SP - Gesto e Estrutura, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud
·         1990 - Atami (Japão) - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea
·         1990 - Brasília DF - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea
·         1990 - Rio de Janeiro RJ - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea
·         1990 - São Paulo SP - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea, na Fundação Brasil-Japão
·         1990 - Sapporo (Japão) - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea
·         1990 - Tóquio (Japão) - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea
·         1992 - Niterói RJ - Galeria de Arte UFF: 10 anos, na Galeria de Arte UFF
·         1995 - Rio de Janeiro RJ - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos do Unibanco, no MAM/RJ1
·         1995 - Rio de Janeiro RJ - Desafios Contemporâneos, na P. A. Objetos de Arte
·         1992 - Rio de Janeiro RJ - 1ª A Caminho de Niterói: Coleção João Sattamini, no Paço Imperial
·         1995 - Rio de Janeiro RJ - Salão Preto e Branco, no MNBA
·         1992 - São Paulo SP - Anos 60/70: Coleção Gilberto Chateubriand/Museu de Arte Moderna-RJ, na Galeria de Arte do Sesi
·         1995 - Rio de Janeiro RJ - Uma Poética da Reflexão, no MNBA
·         1992 - São Paulo SP - Coletiva, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud
·         1995 - São Paulo SP - Morandi no Brasil, no CCSP
·         1994 - Poços de Caldas MG - Coleção Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos do Unibanco, na Casa da Cultura
·         1996 - Niterói RJ - Arte Contemporânea Brasileira na Coleção João Sattamini, no MAC/Niterói
·         1994 - Rio de Janeiro RJ - Precisão, no CCBB
·         1996 - Rio de Janeiro RJ - Geometria-Rio, no Paço Imperial
·         1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
·         1997 - Rio de Janeiro RJ - Prêmio Johnnie Walker, no MNBA. Sala Século XXI - premiado
·         1998 - Londrina PR - Arte Brasileira, na UEL
·         1998 - São Paulo SP - Destaques da Coleção Unibanco, no Instituto Moreira Salles
·         1998 - São Paulo SP - O Moderno e o Contemporâneo na Arte Brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM/RJ, no Masp
·         1998 - São Paulo SP - Os Colecionadores - Guita e José Mindlin: matrizes e gravuras, na Galeria de Arte do Sesi
·         1999 - Niterói RJ - Mostra Rio Gravura. Acervo Banerj, no Museu do Ingá
·         1999 - Rio de Janeiro RJ - Mostra Rio Gravura. Coleção Guita e José Mindlin, no Espaço Cultural dos Correios
·         1999 - Rio de Janeiro RJ - Mostra Rio Gravura. Gravura Moderna Brasileira: Acervo Museu Nacional de Belas Artes, no MNBA
·         1999 - Rio de Janeiro RJ - Volpi e Sued, na Galeria de Arte Ipanema
·         2000 - Niterói RJ - Pinturas na Coleção João Sattamini, no MAC/Niterói
·         2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal
·         2000 - São Paulo SP - Investigações. A Gravura Brasileira, no Itaú Cultural
·         2001 - Brasília DF - Investigações. A Gravura Brasileira, na Galeria Itaú Cultural
·         2001 - Penápolis SP - Investigações. A Gravura Brasileira, na Galeria Itaú Cultural
·         2001 - Porto Alegre RS - Coleção Liba e Rubem Knijnik: arte brasileira contemporânea, no Margs
·         2001 - Rio de Janeiro RJ - A Imagem do Som de Antônio Carlos Jobim, no Paço Imperial
·         2001 - Rio de Janeiro RJ - Aquarela Brasileira, no Centro Cultural Light
·         2001 - Rio de Janeiro RJ - O Espírito de Nossa Época,no MAM/RJ
·         2001 - São Paulo SP - O Espírito de Nossa Época, no MAM/SP
·         2002 - Niterói RJ - Diálogo, Antagonismo e Replicação na Coleção Sattamini, no MAC/Niterói
·         2002 - Passo Fundo RS - Gravuras: Coleção Paulo Dalacorte, no Museu de Artes Visuais Ruth Schneider
·         2002 - Porto Alegre RS - Gravuras: Coleção Paulo Dalacorte, no Museu do Trabalho
·         2002 - Rio de Janeiro RJ - A Imagem do Som do Rock Pop Brasil, no Paço Imperial
·         2002 - Rio de Janeiro RJ - Caminhos do Contemporâneo 1952-2002, no Paço Imperial
·         2002 - São Paulo SP - 10 Anos Marília Razuk, na Marília Razuk Galeria de Arte
·         2002 - São Paulo SP - 28 (+) Pintura, no Espaço Virgílio
·         2002 - São Paulo SP - Geométricos e Cinéticos, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud
·         2002 - São Paulo SP - Mapa do Agora: arte brasileira recente na Coleção João Sattamini do Museu de Arte Contemporânea de Niterói, no Instituto Tomie Ohtake
·         2003 - Rio de Janeiro RJ - Projeto Brazilianart, na Almacén Galeria de Arte
·         2004 - Rio de Janeiro RJ - 30 Artistas, no Mercedes Viegas Escritório de Arte
·         2007 - Vila Velha – ES – “Arte para Criança” – Museu Vale do Rio Doce
·         2008 - Rio de Janeiro – RJ – “Arte para Criança” MAM – Rio
·         2008 - Rio de Janeiro – RJ – “Poetas da Cor no MAC de NIterói” – MAC - Niterói



Fonte: Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é bem-vindo! ;)

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Todos os posts

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

TOP 10

Estudando para concurso? Compre sua apostila aqui!

assine nossa newsletter!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *