Saiba tudo sobre a hepatite autoimune

Uma inflamação no fígado que nunca é curada. Assim é definida a hepatite autoimune. Doença rara, que acomete, em média, menos 150 mil pessoas no Brasil. Essa doença crônica ocorre principalmente em mulheres e suas causas são desconhecidas ainda e ela é relacionada à alterações genéticas. O fígado passa a atacar as próprias células gerando dor abdominal após a ingestão de alimentos, pele amarelada, urina escura, fezes claras e náuseas no indivíduo. A doença não é contagiosa e não tem cura.

Os subtipos de hepatite autoimune - 1 e 2
Ela se apresenta em dois subtipos: a hepatite autoimune tipo 1 (que geralmente é descoberta em exame de sangue por meio da presença dos anticorpos FAN e AML. Geralmente ela ocorre entre os 16 e 30 anos de idade. É associada a outras doenças autoimunes, como a doença celíaca.) e a hepatite autoimune tipo 2 (que geralmente é descoberta em crianças, de 2 aos 14 anos de idade, por meio de exame de sangue, através da presença do anticorpo Anti-LKM1. É associada a diabetes e vitiligo.).

Sintomas da hepatite autoimune
Perda de apetite, cansaço excessivo e dores musculares são os sintomas mais comuns. Além disso, é possível sentir mais de um dos seguintes sintomas: dor abdominal constante; enjoos e vômitos; pele e olhos amarelados; coceira leve pelo corpo; dor nas articulações; e barriga inchada. Em uma pequena parcela dos enfermos não há sintomas, sendo descoberta por meio de exames de rotina através do aumento das enzimas hepáticas.  

Procure um médico
Se você tem alguns dos sintomas apresentados acima recomenda-se procurar um hepatologista ou gastroenterologista com urgência. O médico, por meio do seu relato, de exames laboratoriais e de uma biópsia do fígado, irá confirmar se você é portador da hepatite autoimune e iniciar o tratamento e acompanhamento.

A dosagem de enzimas hepáticas (AST e ALT), globulinas, gamaglubulinas e dosagem de autoanticorpos (AAN, AAML, AAMFR-1) nos exames é que são capazes de demonstrar se você tem alguma problema no fígado.

Como existem diversos tipos de hepatite, geralmente os médicos solicitam a dosagem de anticorpos contra o vírus, para descartar a possibilidade de uma hepatite viral. Ou ainda a lista de medicamentos que você utiliza continuamente, para checar a possibilidade de uma hepatite medicamentosa causada por substâncias presentes nos remédios.

Tratamento para hepatite autoimune
A hepatite autoimune pode ser controlada por meio de medicamentos corticosteróides que controlam a imunidade e uma dieta rica em frutas, verduras e cereais. Deve-se evitar o consumo de álcool, gorduras, conservantes e agrotóxicos para não sobrecarregar o órgão. Em casos graves, recomenda-se realizar um transplante de fígado. É uma doença gradual que, com o passar dos meses, sem o tratamento adequado, pode causar a fibrose do fígado. Em alguns casos, não há tempo para realizar o tratamento, pois a doença surge de forma aguda ou fulminante levando à morte.

Dieta para hepatite autoimune
A dieta faz parte do tratamento contra a hepatite autoimune. Ela ajuda a diminuir os efeitos colaterais dos medicamentos sobre o corpo do enfermo. Essa dieta, pobre em gorduras e com tolerância zero para o álcool, permite que o fígado inflamado possa desempenhar suas funções de filtragem no organismo sem grandes efeitos sobre a saúde.

Recomenda-se o consumo de cereais integrais, frutas, legumes, verduras, leguminosas e carnes magras, como frango e peixe.

Na hora das compras recomenda-se comprar: alface, tomate, brócolis, cenoura, abobrinha, rúcula, maçã, pêra, banana, manga, melancia, melão, feijão, favas, lentilhas, ervilhas, grão de bico, pão de sementes, macarrão integral, arroz integral, carne de frango, carne de peru, carne de coelho, carne de linguado e carne de peixe espada. O leite, o iogurte e o queijo devem ser consumidos nas versões light, pois a integral é rica em gorduras.

Evite frituras, carnes vermelhas, alimentos embutidos, molhos prontos - como mostarda maionese e ketchup -, manteiga, creme de leite, chocolate, biscoitos, bolos e alimentos industrializados em geral.

Prefira sempre os alimentos orgânicos porque os agrotóxicos não são facilmente eliminados pelo fígado.

Mas, lembre-se que nenhuma dieta deve ser feita por conta própria, procure um nutricionista para elaborar o seu cardápio diário e fazer o acompanhamento do seu tratamento.

Hidratação
Manter-se hidratado é fundamental para manter a saúde. Recomenda-se ingerir de 1,5 a 2 litros de água por dia. E dar preferência a sucos e chás. Evitando café e refrigerantes.

O fígado
O fígado é um dos maiores órgãos no corpo humano. Localiza-se na parte superior direita do abdômen e é subdividido nos lobos direito, esquerdo, caudado e quadrado. Ele possui 20 cm de largura e pesa cerca de 1kg em condições normais. Pessoas com esteatose hepática tem fígados mais pesados, pois há bastante gordura acumulada.

O fígado faz parte do sistema digestório e tem como principal função metabolizar e armazenar nutrientes. Ele transforma a galactose e a frutose em glicose, armazena o glicogênio para transformá-lo em glicose, transforma as proteínas em aminoácidos, faz a síntese de aminoácidos não essenciais e a produção de proteínas essenciais (albumina, transferrina, fibrinogênio), armazena vitaminas lipossolúveis e os minerais, filtra as toxinas e os metais pesados que estão no sangue e transforma toda a gordura ingerida na alimentação em fonte de energia.
Além disso, as  vitaminas A, B12, D e E e alguns minerais (cobre, ferro) são armazenados no fígado. Ele destrói as hemácias velhas ou com anomalias, secreta bile, realiza a síntese de proteínas do plasma, converte a amônia em ureia, faz a síntese do colesterol e metaboliza os medicamentos, entre outras funções.

O fígado tem uma enorme capacidade de se regenerar. Por isso, pode-se doar uma parte do fígado em transplantes.




O blog Sete Artes é editado pela jornalista Chandra Santos, desde 2009, com assuntos relacionados a artes visuais, artes cênicas, cinema, literatura, música e muito mais. Aqui também é possível encontrar artigos de autoria dela, que fazem parte de seu portfólio como jornalista e produtora de conteúdo. Chandra Santos é Jornalista, redatora, revisora, produtora de conteúdo, assessora de imprensa, social media, marketing digital e cria sites com o cms WordPress. Bacharel em Comunicação Social/Jornalismo, pós-graduada em Marketing e Design Digital pela ESPM Rio, formada em Web Design pela Microlins, Assistente Administrativa pelo SENAC, ela possui diversos cursos extracurriculares e está em constante atualização profissional. Atualmente cursa licenciatura em Letras (Português/Literatura). Para acompanhá-la siga no Instagram, no Linkedin, no Youtube e curta no Facebook.

Todos os posts

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

TOP 10

Estudando para concurso? Compre sua apostila aqui!